Temperaturas altas estão associadas a taxas baixas de SARS-CoV-2

Saúde
Visitas: 134

Um novo estudo constata que temperaturas mais altas estão associadas a taxas mais baixas de SARS-CoV-2. No entanto, os pesquisadores dizem que o efeito é modesto e alertam contra o relaxamento das medidas de contenção.

Alguns vírus exibem comportamento sazonal. Os casos de gripe, por exemplo, atingem o pico durante o outono e o inverno, comumente conhecidos como estação da gripe.

Existem várias razões para isso, incluindo fatores biológicos relacionados ao vírus, além de fatores sociais e ambientais.

A sazonalidade do vírus da gripe aumentou a esperança de que o mesmo possa acontecer com o novo coronavírus, SARS-CoV-2, e que os casos do vírus possam, portanto, diminuir durante os meses de verão.

De fato, dados de laboratório sugerem que o SARS-CoV-2 sobrevive por um período mais curto em temperaturas mais altas. No entanto, o efeito da temperatura na transmissão do vírus no mundo real ainda não está claro.

Além da temperatura, a luz UV também tem um efeito poderoso nos agentes virais.

As pessoas usam rotineiramente comprimentos de onda específicos da luz UV, conhecidos como UV-C, para desinfetar superfícies em laboratórios e hospitais .

É possível que o clima do verão, com o aumento da luz solar, também possa afetar a transmissão no solo.

Pesquisadores do Hospital Mount Auburn, em Cambridge, MA, analisaram o impacto desses fatores nas taxas de transmissão na vida real. Além do índice de UV e temperatura, os pesquisadores consideraram o efeito dos níveis de precipitação na taxa de doenças, usando dados do mundo real sobre o número de casos de COVID-19 ocorridos nos Estados Unidos.

Eles descobriram que a temperatura e os raios UV têm um pequeno efeito na transmissão, mas a precipitação aparentemente não tem, ou seja temperaturas altas estão associadas a taxas baixas de SARS-CoV-2.

Um efeito modesto da temperatura sobre o vírus da COVID-19

A análise revelou que taxas mais baixas de COVID-19 estavam associadas a temperaturas mais quentes, mas apenas até 52 ° F (11 ° C). Além disso, temperaturas mais quentes não foram associadas a uma diminuição significativa na transmissão da doença.

“Enquanto a taxa de transmissão do vírus pode diminuir à medida que a temperatura máxima diária sobe para cerca de 50 graus, os efeitos da temperatura aumentam além do que não parecem ser significativos” Informou a pesquisadora principal.

O índice de UV também teve uma associação significativa, mas modesta, com o número de casos, enquanto a precipitação não mostrou impacto na transmissão viral.

Os pesquisadores também modelaram o que aconteceria com as taxas de transmissão em cinco faixas de temperatura diferentes: abaixo de 30 ° F, 30–40 ° F, 40–50 ° F, 50–60 ° F e acima de 60 ° F.

Eles descobriram que a menor taxa de novos casos ocorreu quando a temperatura 5 dias antes era superior a 50 ° F. O modelo produziu as maiores taxas de infecção quando essa temperatura caiu abaixo de 30 ° F.

Esses resultados sugerem que pode haver um aumento na transmissão da doença durante o outono. Em seu artigo, os autores propõem que os países do hemisfério sul também possam ver um aumento de casos à medida que as temperaturas começam a diminuir.

Leia também:

Apesar da temperaturas altas estão associadas a taxas baixas de SARS-CoV-2, as medidas de contenção devem permanecer em vigor.

No geral, os resultados sugerem que o efeito da temperatura na transmissão do vírus da COVID-19 é pequeno e improvável que tenha um efeito significativo no número de casos.

“Com base em nossa análise, a associação modesta sugere que é improvável que a transmissão da doença diminua drasticamente nos meses de verão apenas com o aumento da temperatura” , resumem os pesquisadores.

Com isso em mente, os autores alertam contra o relaxamento das medidas de contenção durante os meses de verão, explicando que o efeito da temperatura na transmissão da SARS-CoV-2 é pequeno e dificilmente retardará a propagação da doença se as medidas de contenção forem relaxadas.

É importante observar que a coleta dos dados do estudo ocorreu quando grande parte dos EUA tinha temperaturas diárias abaixo de 70 ° F. No verão, as temperaturas provavelmente excederão em muito a maior parte do país.

Portanto, o estudo não pode avaliar o efeito que temperaturas acima de 70 ° F podem ter na transmissão do vírus.

Fonte: Medical News Today

Você Irá Gostar

Pneumotórax: sintomas, causas e tratamento
Metástase: quais os seus processos e fatores envolvidos?
Menu