Proteína antitumoral pode promover câncer

Proteína antitumoral pode às vezes promover câncer

Uma proteína antitumoral que desempenha um papel fundamental na proteção do corpo contra o câncer também parece ter o efeito oposto em alguns tipos de câncer.

Uma nova pesquisa da Universidade da Califórnia em San Diego demonstra casos em que a proteína supressora de tumor p53 pode impulsionar o metabolismo do câncer .

Em um artigo sobre o estudo, que agora aparece na revista Cancer Cell , os autores escrevem que “as descobertas são fundamentais para a descoberta de medicamentos contra o câncer”, que visa restaurar ou ativar o p53.

“A idéia é amplamente aceita”, diz o correspondente autor do estudo Yang Xu, professor da Divisão de Ciências Biológicas da universidade, “é que a p53 suprime o câncer, mas em nosso estudo, argumentaríamos o contrário”.

“Em alguns tipos de câncer, isso teria o efeito oposto de promover o câncer”, acrescenta ele.

Câncer e proteína antitumoral p53

A proteína antitumoral p53 ajuda a regular o crescimento e a proliferação das células. Ele responde ao estresse celular, tal como a que resulta de danos no ADN, interrompendo o ciclo celular ou induzindo apoptose, uma forma de morte celular.

Por proteger contra as conseqüências do dano ao DNA, a p53 adquiriu o apelido de “o guardião do genoma”.

Como tratar malária em Moçambique? Descubra tudo aqui. LEIA AGORA

Desta forma, a p53 pode ajudar a prevenir que células malignas formem tumores malignos. Faz parte da defesa natural do corpo contra o câncer.

Por outro lado, mutações de p53 que perturbam essa função podem contribuir para o câncer.

Os cientistas descobriram, por exemplo, que o gene que codifica a p53 é um dos ” mais frequentemente mutados ” em cânceres humanos, e que a via da p53 é inativa na maioria dos cânceres humanos.

A p53 é uma das “moléculas mais estudadas” em biotecnologia. De fato, em 2010, foi um tópico de destaque em quase 50.000 citações no PubMed, o mecanismo de busca de artigos sobre ciências da vida e biomedicina.

p53, câncer de fígado e mitocôndrias

O estudo diz respeito ao tipo não-mutante de p53 que é abundante na natureza e que os cientistas chamam de “tipo selvagem”.

Ele demonstra casos em que p53 do tipo selvagem, em vez de proteger contra o câncer, pode realmente promovê-lo.

Após 4 anos estudando o hepatocarcinoma – que é a forma mais comum de câncer de fígado – os pesquisadores descobriram que o p53 selvagem pode promover o crescimento do tumor, ajudando o metabolismo do câncer.

Os dados do estudo vieram de investigações de células, modelos de ratos e humanos.

A descoberta poderia ajudar a explicar um paradoxo bem estabelecido: que, embora a maioria dos cânceres humanos tenha formas mutantes de p53, existem certos tipos – como o câncer de fígado – que retêm o tipo selvagem.

As células obtêm a maior parte de sua energia de compartimentos internos chamados mitocôndrias, que produzem combustível para o metabolismo na forma de moléculas de ATP.

As mitocôndrias tipicamente usam um processo chamado fosforilação oxidativa para produzir ATP. No entanto, nas células cancerígenas, as mitocôndrias favorecem um processo menos eficiente chamado glicólise, e realizam menos fosforilação oxidativa.

p53 e PUMA mudam para glicólise

Essa mudança para a glicólise envolve a prooteína antitumoral p53 e outra proteína chamada modulador de apoptose (PUMA) superpregulado de p53, que tipicamente trabalha com p53 para enviar células danificadas para a morte celular programada.

Entretanto, sob certas condições, parece que o PUMA também pode desencadear a mitocôndria para mudar da fosforilação oxidativa para a glicólise, o que favorece o metabolismo do câncer.

O Prof. Xu ressalta que, a princípio, ao diminuir a fosforilação oxidativa que gera “toxinas do genoma”, a p53 impede os tumores. Uma vez que o crescimento do tumor está em andamento, no entanto, o p53 pode trabalhar para apoiá-lo.

Ele também diz que os resultados devem servir como um alerta para os desenvolvedores de drogas contra o câncer. Drogas que buscam combater o câncer restaurando ou melhorando a função do p53 selvagem podem trazer o resultado oposto em alguns tipos de câncer.

É na verdade a mesma função, mas desempenha exatamente o papel oposto em dois contextos diferentes.

Prof. Yang Xu

Adaptado de Medical News Today

Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.