Tratamento de COVID-19 com plasma convalescente parece seguro

tratamento da covid-19 com plasma covalescente

Pesquisadores observaram que o tratamento de COVID-19 com plasma convalescente pode ser seguro, no entanto ela foi em uma escala semelhante à melhora relatada pelos cientistas em estudos sobre o remdesivir.

As transfusões de plasma de pessoas que se recuperaram do COVID-19, a doença causada pelo SARS-CoV-2, parecem ser seguras para pacientes graves e podem acelerar sua recuperação, de acordo com um estudo preliminar.

Por mais de 100 anos, médicos usam plasma convalescente (um componente do sangue) de pessoas que sobreviveram a infecções fatais para tratar outras pessoas.

A idéia é que os anticorpos contra uma bactéria ou vírus permaneçam no sangue de alguém que se recuperou recentemente da infecção.

Plasma convalescente já fora usado como tratamento durante a pandemia de gripe espanhola de 1918 e tiveram vários graus de sucesso durante o surto de SARS de 2003, o surto de gripe suína de 2009 (H1N1) e o surto de Ebola de 2014 na África. Em 2015, cientistas estabeleceram esse tratamento como o protocolo para a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS).

No início do surto de COVID-19, em 20 de janeiro de 2020, médicos da China começaram a tratar pacientes gravemente doentes com plasma convalescente. Eles relataram resultados encorajadores de cinco casos na revista JAMA.

Em 28 de março de 2020, o Houston Methodist Hospital, no Texas, tornou-se o primeiro centro médico acadêmico nos Estados Unidos a tratar pacientes com COVID-19 em estado crítico com plasma convalescente.

“Enquanto cientistas de todo o mundo lutavam para testar novos medicamentos e tratamentos contra o COVID-19, a terapia com soro convalescente emergia como potencialmente uma das estratégias mais promissoras”, diz o Dr. James M. Musser, presidente do Departamento de Patologia e Medicina Genômica em Houston Methodist.

Segurança do uso do plasma convalescente para tratamento da COVID-19

Entre 28 de março e 14 de abril, o Dr. Musser e seus colegas inscreveram 25 pessoas com COVID-19 grave ou com risco de vida em um estudo preliminar para investigar a segurança da terapia.

Nove dos participantes (36%) apresentaram melhora em sua condição após 7 dias, e 19 (76%) melhoraram ou receberam alta após 14 dias.

Não houve eventos adversos que os pesquisadores pudessem atribuir à terapia.

Eles relatam suas descobertas no The American Journal of Pathology.

Uma das preocupações que as pessoas têm em relação à segurança do plasma convalescente é que ele pode conter agentes infecciosos, incluindo o patógeno que deve ser tratado.

Os autores relatam que os doadores em seu estudo haviam se recuperado completamente e estavam assintomáticos por pelo menos 14 dias.

De acordo com as práticas padrão de doação de sangue, os pesquisadores também examinaram o plasma para uma variedade de outros patógenos, incluindo hepatite B e C, HIV, doença de Chagas, vírus do Nilo Ocidental , vírus do zika e sífilis.

Eles afirmaram que mais de 150 indivíduos que se recuperaram do COVID-19 doaram seu plasma para ajudar a tratar outras pessoas, e muitos continuam a fazê-lo.

“Somos profundamente gratos a nossos muitos generosos doadores voluntários de plasma por seu tempo, seu presente e sua solidariedade.”

autores

Melhoras clínicas durante o tratamento com plasma covalestente

Os pesquisadores observaram que a taxa de melhora clínica entre as pessoas que receberam o plasma foi em uma escala semelhante à melhora relatada pelos cientistas em estudos sobre o remdesivir.

No entanto, eles enfatizaram que o objetivo principal de sua pesquisa era avaliar a segurança do tratamento e não sua eficácia.

O estudo foi pequeno, não houve grupo controle e os participantes receberam outros tratamentos experimentais. Por exemplo, 68% deles receberam a ribavirina e todos tomaram o medicamento antimalárico hidroxicloroquina.

Notavelmente, os autores relatam que não houve correlação clara entre a quantidade de anticorpos COVID-19 nas infusões de plasma doado e o resultado para aqueles que os receberam.

O estudo pode ter sido pequeno demais para mostrar uma associação significativa desse tipo, conhecida como “resposta à dose”.

O Houston Methodist está considerando um estudo maior e randomizado da terapia.

Preocupações com o tempo

Outros estudos multicêntricos de plasma convalescente estão atualmente em andamento.

Em maio, uma colaboração entre 57 instituições médicas nos EUA – chamada Projeto Nacional de Plasma Convalescente COVID-19 – informou em uma pré – impressão que a terapia parece ser segura.

Uma infusão de anticorpos contra o vírus para melhorar a resposta imune do corpo pode ser mais eficaz no início da doença.

A razão para isso é que, quando uma pessoa fica gravemente doente, seu sistema imunológico fica sobrecarregado, resultando em inflamação dos pulmões e, em seguida, em uma liberação excessiva de fatores imunes, conhecida como ” tempestade de citocinas “.

Fonte: Medical News Today

Você pode gostar

Artigos Semelhantes

Menu