Obesidade: causas, complicações e tratamento

obesidade

A obesidade é um distúrbio complexo envolvendo uma quantidade excessiva de gordura corporal. A obesidade aumenta o risco de doenças e problemas de saúde, como doenças cardiovasculares e diabetes.

A obesidade é geralmente definida usando uma relação entre a altura e o peso, chamada índice de massa corporal (IMC), que geralmente se correlaciona com o nível de gordura corporal de uma pessoa.

Segundo o CDC, um adulto com um IMC de 30 ou mais é considerado obeso.

A boa notícia é que mesmo a modesta perda de peso pode melhorar ou prevenir os problemas de saúde associados à gordura excessiva.

Mudanças na dieta, aumento da atividade física e mudanças de comportamento podem ajudar a perder peso.

Prescrição de medicamentos e cirurgia para perda de peso são opções adicionais para o tratamento do excesso de peso.

Causas da obesidade

Embora existam influências genéticas, comportamentais e hormonais no peso corporal, a obesidade ocorre quando você ingerir mais calorias do que as que você queima com exercícios e atividades diárias normais.

Seu corpo armazena essas calorias em excesso como gordura.

A obesidade pode às vezes ser atribuída a uma causa médica, como a síndrome de Prader-Willi, a síndrome de Cushing e outras doenças e condições.

Consumo de calorias

Uma pessoa tem um risco menor de obesidade se sua dieta consistir principalmente de frutas, vegetais e grãos integrais.

Quando uma pessoa consome mais calorias do que usa como energia, seu corpo armazenará as calorias extras como gordura. Isso pode levar ao excesso de peso e obesidade.

Além disso, alguns tipos de alimentos são mais propensos a levar ao ganho de peso, especialmente aqueles que são ricos em gorduras e açúcares.

Alimentos que tendem a aumentar o risco de ganho de peso incluem:

  • comidas rápidas ou os chamados fast food
  • alimentos fritos, como batatas fritas
  • carnes gordas e processadas
  • muitos produtos lácteos
  • alimentos com adição de açúcar, como produtos de panificação, cereais matinais prontos e biscoitos
  • alimentos contendo açúcares escondidos, como ketchup e muitos outros alimentos enlatados e embalados
  • sucos adoçados, refrigerantes e bebidas alcoólicas
  • processados, alimentos ricos em carboidratos, como pão

Alguns alimentos processados ​​contêm xarope de milho rico em frutose como adoçante, incluindo itens salgados, como o ketchup.

Uma pessoa que consome uma dieta que consiste principalmente de frutas, vegetais, cereais integrais e água ainda corre o risco de ganhar peso excessivo se comer em excesso, ou se fatores genéticos, por exemplo, aumentarem seu risco.

No entanto, eles são mais propensos a desfrutar de uma dieta variada, mantendo um peso saudável.

Alimentos frescos e grãos integrais contêm fibras, o que faz a pessoa se sentir satisfeita por mais tempo e estimula a digestão saudável.

Sedentarismo

Muitas pessoas levam uma vida muito mais sedentária do que seus pais e avós.

Exemplos de hábitos sedentários incluem:

  • trabalhar no escritório, em vez de fazer o trabalho manual
  • jogar jogos no computador em vez de fazer atividades físicas
  • ir a lugares de carro em vez de caminhar ou andar de bicicleta

Quanto menos uma pessoa se movimenta, menos calorias elas queimam.

Além disso, a atividade física afeta a maneira como os hormônios de uma pessoa funcionam, e os hormônios têm um impacto sobre como o corpo processa os alimentos.

Vários estudos mostraram que a atividade física pode ajudar a manter os níveis de insulina estáveis ​​e que níveis instáveis ​​de insulina podem levar ao ganho de peso.

A atividade física não precisa apenas estar treinando na academia. Trabalho físico, caminhada ou ciclismo, subir escadas e tarefas domésticas contribuem.

No entanto, o tipo e a intensidade da atividade podem afetar o grau em que ela beneficia o corpo a curto e longo prazo.

Dormir pouco

Pesquisas sugerem que perder o sono aumenta o risco de ganhar peso e desenvolver obesidade.

Pesquisadores revisaram evidências de mais de 28.000 crianças e 15.000 adultos no Reino Unido, de 1977 a 2012. Em 2012, eles concluíram que a privação de sono aumentou significativamente o risco de obesidade em adultos e crianças.

As mudanças afetaram crianças a partir dos 5 anos de idade.

A equipe sugeriu que a privação do sono pode levar à obesidade, porque pode levar a alterações hormonais que aumentam o apetite.

Quando uma pessoa não dorme o suficiente, seu corpo produz grelina, um hormônio que estimula o apetite.

Ao mesmo tempo, a falta de sono também resulta em uma menor produção de leptina, um hormônio que suprime o apetite.

Desregulação endócrina

Uma equipe da Universidade de Barcelona publicou um estudo no World Journal of Gastroenterology que fornece pistas sobre como a frutose líquida – um tipo de açúcar – em bebidas pode alterar o metabolismo de energia lipídica e levar a fígado gordo e síndrome metabólica.

As características da síndrome metabólica incluem diabetes, doenças cardiovasculares e hipertensão arterial. Pessoas com obesidade são mais propensas a ter síndrome metabólica.

Depois de alimentar os ratos com uma solução de 10% de frutose por 14 dias, os cientistas notaram que seu metabolismo estava começando a mudar.

Os cientistas acreditam que há uma ligação entre o alto consumo de frutose e obesidade e síndrome metabólica. Autoridades levantaram preocupações sobre o uso de xarope de milho rico em frutose para adoçar bebidas e outros produtos alimentícios.

Estudos em animais descobriram que quando a obesidade ocorre devido ao consumo de frutose, há também uma estreita ligação com o diabetes tipo 2.

Alimentos que contêm xarope de milho rico em frutose incluem:

  • refrigerantes, bebidas energéticas e bebidas esportivas
  • doces e sorvetes
  • desnatadeira de café
  • molhos e condimentos, incluindo molhos para salada, ketchup e molho barbecue
  • alimentos adoçados, como iogurte, sucos e alimentos enlatados
  • pão e outros produtos de panificação prontos
  • cereais matinais, barras de cereais e barras “energéticas” ou ” nutricionais “

Opte por itens não adoçados ou menos processados, sempre que possível
fazer molhos para salada e assar outros produtos em casa.

Alguns alimentos contêm outros adoçantes, mas estes também podem ter efeitos adversos.

Medicamentos e a obesidade

Os resultados de uma revisão e metanálise publicada no Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism em 2015 constataram que alguns medicamentos levaram as pessoas a ganhar peso ao longo de um período de meses.

  • antipsicóticos atípicos, especialmente olanzapina, quetiapina e risperidona
  • anticonvulsivantes e estabilizadores do humor, e especificamente gabapentina
  • medicamentos hipoglicemiantes, como a tolbutamida
  • glicocorticoides usados ​​no tratamento da artrite reumatoide
  • alguns antidepressivos


No entanto, alguns medicamentos podem levar à perda de peso. Qualquer um que esteja iniciando um novo medicamento e esteja preocupado com seu peso deve perguntar ao seu médico se o medicamento provavelmente terá algum efeito sobre o peso.

O tempo de excesso de peso

Quanto mais tempo uma pessoa estiver acima do peso, mais difícil será para ela perder peso.

Descobertas de um estudo com camundongos, publicado na revista Nature Communications em 2015, sugeriram que quanto mais gordura uma pessoa carrega, menor a probabilidade do corpo queimar gordura, por causa de uma proteína, ou gene, conhecido como sLR11.

Parece que quanto mais gordura uma pessoa tem, mais o seu corpo irá produzir. A proteína bloqueia a capacidade do corpo de queimar gordura, dificultando a perda de peso.

Genes da obesidade

Um gene defeituoso chamado de massa gorda e gene associado à obesidade (FTO) é responsável por alguns casos de obesidade.

