Tipo A sanguíneo realmente tem mais risco de desenvolver a COVID-19

tipo sanguíneo e o risco da covid-19

Como o tipo A sanguíneo está relacionado com o desenvolvimento da COVID-19 (doença causada pelo coronavírus – a SARS-CoV-2)? Descubra o que os pesquisadores do Irão, da Inglaterra e da China encontraram.

Realmente, o tipo sanguíneo pode desempenhar um papel central na condução da gravidade da doença entre pacientes com doença por coronavírus (COVID-19).

A análise genética de pacientes com COVID-19 mostrou que pessoas com sangue tipo O pareciam estar protegidas contra doenças graves. Por outro lado, aqueles com sangue tipo A podem ter complicações ligadas à infecção viral.

Uma equipa de cientistas europeus descobriu que duas variações genéticas podem mostrar quem tem mais probabilidade de ficar muito doente e até morrer de infecção por coronavírus 2 (SARS-CoV-2, síndrome respiratória aguda grave.

Além disso, eles encontraram uma ligação com o tipo sanguíneo, sugerindo que algumas pessoas estão predispostas à doença grave de COVID-19.

Os resultados do estudo, publicados no The New England Journal of Medicine , esclarecem por que algumas pessoas têm um risco maior de serem infectadas pelo coronavírus e desenvolver sintomas piores.

Em três estudos completamente separados, pesquisadores da Universidade Columbia , da Universidade Mazandaran de Ciências Médicas do Irã e de várias instituições chinesas chegaram a resultados semelhantes.

Insuficiência respiratória em pacientes com COVID-19

Lembramos ao caro leitor que a A síndrome do desconforto respiratório agudo é uma condição que parece estar ligada aos casos mais graves da doença causada pelo coronavírus 2. A Falta de ar grave – o principal sintoma da SDRA – se desenvolve dentro de algumas horas ou dias após a infecção precipitante.

Leia também:

Entretanto, a patogênese do COVID-19 grave e a insuficiência respiratória associada ainda não são claras, mas a maior mortalidade está sempre ligada à idade avançada e ao sexo masculino.

Além disso, pessoas com condições de saúde subjacentes têm maior probabilidade de desenvolver COVID-19 grave, incluindo hipertensão e outras doenças cardiovasculares, diabetes, obesidade.

O papel relativo dos fatores de risco clínicos na determinação da gravidade do COVID-19 não foi esclarecido. No entanto, o estudo que citamos acima destaca como os fatores genéticos ligam o tipo sanguíneo e a COVID-19.

Análise genética

A equipa estudou mais de 1.900 pacientes com coronavírus gravemente doentes da Espanha e Itália, dois dos países mais atingidos no auge da pandemia. Eles compararam os pacientes de sete hospitais com 2.300 pessoas que não estavam doentes. No geral, analisaram mais de 8 milhões de polimorfismos de nucleotídeo único e conduziram uma meta-análise dos dois painéis de controle de caso.

A equipa descobriu que um conjunto de variantes nos genes envolvidos nas respostas imunes era mais comum em pessoas com COVID-19 grave. Os genes também estão associados a uma proteína da superfície celular – a enzima conversora de angiotensina 2, que o coronavírus usa para entrar e infectar células do corpo.

Um dos agrupamentos de genes aumentou em 77% o risco de contrair COVID-19 grave. Os pesquisadores acreditam que a descoberta desses aglomerados de genes pode acelerar o desenvolvimento de novas vacinas e terapêuticas para a doença de coronavírus.

Tipo sanguíneo e a COVID-19

A pesquisa descobriu que pessoas com grupo sanguíneo tipo A tiveram um maior risco (45%) de contrair o coronavírus e desenvolver insuficiência respiratória. Por outro lado, pessoas com sangue tipo O tiveram um risco menor (35%) de desenvolver doença grave de COVID-19.

No entanto, não está claro por que o tipo sanguíneo pode influenciar a suscetibilidade a doenças graves, bem como da COVID-19.

Segundo Laguipo (2020), O Dr. Robert Glatter, médico de medicina de emergência do Hospital Lenox Hill, em Nova York, observou que os genes que controlam o tipo sanguíneo podem desempenhar um papel na composição da superfície celular.

As alterações nas estruturas da superfície celular podem influenciar a suscetibilidade da célula a ser infectada pelo novo coronavírus.

“Também sabemos de que pesquisas anteriores demonstraram que o tipo sanguíneo afeta o risco da coagulação. E, agora é bastante evidente que pacientes gravemente enfermos com coronavírus demonstram coagulação significativa.”, explicou o Dr. Glatter.

A equipe enfatizou que suas descobertas podem precisar de mais validação e investigação. Dessa forma, mais informações podem ser coletadas a respeito da ligação entre o tipo sanguíneo e a gravidade da COVID-19 ou doença por coronavírus.

“Uma exploração mais aprofundada dos achados atuais, tanto quanto à sua utilidade no perfil clínico de risco de pacientes com Covid-19 e em direção a um entendimento mecanicista da fisiopatologia subjacente, é justificada”, escreveram eles no artigo.

Artigo adaptado de Laguibo. Medical Life Science. Publicado em 18/06/2020.

Você pode gostar

Compartilhe

Menu