Doença de Alzheimer: causas, sintomas e tratamento

demencia

A doença de Alzheimer é uma doença cerebral progressiva e irreversível que destrói lentamente a memória e as habilidades de raciocínio e, eventualmente, a capacidade de realizar as tarefas mais simples.

Sintomas da doença de alzheimer

Para se ter um diagnóstico positivo de que você tem alzheimer precisar apresentar pelo menos duas das cinco áreas de sintomas listadas abaixo:

Reduzida capacidade de absorver e lembrar de novas informações, o que pode levar, por exemplo:

  • perguntas repetitivas ou conversas
  • extravio de pertences pessoais
  • esquecimento de eventos ou compromissos
  • se perder em uma rota familiar

Deficiências no raciocínio, tarefas complexas e julgamento, por exemplo:

  • má compreensão dos riscos de segurança
  • incapacidade de gerenciar finanças
  • baixa capacidade de decisão
  • incapacidade de planejar atividades complexas ou sequenciais

Habilidades visuais prejudicadas que não são devido a problemas de visão. Estes poderiam ser:

  • incapacidade de reconhecer rostos ou objetos comuns ou de encontrar objetos em visão direta
  • incapacidade de usar ferramentas simples, por exemplo, para orientar as roupas para o corpo

Fala, leitura e escrita prejudicadas, por exemplo:

  • dificuldade em pensar em palavras comuns enquanto fala
  • erros de fala, ortografia e escrita

Mudanças na personalidade e comportamento, por exemplo:

  • mudanças de humor fora do caráter, incluindo agitação, apatia, retraimento social ou falta de interesse, motivação ou iniciativa
  • perda de empatia
  • comportamento compulsivo, obsessivo ou socialmente inaceitável

Se o número e a gravidade dos sintomas confirmarem demência, os seguintes fatores podem confirmar a doença de Alzheimer:

  • Início gradual, ao longo de meses a anos, em vez de horas ou dias
  • uma acentuada piora do nível normal de cognição do indivíduo em áreas específicas

Se os sintomas começarem ou piorarem ao longo de horas ou dias, você deve procurar atendimento médico imediato, pois isso pode indicar uma doença aguda.

A doença de Alzheimer é mais provável quando a perda de memória é um sintoma proeminente, especialmente na área da aprendizagem e da recuperação de novas informações.

Problemas de linguagem também podem ser um sintoma inicial importante, por exemplo, lutando para encontrar as palavras certas.

Os déficits visuais mais proeminentes incluem:

  • incapacidade de reconhecer objetos e rostos
  • dificuldade em compreender partes separadas de uma cena de uma só vez
  • dificuldade em ler texto

Venha conhecer Mais doenças, sintomas, causas e tratamento.

Causas da doença de Alzheimer

Acredita-se que a doença de Alzheimer na maioria das pessoas é causada por uma combinação de fatores genéticos, de estilo de vida e ambientais que afetam o cérebro ao longo do tempo.

Menos de 1% da doença de Alzheimer é causada por alterações genéticas específicas. Essas ocorrências raras geralmente resultam no início da doença na meia idade.

As causas exatas da doença de Alzheimer não são totalmente compreendidas, mas em seu núcleo estão problemas com proteínas cerebrais que não funcionam normalmente, interrompem o trabalho das células cerebrais (neurônios) e desencadeiam uma série de eventos tóxicos.

Os neurônios são danificados, perdem conexões uns com os outros e acabam morrendo.

O dano geralmente começa na região do cérebro que controla a memória, mas o processo começa anos antes dos primeiros sintomas. No estágio final da doença, o cérebro se encolhe significativamente.

Os pesquisadores estão focados no papel de duas proteínas:

Esquema da doença de alzheimer
Figura 1. Proteínas presentes na doença de alzheimer (fonte URMC)
  • Beta-amilóide que é um fragmento remanescente de uma proteína maior. Quando esses fragmentos se agrupam, eles parecem ter um efeito tóxico sobre os neurônios e atrapalham a comunicação celular. Esses aglomerados formam depósitos maiores chamados placas amilóides, que também incluem outros detritos celulares.
  • As proteínas tau desempenham um papel no suporte interno e no sistema de transporte de nutrientes e outros materiais essenciais. Na doença de Alzheimer, as proteínas tau mudam de forma e se organizam em estruturas chamadas emaranhados neurofibrilares. Os emaranhados interrompem o sistema de transporte e são tóxicos para as células.

Alzheimer e as Mudanças no Cérebro

Alterações microscópicas no cérebro começam muito antes dos primeiros sinais de perda de memória.

O cérebro tem 100 bilhões de células nervosas (neurônios). Cada célula nervosa se conecta com muitas outras para formar redes de comunicação. Grupos de células nervosas têm empregos especiais. Alguns estão envolvidos em pensar, aprender e lembrar. Outros nos ajudam a ver, ouvir e cheirar.

Para fazer o seu trabalho, as células cerebrais operam como pequenas fábricas. Eles recebem suprimentos, geram energia, constroem informações se livram do que é desnecessário.

As células também processam e armazenam informações e se comunicam com outras células. Manter tudo funcionando requer coordenação, bem como grandes quantidades de combustível e oxigênio.

Os cientistas continuam a desvendar as complexas mudanças cerebrais envolvidas no início e na progressão da doença de Alzheimer. Parece provável que o dano no cérebro comece uma década ou mais antes que a falta da memória e outros problemas cognitivos apareçam.

Durante este estágio pré-clínico da doença de Alzheimer, as pessoas parecem estar livres de sintomas, mas mudanças tóxicas estão ocorrendo no cérebro.

Depósitos anormais de proteínas formam placas amilóides e tau emaranhados em todo o cérebro, e neurônios que já foram saudáveis ​​param de funcionar, perdem conexões com outros neurônios e morrem.

O dano inicialmente parece ocorrer no hipocampo, a parte do cérebro essencial na formação de memórias. À medida que mais neurônios morrem, partes adicionais do cérebro são afetadas e elas começam a encolher.

Tratamento

A doença de Alzheimer é complexa, e é improvável que qualquer droga ou outra intervenção possa tratá- la com sucesso.

As abordagens atuais se concentram em ajudar as pessoas a manter a função mental, gerenciar os sintomas comportamentais e desacelerar certos problemas, como a perda de memória.

Pesquisadores esperam desenvolver terapias direcionadas a mecanismos genéticos, moleculares e celulares específicos para que a verdadeira causa subjacente da doença possa ser interrompida ou evitada.

Manutenção da função mental

Os medicamentos como donepezil, rivastigmina e galantamina são utilizados para tratar ligeira a moderada de Alzheimer (donepezil pode ser utilizado para a grave doença de Alzheimer). Memantina é utilizado para tratar a doença de Alzheimer moderada a grave.

Veja mais medicamentos no formulário Nacional de Medicamentos

Essas drogas funcionam regulando os neurotransmissores, as substâncias químicas que transmitem mensagens entre os neurônios. Eles podem ajudar a reduzir os sintomas e ajudar com certos problemas comportamentais.

No entanto, essas drogas não alteram o processo da doença subjacente. Eles são eficazes para algumas pessoas, mas não para todas, e podem ajudar apenas por um tempo limitado.

Gerenciamento comportamental

Sintomas comportamentais comuns da doença de Alzheimer incluem insônia, agitação, ansiedade e agressão. O tratamento desses sintomas comportamentais pode tornar as pessoas com Alzheimer mais confortáveis ​​e facilita as coisas para os cuidadores.