1. Página inicial
  2. Saúde
  3. Doença do refluxo gastroesofágico: sintomas, causas e tratamento

Doença do refluxo gastroesofágico: sintomas, causas e tratamento

Muitas pessoas ocasionalmente experimentam a doença do refluxo gastroesofágico. No entanto, se um indivíduo apresentar refluxo ácido persistente que ocorre mais de duas vezes por semana, pode ser diagnosticado com DRGE. Em outras palavras, a DRGE é uma ocorrência regular a longo prazo.

Muitas pessoas, incluindo mulheres grávidas, sofrem de azia ou indigestão ácida causada pela DRGE. Especialistas acreditam que algumas pessoas sofrem do refluxo gastroesofágico devido a uma condição chamada hérnia hiatal.

A hérnia hiatal é uma condição em que uma abertura no diafragma permite que a parte superior do estômago se mova para o peito. Isso diminui a pressão no esfíncter esofágico e aumenta o risco de DRGE.

Na maioria dos casos, a DRGE pode ser aliviada através de mudanças na dieta e no estilo de vida; no entanto, algumas pessoas podem precisar de medicação ou cirurgia.

A doença do refluxo gastroesofágico pode ocorrer em pessoas de todas as idades e, às vezes, por razões desconhecidas.

Sintomas da DRGE

Praticamente todos já experimentaramos o refluxo gastroesofágico. Isso acontece quando arrotamos, quando também temos um sabor ácido na boca ou tem azia.

Outros sintomas que ocorrem com menos frequência, mas que podem indicar a existencia da doençça do refluxo gastroesofágico, são:

  •  Regurgitação ácida (refazer a comida após comer)
  • Dificuldade ou dor ao engolir
  • Excesso repentino de saliva
  • Dor de garganta crônica
  • Laringite ou rouquidão
  • Inflamação das gengivas
  • Cáries
  • Mau hálito
  • Dor no peito (procure ajuda médica imediata)

Quando apresentamos refluxo ácido noturno, também poderemos experimentar:

  • Tosse crônica
  • Laringite
  • Asma
  • Sono interrompido

DRGE em bebês

Cerca de dois terços dos bebês de quatro meses têm sintomas de DRGE. Por outro lado, até 10% dos bebês de um ano são afetados por ele.

É normal os bebês cuspirem comida e vomitarem às vezes. Entretanto, se seu bebê estiver cuspindo comida ou vomitando com frequência, ele pode ter DRGE.

Outros sinais e sintomas potenciais de DRGE em bebês incluem:

  • recusa em comer
  • dificuldade em engolir
  • amordaçar ou engasgar
  • arrotos molhados ou soluços
  • irritabilidade durante ou após a alimentação
  • arqueamento das costas durante ou após a alimentação
  • perda de peso ou crescimento deficiente
  • tosse recorrente ou pneumonia
  • Dificuldade em dormir

Se suspeitar de que o bebê possa ter DRGE ou outra condição de saúde, marque uma consulta com o médico. Por isso, aprenda a reconhecer a DRGE em bebês.

Causas doença do refluxo gastroesofágico

O refluxo ácido ocasional é bastante comum, geralmente ocorrendo como resultado de comer demais, deitar-se depois de comer ou comer determinados alimentos.

No entanto, o refluxo ácido recorrente, diagnosticado como DRGE, geralmente apresenta outras causas e fatores de risco e pode ter complicações mais graves.

Refluxo Gastroesofágico (Medicina.Net)

Em resumo, a DRGE ocorre quando o esfíncter na parte inferior do esôfago fica fraco ou abre quando não deveria. Entretanto, a doença do refluxo gastroesofágico ocorre mais comumente em pessoas que:

  • Têm sobrepeso ou obesidade por causa do aumento da pressão no abdômen
  • Apresentam gravidez, devido ao mesmo aumento de pressão
  • Tomam certos medicamentos, incluindo alguns medicamentos para asma, bloqueadores dos canais de cálcio, antihistamínicos, sedativos e antidepressivos
  • Fumam e se expõe ao fumo passivo

Pessoas com asma correm maior risco de desenvolver DRGE. As crises de asma podem fazer com que o esfíncter inferior do esôfago relaxe, permitindo que o conteúdo do estômago flua de volta, ou refluxo, para o esôfago. No entanto, alguns medicamentos para a asma (especialmente a teofilina) podem piorar os sintomas do refluxo.

Por outro lado, o refluxo ácido pode piorar os sintomas da asma irritando as vias aéreas e os pulmões. Isso, por sua vez, pode levar à asma progressivamente mais grave. Além disso, essa irritação pode desencadear reações alérgicas e tornar as vias aéreas mais sensíveis às condições ambientais, como fumaça ou ar frio.

Tratamento da doença do refluxo gastroesofágico

Geralmente se recomenda mudanças no estilo de vida e na dieta para a maioria das pessoas que precisam de tratamento para a DRGE. Consequentemente, o tratamento visa diminuir a quantidade de refluxo ou reduzir os danos ao revestimento do esôfago por materiais refluídos.

As mudanças no estilo de vida para tratar a DRGE incluem:

  • Elevar a cabeceira da cama de 6 a 8 polegadas
  • Perder peso
  • Parar de fumar
  • Diminuir a ingestão de álcool
  • Limitar o tamanho da refeição e evitar refeições pesadas à noite
  • Não se deite dentro de duas a três horas depois de comer
  • Diminuir a ingestão de cafeína
  • Evitar teofilina (se possível)

A DRGE costuma ser tratada com medicamentos antes de tentar outros tipos de tratamento. Portanto, os inibidores da bomba de protões são uma das principais opções de tratamento farmacêutico para pessoas com DRGE. Eles diminuem a quantidade de ácido produzido pelo estômago.

Outras opções incluem:

  • Bloqueadores de H2
  • Antiácidos
  • Procinéticos: ajudam o estômago a esvaziar mais rapidamente.
  • Eritromicina

Complicações da DRGE

A doença do refluxo gastroesofágico pode, com o tempo, levar à inflamação crônica no esôfago que, por sua vez, pode causar:

  • Estreitamento do esôfago (estenose esofágica). Danos do esôfago inferior pelo ácido do estômago causam a formação de tecido cicatricial. Portanto, o tecido cicatricial estreita o caminho da comida, levando a problemas com a deglutição.
  • Uma ferida aberta no esôfago (úlcera esofágica). O ácido do estômago pode desgastar o tecido do esôfago, causando a formação de uma ferida aberta. Uma úlcera esofágica pode sangrar, causar dor e dificultar a deglutição.
  • Alterações pré-cancerosas no esôfago (esôfago de Barrett). Os danos causados ​​pelo ácido podem causar alterações no tecido que reveste o esôfago inferior. Essas alterações estão associadas a um risco aumentado de câncer de esôfago.

Compartilhe este artigo

Autor

Mais lidos

Menu