Pedras nos rins: causas, sintomas e tratamento

pedras nos rins

Pedras nos rins (litíase renal, nefrolitíase ou cálculo renal) são depósitos de minerais e sais dentro dos rins. Geralmente, consistem em oxalato de cálcio, mas podem ser compostos de vários outros compostos.

As pedras nos rins podem crescer até o tamanho de uma bola de golfe, mantendo uma estrutura nítida e cristalina.

Muitas dessas pedras são tão pequenas que são capazes de viajar para a bexiga em apenas alguns dias ou semanas sem nenhum tratamento e depois sair pela urina.

Pedras maiores podem ficar presas quando saem da pelve renal ou levar mais tempo para passar pelo ureter, causando dor intensa e outros sintomas.

Sintomas das pedras nos rins

Uma pedra nos rins pode não causar sintomas até que ela se mova dentro do rim ou passe para o ureter – o tubo que liga o rim à bexiga. Nesse ponto, é possível apresentar os seguintes sinais e sintomas:

  • Dor intensa nas laterais e nas costas, abaixo das costelas
  • Dor que irradia para a parte inferior do abdômen e virilha
  • Dor que vem em ondas e oscila em intensidade
  • Dor ao urinar
  • Sangue na urina (urina rosa, vermelha ou marrom)
  • Urina turva ou com mau cheiro
  • Náusea e vomito
  • Necessidade persistente de urinar
  • Urinar com mais frequência do que o habitual
  • Febre e arrepios se uma infecção está presente
  • Urinar pequenas quantidades

Se não forem tratadas, as pedras nos rins podem bloquear os ureteres ou torná-los mais estreitos. Isso aumenta o risco de infecção, ou a urina pode se acumular e sobrecarregar os rins. Esses problemas são raros porque a maioria das pedras nos rins é tratada antes que possam causar complicações.

Causas e fatores de risco

A principal causa de pedras nos rins é a falta de água no corpo. As pedras são mais comumente encontradas em indivíduos que bebem menos do que oito ou dez copos de água recomendados por dia.

Quando não há água suficiente para diluir o ácido úrico, um componente da urina, a urina se torna mais ácida. Um ambiente excessivamente ácido na urina pode levar à formação de pedras nos rins.

Além disso, sais de cálcio ou outros minerais às vezes também formam pedras:

  • 80% das pessoas com pedras nos rins têm pedras de cálcio ,
  • 5 a 10% têm cálculos de ácido úrico e
  • 10% possuem pedras compostas pelo mineral estruvita.

Condições médicas como doença de Crohn, infecções do trato urinário, acidose tubular renal e hiperparatireoidismo aumentam o risco de pedras nos rins.

Outro exemplo se dá do caso das glândulas paratireoides estiverem hiperativas, condição que aumenta o nível de cálcio na urina. A gota aumenta o nível de ácido úrico. Às vezes, mas raramente, os níveis excessivos são genéticos.

Pedras nos rins são comum entre homens e mulheres. A maioria das pessoas que experimentam cálculos renais o faz entre as idades de 30 e 50 anos. Uma história familiar de pedras nos rins também aumenta as chances de desenvolvê-las.

Além disso, é possível que o uso prolongado de vitamina D e suplementos de cálcio cause altos níveis de cálcio, o que pode contribuir com fonte confiável para pedras nos rins.

Fatores de risco adicionais para cálculos renais incluem dietas ricas em proteínas e sódio, mas com pouco cálcio, estilo de vida sedentário, obesidade, pressão alta e condições que afetam a maneira como o cálcio é absorvido no corpo, como doença inflamatória intestinal e diarréia crônica.

Tratamento

Para pequenas pedras nos rins que não causam problemas, tudo o que é preciso fazer é esperar até que elas desapareçam do corpo na urina. É possível dizer pelo tamanho e pela localização se eles podem transmitir por conta própria.

Analgésicos como diclofenaco, ibuprofeno, acetaminofeno (paracetamol) podem ser usados ​​para aliviar qualquer dor causada pelas pedras. Analgésicos mais fortes (opióides) podem ser considerados para dores muito graves.

Entenda quais são os princípios gerais de tratamento da dor

Se as pedras nos rins tiverem de 5 a 10 milímetros de diâmetro, certos medicamentos podem ajudar a relaxar os músculos e permitir que as pedras deixem o corpo.

Pedras nos rins maiores geralmente precisam ser removidas.

Dependendo do tamanho das pedras e de onde elas estão localizadas, as ondas sonoras podem ser usadas para destruí-las ou podem ser removidas usando endoscopia ou um procedimento cirúrgico menor.

Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *