Cura do COVID-19: prespectiva do uso da hidroxicloroquina e azitromicina

Para a cura do COVID-19, a combinação de hidroxicloroquina e azitromicina mostrou resultados significavamente posivos. Esta pandemia do COVID-19 ainda está se espalhando pelo mundo e afetando quase 2,4 milhões de pessoas, com mais de 164.000 mortos até agora.

Como nem a vacina nem o medicamento terapêutico comprovado estão disponíveis até o momento, a necessidade atual é de encontrar tratamento eficaz.

Agora, um novo estudo relata a utilidade potencial de uma combinação de hidroxicloroquina e azitromicina como tratamento em casos leves de infecção por novo coronavírus ou COVID-19 e recomenda a necessidade de avaliação adicional e uso generalizado, se os resultados forem confirmados.

Por que precisamos de uma cura COVID-19?

O COVID-19 começou em dezembro de 2019 e rapidamente se espalhou para mais de 185 países e territórios e foi declarada uma pandemia em 12 de março de 2020.

A taxa global de letalidade é de cerca de 2,3%, mas em pessoas mais velhas, este é de 8% e 15% nas pessoas com idade 70- 79 anos e mais de 80 anos, respectivamente.

O fato de que até 80% dos casos são assintomáticos ou levemente sintomáticos significa que a taxa real de mortalidade pode ser muito menor.

No entanto, permanece a necessidade de conter a propagação do vírus, o que pode ser feito limitando a duração do transporte do vírus.

O reaproveitamento de medicamentos mais antigos para uso contra o vírus é uma estratégia altamente considerada, porque esses medicamentos já foram aprovados para uso em seres humanos.

Sua segurança, efeitos colaterais da tolerabilidade e interações medicamentosas são estabelecidos.

Entre esses medicamentos, antibióticos semelhantes à azitromicina e o hidroxicloroquina, imunomodulador, ganharam ampla atenção.

Mais de um terço dos médicos já prescrevem ou acreditam que deveriam prescrever hidroxicloroquina ou azitromicina para infecções por COVID-19. Isso torna urgente descobrir se esses remédios são realmente eficazes.

Estudos pré-clínicos mostraram que o fosfato de cloroquina e o sulfato de hidroxicloroquina inibem a atividade viral in vitro.

Os autores do estudo relatam que outro de seus estudos mostra um efeito sinérgico quando a azitromicina e a hidroxicloroquina são usadas em células infectadas com o SARS-CoV-2, em níveis semelhantes às concentrações prováveis ​​em humanos dosados ​​com esses medicamentos.

Alguns estudos também demonstraram que a cloroquina reduz a febre e leva a uma melhora nos sinais da tomografia computadorizada, além de atrasar a progressão dos sintomas.

Isso levou alguns pesquisadores chineses a recomendar um tratamento à base de cloroquina para COVID-19, de todas as gravidades.

O vírus é eliminado por uma mediana de 20 dias em sobreviventes (8 a 37 dias), mas até a morte em casos fatais. Portanto, é necessário tratamento para encurtar esse período e produzir cura clínica sem progressão para sintomas graves do COVID-19.

O estudo sobre a cura do COVID-19

Um pequeno estudo piloto em 20 casos mostrou uma resolução de 100% com hidroxicloroquina 600 mg por dia. No dia 6, o transporte viral foi reduzido e os swabs nasofaríngeos foram negativos em 70% dos casos, em contraste com 12,5%.

Outro estudo falhou em mostrar qualquer diferença significativa, mas este estudo testou vários outros medicamentos também.

O estudo foi de caráter observacional não controlado em 80 pacientes com COVID-19 com infecção leve. Todos foram tratados com os dois medicamentos, hidroxicloroquina e azitromicina por três ou mais dias.

Os pesquisadores avaliaram o resultado clínico, o grau de transmissibilidade medido pela PCR e cultura viral e o período de permanência do paciente na unidade de doenças infecciosas.

O que o estudo mostrou sobre a cura do COVID-19?

A idade média dos 80 pacientes com COVID-19 confirmado foi de 52 anos. 57% deles tinham uma ou mais condições médicas crônicas, consideradas um fator de risco para COVID-19 grave.

