Doença de crohn: sintomas, causas e tratamento

doença de crohn

A doença de Crohn é uma doença inflamatória intestinal (DII) e crónica. Causa dor abdominal, diarréia grave, fadiga, perda de peso e desnutrição. A inflamação causada por esta doença pode envolver diferentes áreas do trato digestivo.

A doença de Crohn afeta mais comumente o final do intestino delgado (o íleo) e o início do cólon, mas pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal (GI), da boca ao ânus.

Esta doença também pode afetar toda a espessura da parede do intestino. Além disso, a inflamação do intestino pode “pular” – deixando as áreas normais entre as manchas do intestino doente.

A doença de Crohn é mais comum em países desenvolvidos do que em países não desenvolvidos, em áreas urbanas e não rurais, e em climas do norte, e não no sul.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, a doença de Crohn afeta 26-199 pessoas por 100.000 (leia mais aqui). Embora a doença de Crohn comece normalmente entre as idades de 15 a 40 anos, ela pode começar em qualquer idade.

Sintomas da doença de Crohn

Embora os sintomas variem de paciente para paciente e alguns possam ser mais comuns do que outros, os sintomas indicadores da doença incluem:

Sintomas da inflamação do trato GI

  • Diarreia Persistente
  • Sangramento retal
  • Necessidade urgente de mover intestino
  • Cólicas abdominais e dor
  • Sensação de evacuação incompleta
  • Obstipação (pode levar a obstrução intestinal)

Sintomas gerais

  • Febre
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Fadiga
  • Suor noturno
  • Perda do ciclo menstrual normal

Considerações sobre sintomas da doença de Crohn

Mesmo se você acha que está mostrando sinais de sintomas da doença, apenas testes adequados podem dar um diagnóstico.

Pessoas que sofrem desta DII muitas vezes experimentam perda de apetite e podem perder peso como resultado. Uma sensação de baixa energia e fadiga também é comum. Entre as crianças mais jovens, a doença de Crohn pode atrasar o crescimento e o desenvolvimento.

Por ser uma doença crônica os pacientes tendem a experimentar períodos em que a doença se inflama e causa sintomas, seguidos por períodos de remissão quando os pacientes podem não perceber os sintomas.

Em casos mais graves, a doença de Crohn pode causar lágrimas (fissuras) no revestimento do ânus, que pode levar a dor e sangramento, especialmente durante os movimentos intestinais.

A inflamação também pode causar o desenvolvimento de uma fístula (um túnel que leva de uma alça de intestino a outra, ou que conecta o intestino à bexiga, vagina ou pele). Esta é uma condição séria que requer atenção médica imediata.

Causas da doença de Crohn

A causa exata da doença ainda é desconhecida. Anteriormente, a dieta e o estresse eram suspeitos, mas agora os médicos sabem que esses fatores podem agravar, mas não causam a doença.

Vários fatores, como a hereditariedade e o mau funcionamento do sistema imunológico, provavelmente desempenham um papel no seu desenvolvimento.

Sistema imunológico

É possível que um vírus ou bactéria possa desencadear a enfermidade. Ou seja, quando o sistema imunológico tenta combater microrganismo invasor, uma resposta imune anormal faz com que o sistema imunológico atinja também as células do trato digestivo.

O trato gastrointestinal normalmente contém bactérias inofensivas, muitas das quais ajudam na digestão. Em circunstâncias normais, as bactérias inofensivas nos intestinos são protegidas del ataque.

Em pessoas com DII, essas bactérias são confundidas com invasores prejudiciais e o sistema imunológico gera uma resposta. As células viajam para fora do sangue para os intestinos e produzem inflamação (uma resposta normal do sistema imunológico).

No entanto, a inflamação não diminui, levando à inflamação crônica, ulceração, espessamento da parede intestinal e, eventualmente, causando sintomas do paciente.

Hereditariedade

A doença de Crohn é mais comum em pessoas que têm familiares com a doença, então os genes podem ter um papel em tornar as pessoas mais suscetíveis. No entanto, a maioria das pessoas com a doença não tem histórico familiar da doença.

