fbpx

Diabetes tipo 1: conceito, sintomas e tratamento

Esquema a respeito da diabetes tipo 1

Diabetes tipo 1, quando instalado no organismo, requer tratamento ao longo da vida. O corpo não produz insulina suficiente, e os níveis de glicose no sangue permanecem altos, a menos que uma pessoa tome medidas para administrar o alto nível de açúcar no sangue.

A diabetes tipo 1, antes conhecido como diabetes juvenil ou diabetes insulino-dependente, é uma condição crônica na qual o pâncreas (Figura 1) produz pouca ou nenhuma insulina.

Pâncreas responsável pela produção da insulina importante para não desenvolvimento da diabetes tipo 1.
FIGURA 1. Represenção esquemática do pâncres. (fonte: Wikipédia)

A insulina é um hormônio necessário para permitir que o açúcar (glicose) entre nas células para produzir energia.

Enquanto uma pessoa pode evitar a diabetes do tipo 2, se evitar uma dieta rica em açúcar e tendo um estilo de vida ativo; é quase impossível evitar a diabetes tipo 1.

O sistema imunológico ataca aglomerados de células no pâncreas que normalmente produzem insulina, chamadas ilhotas, interrompendo ou retardando a produção de insulina.

Diferentes fatores, incluindo genética e alguns vírus, podem contribuir para o diabetes tipo 1. Embora o diabetes tipo 1 geralmente apareça durante a infância ou adolescência, ele pode se desenvolver em adultos.

Apesar de haver pesquisa ativa, a diabetes tipo 1 não tem cura. O tratamento se concentra no gerenciamento dos níveis de açúcar no sangue com insulina, dieta e estilo de vida para evitar complicações.

Sintomas da diabetes tipo 1

Os efeitos físicos do diabetes tipo 1 incluem:

  • Sede aumentada
  • Micção freqüente
  • Molhar a cama em crianças que antes não molhavam a cama durante a noite
  • Fome extrema
  • Perda de peso não intencional
  • Irritabilidade e outras alterações de humor
  • Fadiga e fraqueza
  • Visão embaçada

A fase inicial

Depois de receber um diagnóstico de diabetes tipo 1, as células das ilhotas responsáveis ​​pela secreção de insulina podem continuar produzindo o hormônio por um tempo antes de cessar.

Durante esse tempo, uma pessoa precisará de menos injeções de insulina para manter níveis saudáveis ​​de glicose no sangue.

Esta fase pode levar uma pessoa com diabetes tipo 1 a ter pensamentos errado de que estão melhorando.

A fase inicial, embora dê a impressão de recuperação dos sintomas, ainda requer um monitoramento rigoroso e ajustes regulares da dosagem de insulina.

Aderir ao plano de tratamento recomendado é essencial durante a fase inicial.

Complicações

Se uma pessoa não mantiver esses sintomas, uma série de complicações perigosas pode se desenvolver.

Esses incluem:

  • Retinopatia diabética: O excesso de glicose leva a um enfraquecimento das paredes da retina, a parte do olho que detecta luz e cor. À medida que a retinopatia progride, pequenos vasos sanguíneos podem se formar atrás dos olhos, que podem se dilatar e romper, causando problemas de visão.
  • Diabetes é uma das principais causas de cegueira entre os adultos em idade de trabalhar.
  • Neuropatia diabética: o açúcar elevado no sangue reduz a circulação, danifica os nervos das mãos e dos pés e causa perda de sensibilidade ou sensações anormais, como ardor, formigamento e dor.
  • Como o diabetes também pode reduzir a capacidade do corpo de curar, pequenos cortes e ferimentos podem levar a danos permanentes, especialmente porque a pessoa pode não notá-los imediatamente.
  • Nefropatia diabética ou doença renal diabética: Os rins filtram a glicose do sangue. Demasiada glicose pode sobrecarregá-los e progressivamente causar insuficiência renal, que pode evoluir para a necessidade de diálise.
  • Doença cardiovascular: A diabetes pode levar a uma série de anormalidades que prejudicam o funcionamento do coração e das artérias, incluindo ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e doença vascular periférica .
  • Como resultado da má circulação, o diabetes também pode aumentar o risco de amputações.
  • Doença da gengiva: A diabetes tipo 1 pode aumentar o risco de doença gengival e perda dentária, o que significa que uma pessoa com esse tipo deve ter muito cuidado para manter a saúde bucal.
  • Depressão: o diabetes tem fortes ligações com a depressão .
  • A cetoacidose diabética (CAD) é uma complicação aguda do diabetes que ocorre quando uma pessoa não atende à necessidade de insulina, e o corpo sofre estresse extremo. A cetoacidose diabética leva a níveis muito elevados de açúcar no sangue. O corpo experimenta uma mudança no metabolismo e começa a quebrar gordura em vez de açúcar, produzindo cetonas como um resíduo. As cetonas podem ser prejudiciais ao organismo e causar acidose. A CAD é uma emergência médica que requer hospitalização e tratamento com insulina intravenosa etc.

Deteção da diabetes tipo 1

Muitos dos exames de sangue iniciais indicam a presença de diabetes, mas não especificam qual tipo de diabetes está presente

Os médicos usam pistas clínicas e de laboratório para diferenciar os dois tipos de diabetes.

Enquanto exceções podem ocorrer, pessoas com diabetes tipo 1 tendem a se apresentar em uma idade muito mais jovem e são magras. Indivíduos com diabetes tipo 2 são tipicamente mais velhos e com excesso de peso.

O médico fará então o teste de autoanticorpos contra células pancreáticas no sangue. Embora os anticorpos ajudem o sistema imunológico a combater doenças e infecções, os autoanticorpos ocorrem quando o sistema imunológico está atacando os tecidos saudáveis ​​incorretamente.

O médico também pode medir o peptídeo C, um indicador da quantidade de insulina produzida pelo organismo. Eles esperam que seja menor no diabetes tipo 1, pois isso se relaciona com a destruição das células produtoras de insulina.

Tratamento

O plano de tratamento envolve manter os níveis de açúcar no sangue dentro de uma faixa saudável, assegurando ao mesmo tempo que cresçam e se desenvolvam normalmente.

Para isso, as pessoas com diabetes tipo 1 precisam:

  • Tomar insulina
  • Comer uma dieta saudável e equilibrada com contagens precisas de carboidratos
  • Verificar sempre os níveis de açúcar no sangue
  • Fazer atividade física regular

Seguir o plano de tratamento pode ajudar uma pessoa a se manter saudável, mas não é uma cura para o diabetes. No momento, não há cura para o diabetes, então as pessoas com diabetes tipo 1 precisarão de tratamento para o resto de suas vidas.

A boa notícia é que manter o plano pode ajudar as pessoas a se sentirem saudáveis ​​e evitar problemas de diabetes mais tarde.