Os pacientes foram hospitalizados em média cinco dias desde o início dos sintomas. Os sintomas mais comuns foram respiratório inferior em 54% e respiratório superior em 41%.

A febre esteve presente em apenas 15%. 92% deles foram avaliados como de baixo risco para progressão. Cerca de 54% apresentaram achados tomográficos sugestivos de pneumonia.

A maioria dos pacientes iniciou o tratamento no dia da admissão ou no dia seguinte. Quase todos foram tratados diariamente por no máximo 10 dias.

Um paciente interrompeu o tratamento precocemente devido ao risco de interação medicamentosa com outro medicamento. Segurança e tolerabilidade eram aceitáveis.

Em 65 pacientes, ou seja, 81%, receberam alta com bom resultado clínico. A oxigenoterapia foi necessária em 15% durante a internação hospitalar.

A internação em terapia intensiva foi necessária para três pacientes, dos quais dois melhoraram e retornaram à enfermaria. Um paciente morreu na enfermaria e um ainda estava na Unidade de Tratamento Intensivo.

A combinação hidroxicloroquina-azitromicina funcionou para cura do COVI-19?

A administração de hidroxicloroquina e azitromicina trouxe melhora em todos os pacientes, exceto um (que era idoso, apresentava sintomas graves e uma doença irreversível).

A melhora pareceu ser melhor do que a descrita em outras coortes hospitalizadas.

Os resultados de PCR e cultura mostram transmissibilidade reduzida

A carga viral na nasofaringe reduziu-se rapidamente conforme a qPCR, com 83% e 93% dos pacientes tendo um swab negativo no dia sete e no dia oito, respectivamente. O número de pacientes contagiosos era de dois em dez dias e zero no dia 12, mas havia diminuído acentuadamente no dia 6.

Em mais de 97% dos pacientes, as zaragatoas respiratórias mostraram-se negativas na cultura no dia 5. Somente duas culturas ainda eram positivas após o dia 5, uma no dia 8 e nenhuma no dia 9.

A maioria dos pacientes permaneceu no hospital por cinco dias, em média, antes de receber alta.

O que pode ser inferido sobre a combinação de medicamentos?

Os pesquisadores enfatizam a necessidade de tratar a condição efetivamente para evitar a piora progressiva dos sintomas pulmonares, geralmente por volta do décimo dia, que pode terminar em síndrome do desconforto respiratório agudo, de mau prognóstico, especialmente em idosos.

Os pesquisadores apontam para a rápida melhoria sintomática, com a redução paralela da carga viral de DNA, tanto por PCR quanto por cultura, como evidência do potencial desses medicamentos para produzir um resultado favorável.

A segurança desses fármacos não está em questão, nas doses recomendadas, mas a monitorização por ECG (electrocardioograma) é recomendada, já que, ocasionalmente, foi relatado que a hidroxicloroquina causa bloqueio cardíaco em pacientes com doenças cardíacas subjacentes.

O monitoramento cuidadoso dos pacientes de alto risco pelo ECG e a observação de possíveis interações medicamentosas devem ser suficientes para evitar essa complicação.

Os pesquisadores estão planejando um estudo maior em sua instituição para validar suas descobertas iniciais.

“Fornecemos evidências de um efeito benéfico da coadministração de hidroxicloroquina com azitromicina no tratamento de COVID-19 e de sua potencial eficácia na redução precoce da contagiosidade. Dada a necessidade terapêutica urgente e o custo insignificante da hidroxicloroquina e da azitromicina, acreditamos que há uma necessidade urgente de avaliar ainda mais essa estratégia. ”

Os autores

Referência

Gautret, P., Lagier, J.-C., Parolam P., Hoang, VT et al. (2020). Efeito clínico e microbiológico de uma combinação de hidroxicloroquina e azitromicina em 80 pacientes Covid-19 com pelo menos um acompanhamento de seis dias: um estudo piloto observacional. Travel Medicine and Infectious Disease (2020), doi: https://doi.org/10.1016/j.tmaid.2020.101663.

Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.

Este site usa Cookies para melhorar a sua navegação.

Saiba Mais