Diabetes tipo 2: generalidades, sintomas, tratamento

medidor dos níveis de açúcar

Diabetes tipo 2 é o tipo mais comum de diabetes, sendo responsável por cerca de 90% de todos os casos de diabetes.

Nesse tipo de diabetes o organismo produz insulina, mas ela não exerce a função adequada. Isso acontece por duas razões:

  • As células beta do pâncreas produzem insulina (Figura 1), mas não o suficiente para baixar o açúcar no sangue e produzir a energia que o corpo necessita.
  • Em uma condição chamada de resistência à insulina, as células do corpo não funcionam corretamente, por isso não conseguem captar a insulina e manter a glicose controlada.
No diabetes tipo 2 acontece a secreção de insulina, mas ela não tem efeito desejado
Figura 1. Secreção de insulina. (Fonte: Wikipédia)

Como a insulina não pode funcionar adequadamente, os níveis de glicose no sangue continuam aumentando, liberando mais insulina.

Para algumas pessoas com diabetes tipo 2, isso pode eventualmente exaurir o pâncreas, resultando em menor produção de insulina pelo corpo, causando níveis ainda mais altos de açúcar no sangue ( hiperglicemia ).

O tipo 2 de diabetes é mais comumente diagnosticado em adultos, mas é cada vez mais visto em crianças, adolescentes e jovens devido ao aumento dos níveis de obesidade, inatividade física e má alimentação.

Sintomas da diabetes tipo 2

Os sintomas do tipo 2 são semelhantes aos do diabetes tipo 1 e incluem:

  • Sede excessiva e boca seca
  • Micção freqüente
  • Falta de energia, cansaço
  • Feridas que demoram cicatrizar
  • Infecções recorrentes na pele
  • Visão embaçada
  • Formigamento ou dormência nas mãos e pés.

Esses sintomas podem ser leves ou ausentes e, portanto, as pessoas com diabetes tipo 2 podem viver vários anos com a doença antes de serem diagnosticadas.

Factores de risco

Vários fatores de risco foram associados ao diabetes tipo 2 e incluem:

  • História familiar de diabetes
  • Excesso de peso
  • Dieta não saudável
  • Inatividade física
  • Aumento da idade
  • Pressão alta
  • Etnia
  • Tolerância à glicose prejudicada (IGT)
  • História do diabetes gestacional
  • Má nutrição durante a gravidez

Alterações na dieta e atividade física relacionadas ao rápido desenvolvimento e urbanização levaram a um aumento acentuado no número de pessoas que vivem com esse tipo de diabetes.

Tratamento da diabetes tipo 2

Os medicamentos orais mais utilizados incluem:

  • Metformina: reduz a resistência à insulina e permite que o corpo use a sua própria insulina de forma mais eficaz. É considerado como o tratamento de primeira linha para diabetes tipo 2 na maioria das diretrizes em todo o mundo.
  • Sulfoniluréias: estimula o pâncreas a aumentar a produção de insulina. Sulfonilureias incluem gliclazida, glipizida, glimepirida, tolbutamida e glibenclamida.

Prevenção

Há uma série de fatores que influenciam o desenvolvimento desse tipo de diabetes. Os mais influentes são os comportamentos de estilo de vida comumente associados à urbanização.

Pesquisas indicam que a maioria dos casos, até 80% de acordo com alguns estudos, pode ser evitada através de dieta saudável e atividade física regular.

Uma dieta saudável inclui reduzir a quantidade de calorias se você estiver acima do peso, substituindo gorduras saturadas (por exemplo, creme, queijo, manteiga) por gorduras insaturadas (por exemplo, abacate, nozes, azeite e óleos vegetais), comendo fibra dietética (por exemplo, frutas, vegetais, cereais integrais), evitando o consumo de tabaco, o excesso de álcool e o açúcar adicionado.

A atividade física regular é essencial para ajudar a manter os níveis de glicose no sangue sob controle.

É mais eficaz quando inclui uma combinação de exercícios aeróbicos (por exemplo, jogging, natação, ciclismo) e treinamento de resistência, além de reduzir a quantidade de tempo gasto sendo inativo.