O que é toxoplasmose: sintomas, ciclo de vida e tratamento

toxoplasmose

A toxoplasmose é uma infecção parasitária causada pelo protozoário Toxoplasma gondii (T. gondii). A transmissão varia de acordo com vários fatores, como meio ambiente, nutrição e hábitos culturais.

Humanos suscetíveis podem ser infectados por T. gondii através da ingestão de bradizoítos em carne crua ou mal cozida e outros produtos de origem animal; contato com fezes de felídeos domésticos ou solo contaminado com oocistos esporulados; ingestão de oocistos esporulados que contaminam a água, frutas e vegetais; e também por taquizoítas transmitidas por placenta, transfusão de sangue e transplante de órgãos.

A toxoplasmose mostra uma distribuição mundial não sazonal. No entanto, estima-se que a prevalência de infecção crônica varie de 10-75% na população de diversos países do mundo.

O agente causador Toxoplasma gondii e o seu ciclo de vida

O Toxoplasma gondii é um coccídio parasita, que tem como hospedeiros definitivos a família Felidae (dos gatos) e possui uma grande variedade de hospedeiros intermediários. A infecção é comum em muitos animais de sangue quente, incluindo seres humanos.

O ciclo de vida (figura 1) da infeção começa quando os oocistos não esporulados são eliminados nas fezes do gato. Oocistos levam de 1 a 5 dias para esporular no ambiente e se tornarem infecciosos.

Hospedeiros intermediários na natureza (incluindo aves e roedores) são infectados após a ingestão de solo, água ou material vegetal contaminado com oocistos.

ciclo de vida da toxoplasmose
Figura 1. Ciclo de vida da toxoplasmose

Oocistos se transformam em taquizoítos logo após a ingestão. Esses taquizoítos localizam-se no tecido neural e muscular e evoluem para bradizzoítos do cisto tecidual.

Gatos são infectados após consumir hospedeiros intermediários que abrigam cistos nos tecidos. Os gatos também podem ser infectados diretamente pela ingestão de oocistos esporulados.

Os animais criados para consumo humano e caça selvagem também podem ser infectados com cistos teciduais após a ingestão de oocistos esporulados no ambiente. Os seres humanos podem ser infectados por qualquer uma das várias rotas:

  • comer carne mal cozida de animais com cistos nos tecidos.
  • consumir comida ou água contaminada com fezes de gatos ou amostras ambientais contaminadas (como solo contaminado com fezes ou alterar a caixa de areia de um gato de estimação).
  • transfusão de sangue ou transplante de órgãos.
  • Através da placenta da mãe para o feto.

No hospedeiro humano, os parasitas formam cistos teciduais, mais comumente no músculo esquelético, miocárdio, cérebro e olhos; esses cistos podem permanecer durante toda a vida do hospedeiro.

Infecção congênita da toxoplasmose

T. gondii pode causar uma infecção congênita quando as mulheres estão infectadas durante a gravidez, ou menos comumente, quando infecções crônicas se tornam disseminadas devido à falha do sistema imunológico ou reinfecções.

Estudos relatam que a maioria das mulheres infectadas é assintomática. Se a toxoplasmose congênita não for tratada, sequelas graves ou fatais podem ocorrer. As taxas de transmissão fetal dependem de três fatores concomitantes: parasitemia materna, idade gestacional na infecção e resposta imune materna ao T. gondii.

Sintomas da toxoplasmose

A maioria das pessoas saudáveis ​ infectadas com toxoplasmose não apresentam sinais ou sintomas e não sabem que estão infectadas. Algumas pessoas, no entanto, desenvolvem sinais e sintomas semelhantes aos da gripe, incluindo:

  • Dores no corpo
  • Linfonodos inchados
  • Dor de cabeça
  • Febre
  • Fadiga

Pessoas com sistema imunológico enfraquecido

Se a pessoa tiver HIV/SIDA e estiver recebendo quimioterapia ou teve recentemente um transplante de órgão, uma infecção anterior por toxoplasma pode ser reativada.

Nesse caso, é possível desenvolver sinais e sintomas mais graves de infecção, incluindo:

  • Dor de cabeça
  • Confusão
  • Má coordenação
  • Convulsões
  • Problemas pulmonares que podem se assemelhar a tuberculose ou pneumonia por Pneumocystis jiroveci, uma infecção oportunista comum que ocorre em pessoas com SIDA.
  • Visão turva causada por inflamação grave da retina (toxoplasmose ocular)

Em bebês

Os sinais clínicos mais observados de toxoplasmose congênita são parto prematuro, baixo peso ao nascer, retinocoroidite, estrabismo, icterícia, calcificação cerebral, hidrocefalia e hepatoesplenomegalia.

Tratamento da toxoplasmose

As sulfonamidas e a pirimetamina (Daraprim) são dois medicamentos amplamente utilizados no tratamento da toxoplasmose em humanos. Eles agem sinergicamente, bloqueando a via metabólica que envolve o ácido p -aminobenzóico e o ciclo do ácido fólico-folínico, respectivamente.

Esses dois medicamentos geralmente são bem tolerados pelo paciente, mas às vezes podem ocorrer trombocitopenia, leucopenia ou ambos. Esses efeitos podem ser superados sem interromper o tratamento com a administração de ácido folínico e levedura.

Em casos de mulheres grávidas, se infectado com toxoplasmose, o tratamento pode variar dependendo de onde você recebe cuidados médicos.

Se a infecção ocorrer antes da 16ª semana de gravidez, pode ser possível a administração do antibiótico espiramicina (muito usado na Europa). O uso deste medicamento pode reduzir o risco de problemas neurológicos do bebê devido à toxoplasmose congênita.

Se a infecção ocorrer após a 16ª semana de gravidez ou se os testes mostrarem que o bebê ainda não teve toxoplasmose, pode-se receitar pirimetamina, sulfadiazina e ácido folínico (leucovorina). O seu médico o ajudará a determinar o tratamento ideal.

Se o seu bebê tiver toxoplasmose ou existem evidências de que tenha, recomenda-se o tratamento com pirimetamina e sulfadiazina e ácido folínico (leucovorina). Um pediatra precisará monitorar o bebê enquanto ele estiver tomando esses medicamentos.

Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *