Criptomoedas caem no mercado: será que é o fim?

criptomoedas augustobene.com

[AdSense-A]

As criptomoedas caem, isto é o mercado das criptomoedas que era considerado um mercado promissor para enriquecer as pessoas, parece estar com problemas sérios nos últimos meses: todas as criptos estão em alta queda, confira abaixo:

O gráfico nos ilustra como claramente que a queda não só foi no início de 2018, mas que até o final de 2018 as criptomoedas estão a sofrer uma grande queda e a um nível assustador! Tem pessoas que já perderam uma grande fortuna e outras que mineravam pararam de minerar porque as máquinas de mineração dessas criptomoedas já não dão lucro se não prejuízos.

Saiba como investir em bitcoin em Moçambique, clique aqui

Vou colocar aqui duas informações a respeito dessa queda:

1. Criptomoedas caem devida às investigações nos EU

[AdSense-B]

Depois de uma alta surpreendente no final do ano passado, as criptomoedas vêm perdendo valor desde então. Na última semana, o bitcoin caiu abaixo dos US$ 8 mil, enquanto o ether chegou a valer menos de US$ 500 pela primeira vez este ano.

[AdSense-A]

Trata-se de um movimento generalizado. O valor total das criptomoedas estava em US$ 450 bilhões no início de março, e agora é de US$ 315 bilhões. O que aconteceu?

A SEC, comissão de valores mobiliários dos EUA, tem “dúzias” de investigações abertas sobre criptomoedas, segundo a Bloomberg. “Estamos muito ativos e espero ver mais e mais”, disse Stephanie Avakian, codiretora da divisão de Aplicação de Leis.

A agência está de olho nos ICOs, ofertas iniciais de moeda semelhantes a uma estreia na bolsa de valores. Eles oferecem tokens em troca de dinheiro para financiar projetos, e a SEC quer enquadrá-los nas leis de valores mobiliários dos EUA.

Segundo a CoinDesk, a agência está à procura de todos os detalhes envolvendo ICOs para combater atividades ilegais. Algumas vendas de tokens foram interrompidas, assim como a negociação deles, após a SEC intervir.

2. Outros fatores relacionados com a queda.

[AdSense-B]

Após alguns dias lutando para se manter acima dos US$ 4.000, o Bitcoin volta a operar em forte queda e cai 11% nas últimas horas, fazendo a criptomoeda negociar próximo aos US$ 3.300. No Brasil, o BTC é negociado a R$ R$ 13.274 às 7:00.

O preço do bitcoin atingiu uma nova baixa anual na madrugada desta sexta-feira (07), levando o mercado de criptoativos ainda mais para o vermelho. O patamar atual se equivale ao de setembro de 2017.

[AdSense-A]

A queda já chega a -83% desde o topo histórico, atingido em dezembro de 2017. Em 2018, o acumulado negativo é de -75%. O mês passado registrou a maior desvalorização mensal dos últimos sete anos.

Alguns fatores podem ter desencadeado a continuação da queda. A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) adiou a decisão sobre a última proposta de ETF de Bitcoin da VanEck, – a proposta mais aguardada – para fevereiro de 2019.

Além disso, a ascensão do Bitcoin SV – a única criptomoeda operando em alta nas últimas horas – que ultrapassou o valor de mercado do Bitcoin Cash, é especulado de ter impulsionado a queda dos mercados, assim como foi durante o hard fork do BCH, que desencadeou em uma “guerra” e uma incerteza para os investidores.

O analista da Bloomberg Mike McGlone previu que os US$ 1.500 não estariam fora de cogitação para o preço do bitcoin.
[AdSense-A]

Um outro dado a se levar em consideração é que as apostas na queda do preço do Bitcoin no mercado futuro atingiram uma nova alta das últimas seis semanas.

O sentimento pessimista em torno dos preços do bitcoin fez com que o número de shorts (operações vendidas) voltasse a subir.

As posições vendidas do par BTC/USD na exchange de criptomoedas Bitfinex saltaram para 37.891 – o nível mais alto desde 15 de outubro. Notavelmente, os shorts aumentaram em 95% nas últimas três semanas, acompanhando a queda recente do BTC.

Além disso, a relação longs-shorts de 0,73 é inclinada para os vendedores.

Não é só bitcoin quem leva outras moedas a cairem, mas também a ethereum faz isso.

[AdSense-B]

Apesar de o Bitcoin ser a criptomoeda mais conhecida, o Ethereum é também outra representante bastante ativa deste novo mercado. Assim como a sua famosa colega, o Ethereum também está com grande queda no preço. A moeda é negociada por R$ 381,96 nesta quinta-feira (6), representando uma queda de 93% desde o início do ano.

O Ethereum voltou a operar abaixo dos US$ 100 (~ R$ 384), um marco visto somente em maio deste ano. Contudo, em comparação com o início do ano passado, a queda é desastrosa. Em janeiro, ele valia cerca de R$ 5.387.

A moeda segue a desvalorização do mercado de criptos como um todo. O Bitcoin, por exemplo, caiu 73% desde o início do ano e é cotado atualmente na faixa dos R$ 14.580. Os números mostram também que a capitalização total do mercado de criptomoedas caiu 80%.

[AdSense-A]

Apesar da queda no entusiasmo das criptomoedas o investimento em startups de blockchain tem mostrado crescimento. Segundo levantamento do site Coindesk, o investimento em empresas como estas subiu nos últimos três anos. Em 2016, empresas com foco em blockchain levantaram US$ 597 milhões (~ R$ 2,2 bi) em investimentos de empresas de capital, sendo que tal número subiu para US$ 876 milhões (~ R$ 3,3 bi) em 2017; e US$ 3,1 bilhões (~ R$ 11,9 bi) em 2018. Ou seja, um número quase seis vezes maior em apenas 3 anos.

Ainda, em termos de empregos relacionados ao setor, Mati Greenspan, analista de mercado da plataforma de negociação eToro, mostra muitas oportunidades. Em um estudo da Glassdoor.com, ela aponta que a empregabilidade associada às criptomoedas e ao blockchain em geral aumentaram 300% neste último ano.

Contudo, a expectativa é de que o preço das criptomoedas ainda se mantenham em queda.

[AdSense-B]

Sair da versão mobile