Fibromialgia: sintomas, causas e tratamento

fibromialgia

A fibromialgia é um síndrome caracterizado por dor crônica generalizada em vários pontos sensíveis, rigidez articular e sintomas sistêmicos (por exemplo, distúrbios de humor, fadiga, disfunção cognitiva e insônia) sem uma doença orgânica subjacente bem definida.

Na maioria das vezes, as pessoas com essa doença crônica ficam muito cansadas e têm problemas de sono.

A fibromialgia é mais comum em mulheres, embora possa ocorrer em homens. Geralmente começa na idade adulta, mas pode ocorrer na adolescência e na velhice.

Os sintomas da fibromialgia podem ser confundidos com os da artrite ou inflamação das articulações. No entanto, ao contrário da artrite, não foi encontrado ainda a causa da inflamação e dos danos nas articulações ou músculos.

É vista como uma condição reumática, em outras palavras, que causa dor nos tecidos moles.

Sintomas da fibromialgia

Os sintomas da fibromialgia incluem:

  • Dor generalizada. A dor associada à fibromialgia é frequentemente descrita como uma dor constante que dura há pelo menos três meses. Para ser considerada generalizada, a dor deve ocorrer nos dois lados do corpo e acima e abaixo da cintura.
  • Fadiga. Pessoas com fibromialgia geralmente acordam cansadas, mesmo que relatem dormir por longos períodos de tempo. O sono é frequentemente interrompido pela dor, e muitos pacientes com fibromialgia têm outros distúrbios do sono, como síndrome das pernas inquietas e apneia do sono.
  • Dificuldades cognitivas. Um sintoma comumente chamado de “névoa fibro” prejudica a capacidade de se concentrar, prestar atenção e se concentrar em tarefas mentais.
  • Períodos menstruais dolorosos
  • Formigamento e dormência nas mãos e pés
  • Sensibilidade ao frio ou calor
  • Problemas com a visão
  • Náusea
  • Problemas pélvicos e urinários
  • Ganho de peso
  • Tontura
  • Sintomas de gripes ou resfriados
  • Problemas de pele
  • Sintomas no peito
  • Depressão e ansiedade
  • Problemas respiratórios

Os sintomas podem aparecer a qualquer momento durante a vida de uma pessoa, mas são mais comumente relatados por volta dos 45 anos.

A fibromialgia geralmente coexiste com outras condições dolorosas, como:

  • Síndrome do intestino irritável
  • Enxaqueca e outros tipos de dores de cabeça
  • Cistite intersticial ou síndrome dolorosa da bexiga
  • Distúrbios da articulação temporomandibular

Causas (etiologia e patogênese) da fibromialgia

A etiologia e patogênese da fibromialgia ainda não são totalmente esclarecidas. Vários fatores como disfunção do sistema nervoso central e autonômico, neurotransmissores, hormônios, sistema imunológico, estressores externos, aspectos psiquiátricos e outros parecem estar envolvidos.

Sistema Nervoso Central

A sensibilização central é considerada o principal mecanismo envolvido e é definida pelo aumento da resposta à estimulação mediada pela sinalização do SNC.

A sensibilização central é a consequência da atividade nervosa espontânea, campos receptivos aumentados e respostas aumentadas de estímulo transmitidas por fibras aferentes primárias.

Outro mecanismo supostamente envolve as conhecidas vias inibitórias (prejudicadas) descendentes da dor, que modulam as respostas da medula espinhal a estímulos dolorosos; isso ajuda a exacerbar a sensibilização central.

Além dos mecanismos neuronais aumentados, a ativação das células gliais também pode desempenhar um papel importante na patogênese da fibromialgia, pois ajuda a modular a transmissão da dor na medula espinhal.

Além disso, vários neurotransmissores parecem estar envolvidos na sensibilização central, como a serotonina que tem um papel significativo na modulação da dor e está envolvida na regulação do humor e do sono.

A noradrenalina, dopamina, substância P, endorfinas e metenefalinas são considerados ser hiperativos, mas de alguma forma são incapazes de modular a dor nesses pacientes. Isso poderia explicar a eficácia reduzida de opiáceos exógenos nessa população.

Sistema Neuroendócrino e Sistema Nervoso Autonômico

Como a fibromialgia é considerada um distúrbio relacionado ao estresse, é fácil entender que o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) está envolvido.

Diferentes estudos mostraram níveis elevados de cortisol, principalmente à noite, associados a um ritmo circadiano interrompido.

Além disso, esses pacientes apresentaram altos valores de hormônio adrenocorticotrópico (ACTH) tanto em base, quanto em resposta ao estresse – provavelmente como conseqüência de uma hipossecreção crônica do hormônio liberador de corticotropina (CRH).

Essas alterações estão provavelmente relacionadas aos baixos níveis de serotonina observados nos casos de fibromialgia, porque as fibras serotoninérgicas regulam a função do eixo HPA

Os níveis de hormônio do crescimento (GH) tendem a ser normais durante o dia, reduzidos durante o sono. É provável que a explicação seja dupla.

Primeiro, o GH é secretado principalmente durante o estágio 4 do sono e essa fase é interrompida em pacientes afetados por fibromialgia.

Segundo, esses pacientes têm altos níveis de somatostatina, um inibidor de GH, induzido pelo ACTH, cujos níveis são altos, como mencionado anteriormente.

Os níveis de hormônio tireoidiano geralmente são normais, mesmo que os pacientes freqüentemente apresentem sintomas de hipotireoidismo e haja alguma evidência sugerindo uma associação com testes de estimulação anormais de hormônio liberador de tireotropina (TRH).

A secreção de gonadotrofina e esteróide gonadal é geralmente normal, aparentemente sem nenhuma correlação com a maior incidência de fibromialgia em mulheres.

Vários estudos, parecem confirmar que na fibromialgia o sistema nervoso simpático é persistentemente hiperativo, mas hipo-reativo estressar.

Isso poderia explicar alguns sintomas clínicos, como fadiga, rigidez matinal, distúrbios do sono, ansiedade, fenômeno do pseudo-Raynaud, sintomas sicca e irritabilidade intestinal.

Altos níveis séricos de neuropeptídeo Y, que normalmente são secretados juntamente com a noradrenalina, devem ser um sinal desse estado desautonômico.

Fatores genéticos

É provável que a predisposição genética seja um fator importante, conforme sugerido por vários estudos familiares e a transmissão seja considerada poligênica.

Entre os vários genes investigados, os mais importantes estão associados aos neurotransmissores.

O gene transportador de serotonina é caracterizado por um polimorfismo de nucleotídeo único; o alelo “S” (curto) é mais frequente em pacientes afetados por fibromialgia e por distúrbios psicológicos.

Outros genes que se presume estarem envolvidos são o gene da catecol-O-metiltransferase, o gene do receptor da dopamina D4 e a região HLA.

Sistema imunológico

A fibromialgia é comum em pacientes afetados por doença autoimune. Diferentes estudos na literatura lidam com auto-anticorpos na fibromialgia com resultados ambíguos.

Em particular, vários autores investigaram a associação entre essa doença e os anticorpos antipolímeros (APAs): os resultados são controversos e os APAs não podem ser usados ​​como um marcador para o diagnóstico.

Alguns gatilhos

As infecções parecem ser capaz de induzir a fibromialgia, mesmo se uma relação causal direta não estiver documentada.

Em particular, vírus como HIV e Parvovírus; e bactérias como Borrelia podem estar envolvidos.

Um papel importante que lida com essa associação pode ser desempenhado pelas citocinas e pelas células da glia, que, por exemplo, expressam receptores para bactérias e vírus.

Trauma físico, vacinação e substâncias químicas também podem ser fatores desencadeantes.

Tratamento da fibromialgia

Muitas pessoas que têm fibromialgia evitam a atividade física por medo de agravar ou exagerar a dor. Porém, pesquisas demonstraram que exercícios e desportos leves (por exemplo, ciclismo ou caminhada nórdica) podem melhorar seu bem-estar, fortalecer seu corpo e aliviar um pouco a dor. Então eles são uma parte importante do tratamento.

Certos medicamentos provaram reduzir bastante a dor da fibromialgia em algumas pessoas. Estes incluem amitriptilina, duloxetina, milnacipran e pregabalina.

Todos eles influenciam certos mensageiros químicos que também afetam a forma como sentimos dor. Esses medicamentos foram desenvolvidos originalmente para o tratamento da depressão ou epilepsia.

Quando usados ​​no tratamento da fibromialgia, no entanto, não são utilizados pelos seus efeitos antidepressivos ou antiepiléticos.

Analgésicos convencionais como diclofenaco, ibuprofeno ou acetaminofeno (paracetamol) geralmente não são recomendados para o tratamento da fibromialgia.

Veja os princípios gerais de tratamento da dor

Muitas pessoas com fibromialgia consideram certos tipos de fisioterapia agradáveis, principalmente movendo-se em água morna. Alguns também dizem que ir à sauna ou fazer massagens suaves ajudam.

O gerenciamento multimodal da dor pode ser uma boa ideia, principalmente se a dor da fibromialgia for forte. Essa abordagem combina técnicas de movimento, relaxamento e controle da dor usadas na terapia cognitivo-comportamental (TCC).

A TCC e outros tratamentos psicológicos podem ajudar as pessoas a lidar melhor com a dor e outros sintomas na vida cotidiana. Medicação também pode ser usada.

Se alguém também tem outras doenças, como artrite ou problemas psicológicos, como depressão , é importante tratar essas condições também.

Referências

  1. Bellato, E., Marini, E., Castoldi, F., Barbasetti, N., Mattei, L., Bonasia, D. E., & Blonna, D. (2012). Fibromyalgia syndrome: etiology, pathogenesis, diagnosis, and treatment. Pain research and treatment, 2012, 426130. doi:10.1155/2012/426130 (foi a base de toda patogenese)
  2. InformedHealth.org [Internet]. Cologne, Germany: Institute for Quality and Efficiency in Health Care (IQWiG); 2006-. Fibromyalgia: Overview. 2018 Mar 8. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK492993/
  3. American College of Rheumatology. https://www.rheumatology.org/

Comente aqui