Estágios da sífilis: manifestação clínica, causas e tratamento

sífilis secundária faz parte das doenças sexulamente transmissíveis

Antes de falarmos dos estágios da sífilis é achamos crucial recordarmos o conceito dela. Assim, definimos a sífilis como uma doença venérea infecciosa causada pelo espiroqueta Treponema pallidum.

A sífilis é transmissível por contato sexual com lesões infecciosas, da mãe para o feto no útero, por transfusão de produtos sanguíneos e, ocasionalmente, por rupturas na pele que entram em contato com lesões infecciosas.

Agente etiológico da sífilis

Os treponemas são células helicoidais em forma de saca-rolhas, com 6 a 15 μm de comprimento e 0,1 a 0,2 μm de largura.

Apresentam uma membrana externa que circunda seus flagelos periplásmicos, um complexo de membrana proteinoglicano – citoplasmático e um cilindro protoplasmático.

causador da sífilis e os estágios da doença

Treponemas são patógenos altamente invasivos que freqüentemente se disseminam relativamente logo após a inoculação (infeção).

A evasão das respostas imunes do hospedeiro parece ser, pelo menos em parte, devido à estrutura única da membrana externa do treponema (isto é, seu conteúdo extremamente baixo de proteínas expostas à superfície).

Embora os treponemas não possuam lipopolissacarídeo clássico (endotoxina), eles possuem lipoproteínas abundantes que induzem processos inflamatórios.

Os estágios da sífilis

Se não for tratada, a sífilis progride por quatro estágios: primário, secundário, latente e terciário.

Sífilis primária

A lesão específica é o cancro duro ou protossifiloma, que surge no local da inoculação em média três semanas após a infecção.

É inicialmente uma pápula de cor rósea, que evolui para um vermelho mais intenso e exulceração.

Em geral o cancro é único, indolor, praticamente sem manifestações inflamatórias perilesionais, bordas induradas, que descem suavemente até um fundo liso e limpo, recoberto por material seroso.

Após uma ou duas semanas aparece uma reação ganglionar regional múltipla e bilateral, não supurativa, de nódulos duros e indolores.

Localiza-se na região genital em 90% a 95% dos casos. No homem é mais comum no sulco balanoprepucial, prepúcio, meato uretral ou mais raramente intra-uretral. Na mulher é mais freqüente nos pequenos lábios, parede vaginal e colo uterino.

Assintomático, muitas vezes não é referido. As localizações extragenitais mais comuns são a região anal, boca, língua, região mamária e quirodáctilos.

O cancro regride espontaneamente em período que varia de quatro a cinco semanas sem deixar cicatriz.

A ausência de lesão primária geralmente decorria de transfusões com sangue infectado (sífilis decapitada). O chamado cancro misto de Rollet é o resultado da infecção conjunta com o Haemophilus ducreyi (cancro mole).

Sífilis secundária,

Após o período de latência que pode durar de seis a oito semanas, a doença entrará novamente em atividade. O acometimento afetará a pele e os órgãos internos correspondendo à distribuição do T. pallidum por todo o corpo.

Na pele, as lesões ocorrem por surtos e de forma simétrica. Podem apresentar-se sob a forma de máculas de cor eritematosa (roséola sifilítica) de duração efêmera.

No estágio da sífilies secundária evolui no primeiro e segundo ano da doença com novos surtos que regridem espontaneamente entremeados por períodos de latência cada vez mais duradouros.

Para mais detalhes da sífilis secundária clique aqui.

Sífilis terciária

Os pacientes nessa fase desenvolvem lesões localizadas envolvendo pele e mucosas, sistema cardiovascular e nervoso. Em geral, a característica das lesões terciárias é a formação de granulomas destrutivos (gomas) e ausência quase total de treponemas. Podem estar acometidos ainda ossos, músculos e fígado.

No tegumento, as lesões são nódulos, tubérculos, placas nódulo-ulceradas ou tuberocircinadas e gomas.

As lesões são solitárias ou em pequeno número, assimétricas, endurecidas com pouca inflamação, bordas bem marcadas, policíclicas ou formando segmentos de círculos destrutivas, tendência à cura central com extensão periférica, formação de cicatrizes e hiperpigmentação periférica.

Na língua, o acometimento é insidioso e indolor, com espessamento e endurecimento do órgão. Lesões gomosas podem invadir e perfurar o palato e destruir a base óssea do septo nasal. “Cancro redux” é a presença de goma no local do cancro de inoculação, e “pseudocancro redux”, uma goma solitária localizada no pênis.

Para mais informações visite: Anais brasileiro de dermatologia

Compartilhe o artigo
Veja mais artigos sobre:

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *