Hormonas sexuais femininas: tipos e seus papéis na vida

funcões das hormonas sexuais femininas

Hormonas sexuais femininas desempenham papéis vitais no desenvolvimento sexual, na reprodução e na saúde geral.

Os níveis de hormonas sexuais mudam com o tempo, mas algumas mudanças significativas ocorrem durante a puberdade, a gravidez e a menopausa.

Conceito de hormonas

Hormonas são mensageiros químicos do corpo e fazem parte do sistema endócrino. As glândulas endócrinas produzem hormonas, que viajam pela corrente sanguínea até os tecidos e órgãos, e controlam a maioria dos principais sistemas do nosso corpo.

O sistema endócrino regula nossa frequência cardíaca, metabolismo – como o corpo obtém energia dos alimentos que comemos – apetite, humor, função sexual, reprodução, crescimento e desenvolvimento, ciclos de sono e muito mais.

As hormonas sexuais, neste contexto, são aqueles que desempenham um papel essencial no desenvolvimento sexual e na reprodução.

As principais glândulas que produzem hormonas sexuais são as glândulas supra-renais e as gônadas, que incluem os ovários e os testículos.

glânddulas produtoras de hormonas sexuais femininas e masculinas

Os níveis de hormonas sexuais flutuam durante a vida de uma pessoa. Portanto, alguns fatores podem afetar os níveis de hormonas sexuais femininos e passamos a citar:

  • Idade
  • Menstruação
  • Gravidez
  • Menopausa
  • Estresse
  • Medicações
  • Meio Ambiente

Desequilíbrios hormonais sexuais podem levar a alterações no desejo sexual e problemas de saúde, como perda de cabelo, perda óssea e infertilidade.

Tipos de hormonas sexuais femininas

As duas principais hormonas sexuais femininas são o estrogênio e a progesterona. Embora a testosterona seja considerada uma hormona masculina, também são produzidas pelas mulheres, porque precisam de uma pequena quantidade dela.

Testosterona

Pequenas quantidades de testosterona vêm das glândulas supra-renais e dos ovários. Este hormônio desempenha um papel em várias funções do corpo, incluindo:

  • desejo sexual
  • produção de glóbulos vermelhos
  • regulação do ciclo menstrual
  • força óssea e muscular
  • fertilidade

Um exame de sangue pode determinar o nível de testosterona. Assim, poder-seá saber se está dentro dentro da seguinte faixa de 15 a 70 nanogramas por decilitro (ng / dL), para as mulheres.

Estrogênio

O estrogênio é provavelmente a hormona sexual mais conhecida. Embora a maioria da produção de estrogênio ocorra nos ovários, as glândulas supra-renais e as células adiposas também produzem pequenas quantidades de estrogênio.

O estrogênio desempenha um papel crucial no desenvolvimento reprodutivo e sexual, que começa quando a pessoa atinge a puberdade. Outras funções dela incluem:

  • menstruação
  • gravidez
  • menopausa
  • ações no cérebro
  • sistema cardiovascular
  • cabelo
  • sistema musculo-esquelético
  • pele
  • trato urinário

Os níveis de estrogênio normais, em picogramas por mililitro (pg / mL), podem ser de:

  • Adulto feminino, pré-menopausa: 15-350 pg / mL
  • Adulto feminino, pós-menopausa: <10 pg / mL
  • Homen adulto: 10-40 pg / mL
  • Os níveis variam muito ao longo do ciclo menstrual.

A progesterona

Os ovários, as glândulas supra-renais e a placenta produzem a progesterona. Os níveis de progesterona aumentam durante a ovulação e o pico durante a gravidez.

A progesterona ajuda a estabilizar os ciclos menstruais e prepara o corpo para a gravidez. Ter um baixo nível de progesterona pode levar a períodos irregulares, dificuldade de conceber e maior risco de complicações durante a gravidez.

Descubra como engravidar naturalmente. Clique aqui

Hormonas sexuais femininas ao longo da vida

As hormonas sexuais femininas são essenciais para muitas funções do corpo. Porém suas necessidades hormonais mudam muito quando ao sair da infância para a puberdade.

Ela também muda drasticamente ao engravidar, dar parto ou amamentar, e, continuam a mudar perto da menopausa. Neste sentido, entende-se que essas mudanças são naturais e esperadas.

Hormonas sexuais femininas na puberdade

As mulheres, geralmente, entram na puberdade entre as idades de 8 e 13 anos, e a puberdade geralmente termina quando perto de 14 anos de idade .

Durante a puberdade, a glândula pituitária começa a produzir maiores quantidades de hormônio luteinizante (LH) e hormônio folículo-estimulante (FSH), que estimula a produção de estrogênio e progesterona.

Níveis aumentados de estrogênio e progesterona iniciam o desenvolvimento de características sexuais secundárias, que incluem:

  • desenvolvimento mamário
  • o crescimento dos pêlos pubianos e das axilas
  • um surto de crescimento geral
  • um aumento na gordura corporal, especialmente nos quadris e coxas
  • a maturação dos ovários, útero e vagina
  • o começo do ciclo menstrual (descubra alguns mitos da menstruação)

Menstruação

O primeiro período menstrual (menarca) acontece cerca de dois a três anos depois que os seios começam a se desenvolver.

Novamente, é diferente para todos, mas a maioria das mulheres tem seu primeiro período entre as idades de 10 e 16 anos .

Fase folicular

O primeiro dia de um período marca o início de um novo ciclo menstrual. Durante um período, o sangue e o tecido do útero saem do corpo pela vagina.

Os níveis de estrogênio e progesterona são muito baixos neste momento e isso pode causar irritabilidade e alterações de humor.

A glândula pituitária também libera FSH e LH, que aumentam os níveis de estrogênio e sinalizam o crescimento do folículo nos ovários.

Cada folículo contém um óvulo. Depois de alguns dias, um folículo dominante surgirá em cada ovário. Os ovários absorverão os folículos remanescentes.

Como o folículo dominante continua crescendo, produzirá mais estrogênio. Este aumento de estrogênio estimula a liberação de endorfinas que aumentam os níveis de energia e melhoram o humor.

O estrogênio também enriquece o endométrio, que é o revestimento do útero, em preparação para uma possível gravidez.

Fase ovulatória

Em seguida vem a fase ovulatória. O LH faz com que o folículo se rompa e libere o óvulo. Esta fase dura cerca de 16 a 32 horas. A fertilização só pode ocorrer por cerca de 12 horas após o ovo ter deixado o ovário.

Fase lútea

A fase lútea começa após a ovulação. O folículo rompido se fecha e a produção de progesterona aumenta. Isso deixa o útero pronto para receber um óvulo fertilizado.

Se isso não acontecer, o estrogênio e a progesterona diminuem novamente e o ciclo começa de novo.

Todo o ciclo menstrual dura cerca de 25 a 36 dias. O sangramento dura entre 3 e 7 dias. Mas isso também varia um pouco.

O ciclo menstrual pode ser bastante irregular nos primeiros anos. Também pode variar em diferentes momentos da vida ou quando você usa contraceptivos hormonais.

Desejo sexual

Estrogênio, progesterona e testosterona desempenham um papel no desejo sexual feminino – também chamado de libido – e funcionamento sexual.

Devido às flutuações hormonais, as mulheres geralmente têm o seu auge do desejo sexual logo antes da ovulação.

Geralmente há menos flutuação na libido se estiver usando métodos hormonais de controle de natalidade, que afetam os níveis hormonais.

A libido também pode flutuar menos após a menopausa .

Cirurgias que removam glândulas supra-renais ou ovários reduz a produção de testosterona, o que pode causar uma queda na sua libido.

Hormonas sexuais femininas na gravidez

A gravidez começa no momento em que um óvulo fertilizado se implanta na parede do útero da pessoa.

Após a implantação, a placenta começa a se desenvolver e começa a produzir vários hormônios, incluindo progesterona, relaxina e gonadotrofina coriônica humana (hCG).

Os níveis de progesterona aumentam constantemente durante as primeiras semanas de gravidez, fazendo com que o colo do útero engrosse e forme o tampão do muco.

A produção de relaxina previne as contrações no útero até o final da gravidez, quando então ajuda a relaxar os ligamentos e tendões da pelve.

O aumento dos níveis de hCG no organismo estimula a produção adicional de estrogênio e progesterona.

Esse rápido aumento nos hormônios leva a sintomas precoces da gravidez, como náuseas, vômitos e necessidade de urinar com mais frequência.

Os níveis de estrogênio e progesterona continuam a aumentar durante o segundo trimestre da gravidez.

Neste momento, as células da placenta começarão a produzir uma hormona designada lactogênio placentário humano (HPL).

O HPL regula o metabolismo das mulheres e ajuda a nutrir o feto em crescimento.

Os níveis hormonais diminuem quando a gravidez termina e gradualmente retornam aos níveis pré-gestacionais.

Quando uma pessoa amamenta, pode diminuir os níveis de estrogênio no corpo, o que pode impedir a ovulação.

Perimenopausa e menopausa

Durante a perimenopausa – o período que leva à menopausa – a produção de hormônios nos ovários fica mais lenta.

Os níveis de estrogênio começam a flutuar enquanto os níveis de progesterona começam a ter um declínio constante.

À medida que os níveis hormonais caem, a vagina pode ficar menos lubrificada. Algumas pessoas experimentam uma diminuição da libido e o ciclo menstrual se torna irregular.

Quando se passa 12 meses sem menstruar é porque chegou a menopausa.

Por esta altura, tanto o estrogênio quanto a progesterona estão se mantendo estáveis ​​em níveis baixos.

Isso normalmente acontece por volta da idade de 50 anos. Mas, como em outras fases da vida, há grande variação nisso.

Hormonas diminuídos após a menopausa podem aumentar o risco de doenças como desbaste de ossos (osteoporose) e doenças cardiovasculares.

Desiquilíbrios das hormonas sexuais femininas

O equilíbrio hormonal é importante para a saúde em geral. Embora os níveis hormonais flutuem regularmente, os desequilíbrios a longo prazo podem levar ao número de sintomas e condições.

Sinais e sintomas de desequilíbrios hormonais podem incluir:

  • períodos irregulares
  • excesso de pêlos faciais e corporais
  • acne
  • secura vaginal
  • baixo desejo sexual
  • problemas gastrointestinais
  • ondas de calor
  • suor noturno
  • ganho de peso
  • fadiga
  • irritabilidade e alterações de humor irregulares
  • ansiedade
  • depressão
  • Dificuldade em dormir

Os desequilíbrios hormonais podem ser um sinal de uma condição de saúde subjacente. Eles também podem ser um efeito colateral de certos medicamentos. Por esse motivo, as pessoas que apresentam sintomas graves ou recorrentes de desequilíbrios hormonais devem falar com um médico.

Nas mulheres, as causas potenciais de desequilíbrios hormonais incluem:

  • síndrome dos ovários policísticos
  • insuficiência ovariana primária
  • controle de natalidade hormonal
  • terapia de reposição hormonal
  • excesso de peso corporal
  • cancro do ovário
  • estresse
Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.