Acalasia: causas, sintomas, diagnóstico e tratamento

O que é acalasia?

Acalasia é uma doença rara que dificulta a passagem de alimentos e líquidos do esôfago ao estômago. Essa condição pode estar relacionada a danos aos nervos do esôfago. Além disso, também pode ser devido a danos no esfíncter esofágico inferior, que é a válvula que se fecha para separar o esôfago do estômago.

Como resultado, o esôfago fica paralisado e dilatado podendo perder a capacidade de “empurrar” o alimento para o estômago. Assim, o alimento pode se acumular nele, às vezes pode fermentar e voltar para a boca, causando um gosto amargo. Algumas pessoas confundem isso com a doença do refluxo gastroesofágico. No entanto, na acalasia o alimento vem do esôfago, enquanto na DRGE o material vem do estômago.

A acalasia geralmente se manifesta na idade adulta e, portanto, os jovens e pessoas mais velhas (idades de 25 a 60) têm maior risco de desenvolvê-la. Além disso, ela também é mais comum em pessoas com histórico familiar da doença e em pessoas com doenças autoimunes.

Esta condição pode também ser conhecida alternativamente como acalasia esofágica; Problemas de deglutição de líquidos e sólidos; Cardiospasmo – espasmo do esfíncter esofágico inferior, ou acalasia idiopática do esófago.

Causas

A acalasia esofágica idiopática é uma doença de etiologia desconhecida, ou seja, acalasia pode ocorrer por diferentes motivos. A condição pode ser hereditária ou causada por uma doença auto-imune, na qual o corpo ataca a si mesmo. Outras causas incluem:

  • obstrução na junção esôfagogástrica,
  • degeneração do plexo nervoso intramural,
  • infecção por vírus,
  • doença de origem congênita,
  • lesão por agente tóxico,
  • câncer de esôfago, e
  • doença de Chagas, que é uma infecção parasitária rara.

Sintomas da acalasia

Os sintomas da acalasia geralmente aparecem gradualmente e pioram com o tempo. Pessoas com acalasia geralmente têm dificuldade para engolir ou sensação de que o alimento está preso no esôfago. Esse sintoma, conhecido como disfagia, pode causar tosse e aumenta o risco de aspiração, ou seja, de inalar ou engasgar com os alimentos. Outros sintomas incluem o seguinte:

  • Regurgitação de comida ou saliva
  • dor intensa ou desconforto após comer
  • Azia
  • Arroto
  • Dor ou desconforto no peito que vem e vai
  • Tosse noturna
  • Pneumonia (por aspiração de comida para os pulmões)
  • Perda de peso
  • Vômito

Diagnóstico

Seu médico pode suspeitar que você tem acalasia se tiver problemas para engolir sólidos e líquidos, principalmente se piorar com o tempo.

Para diagnosticar a acalasia seu médico pode utilizar a manometria esofágica. Esta técnica consiste na inserção de uma sonda no seu esôfago durante uma deglutição. Portanto, a sonda irá registar como o músculo do seu esôfago se comporta, desta forma é possível saber se ele está funcionando corretamente.

Além desse exame, podem ser feitos os Raios-X do esôfago. Seu médico também pode fazer endoscopia para examinar o revestimento do estômago e do esôfago. Neste último caso ele usa um tubo flexível e câmera.

Outro método diagnóstico é a ingestão de bário. Se você fizer esse teste, engolirá bário preparado na forma líquida. O médico rastreará o movimento do bário no esôfago por meio de radiografias.

Tratamento da acalasia

Muitas vezes, médicos costumam propor como tratamento da acalasia a redução da pressão no músculo do esfíncter esofágico e permitir que alimentos e líquidos passem facilmente para o estômago.

Para se conseguir esse objetivo, podem ser necessários medicamentos ou mesmo cirurgia. Portanto, os medicamentos orais costumam ser a primeira etapa do tratamento. Por exemplo, nitratos ou bloqueadores dos canais de cálcio podem relaxar o esfíncter para facilitar a passagem dos alimentos. Além disso, seu médico também pode aplicar Botox para relaxar o esfíncter.

No entanto, o tratamento permanente da acalasia requer que seu esfíncter seja dilatado ou alterado. Para dilatar seu esfíncter seu médico pode inserir um balão no seu esôfago (veja imagem 3 abaixo) depois pode inflá-lo para o esticar, assim poderá melhorar a função do seu esôfago. No entanto, às vezes a dilatação causa fissuras no esôfago. Mas, se isso ocorrer, pode ser necessária uma cirurgia para reparar o dano.

Além desse procedimento, seu médico pode realizar a uma cirurgia (chamada de miotomia ou esofagomiotomias). Seu médico corta o músculo do esfíncter inferior, de modo a facilitar a passagem do alimento para o estômago. Contudo, muitas vezes, as esofagomiotomias são eficazes (80-90%). No entanto, após a intervenção, alguns pacientes desenvolvem a doença do refluxo gastroesofágico.

Prognóstico

O prognóstico da acalasia pode variar. Por exemplo, algumas pessoas apresentam sintomas muito leves e outras não. Além disso, o tratamento pode ter sucesso apenas em algumas pessoas. 

Às vezes, diferentes tratamentos precisam ser combinados para manter os sintomas sob controle. Infelizmente, se o procedimento de dilatação não funcionar da primeira vez, pode ser necessária uma cirurgia. Normalmente, as chances de sucesso diminuem sempre que for feita uma nova dilatação. Portanto, após várias dilatações malsucedidas, o médico frequentemente procura alternativas.

Complicações

  • problemas relacionados ao esôfago fissurado
  • refluxo ácido
  • condições respiratórias causadas por alimentos que retornam do estômago para o esôfago e a traqueia

Consultas bibliográficas em: AARP; Mayo Clinics; healthline; De Oliveira, et al (2010). Idiopathic esophageal achalasia; Medline Plus.

Abscesso anorretal: causas, sintomas e tratamento (com fotos)
Gentamicina injetável: efeitos secundários, usos e dosagens
Menu