Como se manifesta a infeção por vírus Ebola?

como se manifesta a infeção por vírus ebola

Para saber como se manifesta a infeção por vírus Ebola é necessário primeiro conhecer sua patogênese. Porém, a patogênese definitiva ainda é desconhecida devido à natureza letal do vírus e à raridade dos estudos em humanos.

No entanto, foram identificadas as formas como o vírus infeta, que passamos a descrever:

A transmissão ocorre por meio de duas vias principais: contatos entre humanos e entre humanos e humanos.

A transmissão de animal para humano ocorre através do manejo da carne ou por contato direto com primatas não humanos infectados (como chimpanzés, gorilas morcegos frugívoros e macacos).

No entanto, a transmissão humano a humano é a via principal e ocorre através do contato familiar ou exposição ao sangue e outros fluidos corporais de pacientes que apresentam manifestações clínicas, ou mesmo após o manuseio do paciente (corpos mortos).

Sangue, sêmen e vômito são os fluidos corporais mais infecciosos.

Apesar de sua detecção no leite materno, a amamentação não é uma rota confirmada para a transmissão do vírus Ebola, como acontece com as gotículas, ar e mosquitos e picadas de insetos.

O que ocorre durante a infeção pelo vírus Ebola?

Na infecção inicial, o vírus invade o organismo através de feridas na pele, fazendo com que células como monócitos, macrófagos e células dendríticas modulem seus genes, sofrem apoptose e liberam partículas virais para o tecido extracelular.

As partículas virais migram das células infectadas para os linfonodos regionais, causando linfadenopatia.

A disseminação da corrente sanguínea para o fígado e o baço induz uma resposta inflamatória ativa associada a necrose hepatocelular e linfopenia.

O vírus induz a liberação de mediadores pró-inflamatórios, como citocinas e quimiocinas que causam desregulação do sistema imunológico.

As citocinas liberadas e o fator de necrose tumoral-alfa de macrófagos infectados alteram a integridade do sistema vascular, resultando em coagulação intravascular disseminada e falência múltipla de órgãos.

Como se manifesta a infeção por vírus Ebola?

A infeção por vírus Ebola causa uma febre hemorrágica aguda, que tem um período de incubação de 2 a 21 dias.

Essa febre é caracterizada por sintomas semelhantes aos da gripe, como febre, calafrios, mal-estar e mialgia.

O estado febril pode ser leve durante a fase inicial da doença, mas pode se manifestar com um início agudo e muito pior com calafrios.

Os sintomas mais comumente descritos são febre em combinação com uma erupção maculopapular em torno da face, pescoço, tronco e braços, geralmente aparecendo no dia 5-7 da doença.

Os sintomas mais comuns foram febre, fadiga, vômitos, diarréia e anorexia no surto atual na África.

Febre hemorrágica

Febre hemorrágica viral é o principal achado da doença por vírus Ebola. Devido à hemorragia trombocitêmica e mucosa (especialmente na conjuntiva), podem ser observadas petéquias e equimoses nestes pacientes.

Hemorragia maciça, geralmente é observada apenas em casos fatais, especialmente no sistema gastrointestinal.

Além do sistema sanguíneo, há também comprometimentos cardíacos, renais, pulmonares, neurológicos, gastrointestinais e hepáticos.

Perdas profundas de fluidos do trato gastrintestinal resultam em depleção de volume, anormalidades metabólicas, como hiponatremia, hipocalemia e hipocalcemia, choque e falência de órgãos.

Os pacientes que apresentam sintomas respiratórios, neurológicos ou hemorrágicos apresentam maior risco de morte.

Referências

  1. Kourtis AP, Appelgren K, Chevalier MS, McElroy A. Ebola virus disease: focus on children. Pediatr Infect Dis J. 2015;34(8):893–897. doi: 10.1097/INF.0000000000000707.
  2. Kadanali, Ayten, and Gul Karagoz. “An overview of Ebola virus disease.” Northern clinics of Istanbul vol. 2,1 81-86. 24 Apr. 2015, doi:10.14744/nci.2015.97269.
  3. Khalafallah, Mahmoud Tawfik et al. “Ebola virus disease: Essential clinical knowledge.” Avicenna journal of medicine vol. 7,3 (2017): 96-102. doi:10.4103/ajm.AJM_150_16
Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.