Nenhum comentário

Embolia pulmonar: sintomas, causas e tratamento

embolia pulmonar

A embolia pulmonar (EP) é um bloqueio em uma das artérias pulmonares. Ela pode danificar parte do pulmão devido ao fluxo sanguíneo restrito, diminuir os níveis de oxigênio no sangue e afetar outros órgãos também.

Conheça a função dos pulmões e as principais doenças

A EP ocorre quando o trombo migra da circulação venosa para a vasculatura pulmonar e se aloja no sistema arterial pulmonar. A apresentação clínica da EP aguda varia de assintomática.

Existem embolia pulmonar (EP) e trombose venosa profunda (TVP) no espectro da doença tromboembólica venosa (TEV). No entanto, neste artigo iremos falar apenas da EP.

A EP é considerada a terceira causa mais comum de morte cardiovascular e está associada a múltiplos fatores de risco herdados e adquiridos, bem como a idade avançada.

O prognóstico da embolia pulmonar depende do grau de obstrução e dos efeitos hemodinâmicos que ela causa.

Sintomas

Os sintomas da embolia pulmonar podem variar bastante, dependendo do comprometimento do pulmão, do tamanho dos coágulos e de uma doença cardíaca ou pulmonar subjacente.

Sinais e sintomas comuns incluem:

  • Falta de ar. Esse sintoma geralmente aparece de repente e sempre piora com o esforço.
  • Dor no peito. Muitas vezes pode-se sentir como se fosse um um ataque cardíaco. A dor costuma ser aguda e sentida quando se respira profundamente. Também pode ser sentida quando se tosse, se curva ou se inclina.
  • Tosse. A tosse pode produzir escarro com sangue ou com sangue.

Outros sinais e sintomas que podem ocorrer com embolia pulmonar incluem:

  • Batimento cardíaco rápido ou irregular
  • Tonturas
  • Suor excessivo
  • Febre
  • Dor ou inchaço nas pernas, ou ambos, geralmente na panturrilha causada por uma trombose venosa profunda
  • Pele pegajosa ou descolorida (cianose)

Causas da embolia pulmonar

Como dissemos anteriormente, as embolias pulmonares são mais frequentemente causadas por trombose venosa profunda, uma condição na qual coágulos sanguíneos se formam nas veias profundas do corpo.

Os coágulos sanguíneos que mais frequentemente causam embolias pulmonares começam nas pernas ou na pelve.

Coágulos sanguíneos nas veias profundas do corpo podem ter várias causas diferentes, incluindo:

  • Lesões ou danos, resultande de fraturas ósseas ou rupturas musculares.
  • Inatividade, incluindo viagens longas
  • Condições médicas: como as doenças cardiovasculares (especialmente a insuficiência cardíaca), cânceres (no cérebro, ovário, pâncreas, cólon, estômago, pulmão e rim) e doença renal.
  • Tratamentos para condições médicas, como cirurgia ou quimioterapia para câncer, também podem causar coágulos sanguíneos.

Fatores de risco para embolia pulmonar

Fatores que aumentam o risco de desenvolver trombose venosa profunda e embolia pulmonar incluem:

  • Câncer
  • uma história familiar de embolias
  • fraturas da perna ou quadril
  • estados hipercoaguláveis ​​ou distúrbios genéticos da coagulação do sangue, incluindo o fator V de Leiden, mutação do gene da protrombina e níveis elevados de homocisteína
  • histórico de ataque cardíaco ou derrame
  • cirurgia de grande porte
  • obesidade
  • um estilo de vida sedentário
  • idade acima de 60 anos
  • doença inflamatória intestinal
  • tomar bastante estrogênio ou testosterona

Tratamento da embolia pulmonar

O tratamento para embolia pulmonar é realizado normalmente num hospital, onde ela pode ser monitorada de perto.

O tratamento geralmente visa: (1) impedir o crescimento do coágulo, (2) impedir a formação de novos coágulos e (3) destruir ou remover qualquer coágulo existente.

Um primeiro passo no tratamento da maioria das embolia pulmonar é tratar o choque e fornecer oxigenoterapia.

Medicamentos anticoagulantes, como heparina, enoxaparina ou varfarina, geralmente são administrados para ajudar a diluir o sangue e evitar coagulação adicional.

As pessoas que precisam de medicamentos anticoagulantes devem procurar tratamento com um serviço de gerenciamento de anticoagulantes, não com o médico de cuidados primários.

Também podem ser administrados trombolíticos. No entanto, estes remédios apresentam um alto risco de sangramento excessivo. Os trombolíticos incluem Activase, Retavase e Eminase.

Se o paciente tiver pressão arterial baixa, pode ser administrada dopamina para aumentar a pressão.

O paciente normalmente terá que tomar medicamentos regularmente por um período indeterminado, geralmente pelo menos 3 meses.

Você pode gostar

Compartilhe

Menu