Estudos mostram que 5% a 20% dos indivíduos afetados têm um parente de primeiro grau (pais, filhos ou irmãos) com uma das doenças. O risco é maior com a doença de Crohn do que com a colite ulcerativa.

O risco também é substancialmente maior quando ambos os pais têm DII. A doença é mais comum entre pessoas de origem européia oriental, incluindo judeus de ascendência européia.

Nos últimos anos, um número crescente de casos foi relatado entre as populações afro-americanas.

Tratamento da doença de crohn

O tratamento pode envolver medicação, cirurgia e suplementos nutricionais. O objetivo é controlar a inflamação, corrigir problemas nutricionais e aliviar os sintomas.

Não há cura para a doença de Crohn, mas alguns tratamentos podem ajudar, reduzindo o número de vezes que um paciente apresenta recidivas.

O tratamento da doença de Crohn depende de:

  • onde a inflamação está situada
  • a gravidade da doença
  • complicações
  • a resposta do paciente ao tratamento anterior para sintomas recorrentes

Medicamentos antinflamatórios

Os medicamentos anti-inflamatórios são frequentemente o primeiro passo no tratamento da doença inflamatória intestinal. Eles incluem:

  • Corticosteróides como a prednisona e a budesonida podem ajudar a reduzir a inflamação no seu corpo, mas não funcionam para todas pessoas com a doença. Os corticosteróides podem ser usados ​​para melhora dos sintomas em curto prazo (três a quatro meses) e para induzir a remissão. Além disso, podem ser usados ​​em combinação com um supressor do sistema imunológico.
  • 5-aminossalicilatos orais. Essas drogas incluem sulfassalazina, que contém sulfa e mesalamina. Os 5-aminossalicilatos orais foram amplamente utilizados no passado, mas agora são geralmente considerados de benefício limitado.

Medicamentos biológicos

Drogas biológicas, como infliximab ou infliximab-dyyb são frequentemente prescritos quando uma pessoa com doença de Crohn não responde aos tratamentos padrão de corticosteróides e imunossupressores.

O infliximabe é um anticorpo que se liga à proteína promotora de inflamação, fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa). Outros medicamentos anti-TNF são adalimumab ( Humira ) e adalimumab-atto (Amjevita), um biossimilar para Humira. Essas drogas também são usadas para tratar outros distúrbios do sistema imunológico, como artrite reumatóide.

Certolizumab é outro bloqueador anti-TNF aprovado para a doença de Crohn.

Existem outras alternativas biológicas para os bloqueadores anti-TNF. Duas drogas bloqueiam a integrina alfa-4 – natalizumab e vedolizumab. O ustecinumab funciona de outra forma, visando outras proteínas, IL-12 e IL-23.

Outros medicamentos usados na doença de crohn

  • Antibióticos para tratar infecções bacterianas e supercrescimento de bactérias no intestino delgado; tipos de antibióticos comumente prescritos incluem: ampicilina, cefalosporinas, fluoroquinolonas (como a ciprofloxacina), metronidazol, sulfonamidas e tetraciclina.
  • Agentes antidiarreicos para parar a diarreia
  • Substituições de fluidos para neutralizar a desidratação
  • Suplementos nutricionais para fornecer os nutrientes que podem não estar absorvendo adequadamente

Cirurgia

Quando os medicamentos não controlam mais os sintomas, a única solução é operar. A cirurgia também pode corrigir complicações, como abscesso, perfuração, sangramento e bloqueio.

Remover parte do intestino pode ajudar, mas não curar a doença de Crohn. A inflamação muitas vezes retorna à área próxima da parte removida que estava afetada.

Alguns pacientes com doença de Crohn podem necessitar de mais de uma operação durante suas vidas.

Em alguns casos pode ser necessário uma colectomia, na qual todo o cólon é removido. Neste caso, as fezes saem do corpo através do estoma. Uma bolsa recolhe as fezes.

A maioria das pessoas com doença de Crohn pode viver vidas normais e ativas, manter empregos, criar famílias e ter sucesso nisso.

Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.