História da toxicologia da antiguidade a actualidade

  1. Toxicologia – sua história

Devido aos avanços da bioquímica molecular, biologia, química, genética, matemática, medicina, farmacologia, fisiologia e física, bem como a aplicação da disciplina quanto a avaliação da segurança e do risco químico, a toxicologia moderna tem sua atuação muito além do estudo dos efeitos adversos de agentes exógenos. Antes de definirmos com exatidão a toxicologia, conheçamos o seu percurso ao longo da história:

  • Antiguidade

A toxicologia remonta aos primeiros seres humanos, que usaram venenos animais e extratos de plantas para caça, guerra e assassinato. O conhecimento desses venenos deve ter antecedido a história registada. É seguro assumir que os seres humanos pré-históricos classificaram algumas plantas como prejudiciais e outras como seguras. O Papiro de Ebers (cerca de 1500 d.C.) contém informações relativas a muitos venenos reconhecidos, incluindo a cicuta (o veneno do estado dos gregos), aconite (um enxofre da seta chinesa), o ópio (usado como veneno e um antídoto) e metais como arsênico, cobre e antimônio. Cerca de 400 d.C., Hipócrates contribuiu com a descrição de uma série de venenos e princípios de toxicologia clínica referentes à biodisponibilidade em terapia e sobredosagem, enquanto a Bíblia (cerca de 400 d.C.) fala de flechas de veneno (Jó 6: 4). Na literatura da Grécia antiga, existem várias referências aos venenos e ao seu uso. Theophrastus (370-286 d.C.), estudante de Aristóteles, incluiu inúmeras referências a plantas venenosas em Historia Plantarum.

Dioscorides, um médico grego na corte do imperador romano Nero, fez a primeira tentativa de classificação de venenos, que foi acompanhada de descrições e desenhos. Sua classificação em venenos vegetais, animais e minerais não só permaneceu como um padrão durante 16 séculos, mas também é um conveniente. Dioscorides também se divertiu em terapia, reconhecendo o uso de eméticos em envenenamento e o uso de agentes cáusticos e copos em mordida de cobra. O envenenamento com toxinas vegetais e animais era bastante comum. Talvez o receptor mais conhecido de veneno usado como método estatal de execução fosse de Sócrates (470-399 a.C), cuja amostra de xarope de cicuta foi, aparentemente, estimada como a dose adequada. O suicídio expedito de forma voluntária também utilizou o conhecimento toxicológico.

Os romanos também fizeram uso considerável de venenos na política. Uma lenda sobre o rei Mithridates VI do Pontus, cujos inúmeros experimentos de toxicidade aguda em criminosos infelizes levaram a sua eventual afirmação de que ele havia descoberto um antídoto para cada réptil venenoso e substância venenosa. Mithridates estava tão temeroso de venenos que ele ingeriu regularmente uma mistura de 36 ingredientes como proteção contra o assassinato. Por ocasião de sua iminente captura por parte dos inimigos, suas tentativas de se matar com veneno derrubaram devido à sua bem-sucedida mistura de antídotos, e ele foi forçado a usar uma espada segurada por um servo. A partir deste relato vem o termo “mithridatic”, referente a uma mistura antidotal ou protetora. O termo “theriac” também se tornou sinônimo de “antídoto”.

Os envenenamentos em Roma atingiram proporções epidêmicas durante o século IV d.C. Envenenamento em grande escala semelhante continuou até que a Sulla emitiu o Lex Cornelia (cerca de 82 a.C.). Esta parece ser a primeira lei contra a intoxicação, e mais tarde se tornou um estatuto regulatório dirigido a dispensadores de drogas despreocupados. Nero (ad 37-68) usou venenos para acabar com seu meio-irmão Brittanicus e empregou seus escravos como provadores de alimentos para diferenciar cogumelos comestíveis de seus parentes mais venenosos.

  • Idade média

Antes do Renascimento, os escritos de Maimonides (Moses ben Maimon, ad 1135-1204) incluíam um tratado sobre o tratamento de intoxicações de insetos, cobras e cães loucos (Venenos e seus antídotos, 1198). Maimonides, como Hipócrates antes dele, escreveu sobre o tema da biodisponibilidade, observando que leite, manteiga e creme podem atrasar a absorção intestinal. Maimonides também refutou muitos dos remédios populares do dia e declarou suas dúvidas sobre os outros. Há rumores de que os alquimistas deste período (cerca de 1200), em busca do antídoto universal, aprenderam a destilar produtos fermentados e fizeram uma bebida de etanol a 60% que tinha muitos poderes interessantes.

No início do Renascimento, os italianos, com pragmatismo característico, trouxeram a arte do envenenamento ao seu zênite. O envenenador tornou-se parte integrante da cena política. Os registos dos conselhos municipais de Florença, em particular os do infame Conselho dos Dez de Veneza, contêm amplo testemunho sobre o uso político dos venenos. As vítimas foram nomeadas, preços estabelecidos e contratos registados; Quando a escritura era realizada, o pagamento era feito. Uma figura infame da época era uma dama chamada Toffana que pedia cosméticos preparados especialmente com arsênico (Agua Toffana). Toffana foi sucedido por um imitador com o génio organizacional, Hieronyma Spara, que forneceu um novo celular dirigindo suas atividades para objetivos conjugais e monetários específicos. Um clube local foi formado por jovens mulheres casadas e ricas, que logo se tornaram um clube de viúvas jovens e elegíveis e reminiscentes da conspiração matrona de Roma, séculos antes. Aliás, os cosméticos contendo arsênico foram responsáveis ​​por mortes até o século XX.

Entre as famílias proeminentes envolvidas em envenenamento, os Borgias eram os mais notórios. No entanto, muitas mortes que foram atribuídas ao envenenamento são agora reconhecidas como resultantes de doenças infeciosas como a malária. Parece verdade, no entanto, que Alexandre VI, seu filho Cesare e Lucrezia Borgia estavam bastante ativos. A aplicação hábil de venenos a homens de estatura na Igreja Católica aumentou as propriedades do papado, que era seu principal herdeiro.

Neste período, Catherine de Medici exportou suas habilidades da Itália para a França, onde os principais alvos das mulheres eram seus maridos. No entanto, ao contrário dos envenenadores de um período anterior, o círculo representado por Catherine e simbolizado pela notória Marchioness de Brinvillers dependia do desenvolvimento de evidências diretas para chegar aos compostos mais eficazes para seus propósitos. Com a aparência de fornecer provedor aos doentes e aos pobres, Catherine testou misturas tóxicas, observando cuidadosamente a rapidez da resposta tóxica (início da ação), a eficácia do composto (potência), o grau de resposta das partes do corpo (local de ação) e queixas da vítima (sinais e sintomas clínicos).

O culminar da prática na França é representado pela comercialização do serviço por Catherine Deshayes, uma feiticeira de parteira que obteve o título “La Voisin”. Seu negócio foi dissolvido por sua execução em 1680. Seu julgamento foi um dos mais famosos de Aqueles detidos pela Chambre Ardente, uma comissão judicial especial criada por Luís XIV para julgar tais casos, independentemente da idade, sexo ou nacionalidade. La Voisin foi condenada por muitas intoxicações, com mais de 2000 crianças entre as vítimas.

  • Idade da iluminação

Uma figura significativa na história da ciência e da medicina no final da Idade Média foi o homem renascentista Philippus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheim-Paracelsus (1493-1541). Entre o tempo de Aristóteles e a era de Paracelso, houve pouca mudança substancial nas ciências biomédicas. No século 16, a revolta contra a autoridade da Igreja Católica foi acompanhada por um ataque paralelo à autoridade divina exercida pelos seguidores de Hipócrates e Galeno. Paracelsus personificou pessoalmente e profissionalmente as qualidades que forçaram muitas mudanças neste período. Ele e sua idade eram fundamentais, parados entre a filosofia e a magia da antiguidade clássica e a filosofia e a ciência que nos foram feitas por figuras dos séculos XVII e XVIII. Claramente, pode-se identificar na abordagem de Paracelsus, ponto de vista e amplitude de interesse inúmeras semelhanças com a disciplina que agora é chamada de toxicologia.

Os desenvolvimentos da revolução industrial estimularam o aumento de muitas doenças ocupacionais. O reconhecimento, em 1775, do renomado cirurgião inglês do século 18 – Percival Pott (1714-1788), do papel da fuligem no câncer escrotal entre as chaminés foi o primeiro exemplo de carcinogenicidade de hidrocarbonetos poliaromáticos (PAH), um problema a respeito do mecanismo de ação dos mesmo ainda intriga toxicologistas hoje. Esses achados resultaram em melhores práticas médicas, particularmente na prevenção de doenças ocupacionais. Deve-se notar que Paracelsus e Ramazzini também apontaram a toxicidade de fumaça e fuligem.

Muitos cientistas alemães contribuíram bastante para o crescimento da toxicologia no final do século XIX e início do século XX. Entre os gigantes do campo estão Oswald Schmiedeberg (1838-1921) e Louis Lewin (1850-1929). Schmiedeberg fez muitas contribuições para a ciência da toxicologia, não menos do que foi o treinamento de aproximadamente 120 estudantes que mais tarde povoaram os laboratórios mais importantes de farmacologia e toxicologia em todo o mundo. A pesquisa de Schmiedeberg centrou-se na síntese do ácido hipúrico no fígado e nos mecanismos de detoxifiação do fígado em várias espécies animais (Schmiedeberg e Koppe, 1869). Lewin, que foi educado originalmente em medicina e ciências naturais, treinou em toxicologia sob Liebreich no Instituto Farmacológico de Berlim (1881). Suas contribuições sobre a toxicidade crônica de narcóticos e outros alcalóides continuam sendo um clássico. Lewin também publicou muitos dos primeiros trabalhos sobre a toxicidade do metanol, glicerol, acroleína e clorofórmio (Lewin, 1920, 1929).