Formação do cânone bíblico

    Augusto Constantino

    O termo cânone provem da tradução do grego kanon que significa literalmente «vara», «cana» ou «cana para medir». No entanto, actualmente, a acepção mais comum deste termo deriva de uma compreensão metafórica que transmite o sentido de «regra» ou «norma». São inúmeras as questões e as problemáticas que se levantam quando entramos no universo de estudo do cânone bíblico.

    Por exemplo: a problemática inspiração/autoridade/cânone tem definido duas grandes vias paralelas na concepção epistemológica eclesiástica. Na primeira, o cânone é compreendido como o resultado de um binómio combinado: inspiração e autoridade eclesiástica. O livro é o resultado da inspiração divina, consequentemente ratificada pela autoridade da Igreja. A outra refere a autoridade eclesiástica como o reflexo da autoridade da inspiração reconhecida, e não estabelecida, como sendo canónica.

    No entanto, neste espaço não é suficiente para discutirmos esse assunto daí recomendo o nosso curso de bibliologia; sendo assim, passamos a descrever alguns processos da formação do cânone do antigo e velho testamentos.

    canone biblicoA fixação de um cânone bíblico é o resultado de um processo histórico complexo, imbuído e expressivo de leituras e interpretações marcadas pelos variados contextos sociológico, religioso e teológico que determinaram as diversas etapas do desenvolvimento do pensamento judaico­‑cristão.

    Apesar e para além das lacunas de matéria historiográfica, existentes em grande medida pela dificuldade de estudo ou mesmo pela impossibilidade de acesso às fontes primárias, é fundamental, ao processo de investigação, determinar o tecido ideológico envolvente às diferentes etapas basilares da formação do conceito regulamentar de um cânone. Na verdade, seria ingénuo, ou diremos mesmo errado da nossa parte, falar, neste momento, do cânone bíblico, como se o conceito representasse uma compreensão una e consensual.

    Com efeito, para uma maior exactidão, vemo­‑nos obrigados a falar dos cânones da Bíblia, quer por uma questão de rigor para com a realidade contemporânea, quer mesmo pela pluralidade de perspectivas e posicionamentos ideológicos com os quais o tema do cânone bíblico tem sido brindado com o decorrer da história.

    Se por um lado a discussão parece encerrada ou pelo menos adormecida, na perspectiva daquele que crê e que alicerça a sua crença no «sólido fundamento» da Palavra «divinamente inspirada», por outro lado o pensamento académico, ou melhor, o pensamento crítico continua na actualidade a levantar o véu da irresolução em relação a variadíssimos contornos do panorama geral deste quadro milenar.

    Um dos desafios encontrados no estudo do processo de determinação do cânone bíblico prende­‑se à dificuldade de especificar os limites e os lugares comuns entre a história e a teologia.

    Se por um lado, os testemunhos historiográficos nos servem enquanto marcos de compreensão da evolução das sensibilidades e do desenvolvimento de um conceito, por outro lado, o sentido epistemológico do mesmo, é um reflexo das estruturas teológicas do pensamento.

    A consciência de tal complexidade conduz­‑nos naturalmente a uma atitude que poderíamos designar por «humildade metodológica», valorizando a necessidade de definir à partida, de uma maneira concreta, os limites e os objectivos a atingir no decurso da investigação.

    De entre as grandes linhas de reflexão que sobressaem no estudo do tema do cânone da Bíblia, gostaríamos, em conclusão, de deixar dois pensamentos que permanecem diante do investigador como colunas basilares de uma imponente estrutura: Como é que o conceito de cânone se desenvolveu ideologicamente, de modo a definir uma lista ou um conjunto fechado, perfeito? De que modo a compreensão do cânone bíblico enquanto lista completa e fechada, influenciou o desenvolvimento das concepções teológicas contemporâneas de revelação e inspiração? Perguntas como estas, justificam a pertinência da «humildade metodológica» na abordagem de um tema tão vasto, relembrando­‑nos que cada novo passo desvenda diante de nós novas oportunidades de questionamento e novas possibilidades de investigação.

    Fonte: veja aqui

    Docente universitário, formado em farmácia. Com mestrado em Teologia e análises clínicas. Webdesigner…possui vários sites na internet inclusive o site Augusto Constantino onde posto material didático e relevante para áreas de farmácia, nutrição, teologia e marketing digital.