O hormônio grelina desempenha um papel crucial no comportamento alimentar. A grelina também afeta a liberação de hormônios de crescimento e como o corpo acumula gordura, entre outras funções.

A atividade do gene FTO pode afetar as chances de uma pessoa ter obesidade, porque afeta as quantidades de grelina que uma pessoa tem.

O FTO também podem desempenhar um papel nas condições, como a compulsão alimentar e a alimentação emocional.

Sintomas da obesidade

A obesidade é diagnosticada quando o índice de massa corporal (IMC) é 30 ou superior. O seu índice de massa corporal é calculado dividindo o seu peso em quilogramas (kg) pela sua altura em metros (m) ao quadrado.

IMCEstado do peso
Abaixo de 18,5Abaixo do peso
18,5-24,9Normal
25.0-29.9Excesso de peso
30,0-34,9Obeso (Classe I)
35,0-39,9Obesos (Classe II)
40,0 ou superiorObesidade extrema (classe III)

Para a maioria das pessoas, o IMC fornece uma estimativa razoável de gordura corporal.

No entanto, o IMC não mede diretamente a gordura corporal, por isso algumas pessoas, como atletas musculares, podem ter um IMC na categoria de obesos, embora não tenham excesso de gordura corporal.

Qualidade de vida

Quando você é obeso, sua qualidade de vida geral pode ser diminuída.

Você pode não conseguir fazer coisas que costumava fazer, como participar de atividades agradáveis.

Você pode evitar lugares públicos. Pessoas obesas podem até encontrar discriminação.

Outros problemas relacionados ao peso que podem afetar sua qualidade de vida incluem:

  • Depressão
  • Incapacidade
  • Problemas sexuais
  • Vergonha e culpa
  • Isolamento social
  • Menor desempenho no trabalho

Complicações

Se você é obeso, é mais provável que você desenvolva vários problemas de saúde potencialmente sérios, incluindo:

  • Triglicerídeos elevados e colesterol de baixa lipoproteína de alta densidade (HDL)
  • Diabetes tipo 2
  • Pressão alta
  • Síndrome metabólica – uma combinação de açúcar elevado no sangue, pressão arterial elevada, triglicerídeos elevados e baixo colesterol HDL
  • Doença cardíaca
  • Acidente vascular encefálico
  • Câncer, incluindo câncer do útero, colo do útero, endométrio, ovários, mama, cólon, reto, esôfago, fígado, vesícula biliar, pâncreas, rim e próstata
  • Distúrbios respiratórios, incluindo apneia do sono, um distúrbio do sono potencialmente grave no qual a respiração pára e começa repetidamente
  • Doença da vesícula biliar
  • Problemas ginecológicos, como infertilidade e períodos irregulares
  • Disfunção erétil e problemas de saúde sexual
  • Doença hepática gordurosa não alcoólica, uma condição em que a gordura se acumula no fígado e pode causar inflamação ou cicatrização
  • Osteoartrite

Tratamento da obesidade

O objetivo do tratamento da obesidade é alcançar e manter um peso saudável. Você pode precisar trabalhar com uma equipe de profissionais de saúde – incluindo um nutricionista, um conselheiro de comportamento ou um especialista em obesidade – para ajudá-lo a entender e fazer mudanças em seus hábitos alimentares e de atividade.

O objetivo inicial do tratamento é geralmente uma modesta perda de peso – 3 a 5% do seu peso total. Isso significa que se você pesa 91 kg e é obeso pelos padrões do IMC, você precisaria perder apenas cerca de 2,7 a 4,5 kg para que sua saúde comece a melhorar. No entanto, quanto mais peso você perder, maiores serão os benefícios.

Todos os programas de perda de peso exigem mudanças em seus hábitos alimentares e aumento da atividade física.

Os métodos de tratamento certos para você dependem do seu nível de obesidade, sua saúde geral e sua disposição em participar do seu plano de emagrecimento.

Outras ferramentas de tratamento incluem:

  • Mudanças dietéticas
  • Exercício e atividade
  • Mudança de comportamento
  • Medicamentos para perda de peso com receita médica
  • Cirurgia para perda de peso
Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.