O que é enfisema? sintomas, causas e tratamento

o que é enfisema?

Enfisema é uma condição pulmonar que causa falta de ar. Esta enfermidade faz parte das doenças pulmonares obstrutivas crônicas (DPOC).

Nesta doença, é possível ver danos graduais do tecido pulmonar, especificamente o afinamento e destruição dos alvéolos ou sacos aéreos.

Com o tempo, as paredes internas dos sacos de ar enfraquecem e rompem criando espaços aéreos maiores em vez de muitos pequenos.

danos dos pulmões na enfisema

Isso reduz a área de superfície dos pulmões e, por sua vez, a quantidade de oxigênio que atinge a corrente sanguínea.

A enfisema também pode ser evitável e tratável uma vez que, geralmente, é causadas por exposição significativa a partículas nocivas ou gases.

A maioria das pessoas com enfisema também têm bronquite crônica, que é uma inflamação dos tubos que transportam o ar para os pulmões (brônquios) e isso leva a uma tosse persistente.

Como uma DPOC, a enfisema afeta um grande número de pessoas em todo o mundo. Em 2016, a prevalência das DPOC´s alcançou 251 milhões de pessoas no mundo. Onde cerca de 90% das mortes por DPOC ocorrem em países de baixa e média renda (Como Moçambique). (1)

Sintomas da enfisema

Os principais sintomas da enfisema que aparecem na fase inicial são a falta de ar e a tosse crônica.

Isso pode começar apenas durante o esforço físico, mas à medida que a doença progride, ela pode começar a acontecer durante o repouso também.

Nos estágios posteriores, a pessoa pode ter:

  • infecções pulmonares frequentes
  • muito muco
  • chiado
  • redução do apetite e perda de peso
  • fadiga
  • lábios tingidos de azul ou leitos de unhas, ou cianose, devido à falta de oxigênio
  • ansiedade e depressão
  • problemas de sono
  • dores de cabeça de manhã devido à falta de oxigênio, quando a respiração à noite é difícil

Causas e patologia da enfisema

A principal causa de enfisema é a exposição a longo prazo a substâncias irritantes no ar, como os diferentes fumos, incluindo de tabaco e químicos e poeira.

Esta enfermidade também pode ser causada por uma deficiência hereditária da proteína alfa 1 – antitripsina, que protege as estruturas elásticas dos pulmões.

Na enfisema é possível observar um processo inflamatório, onde os macrófagos são ativados pela fumaça do cigarro e, por sua vez, recrutam neutrófilos e linfócitos CD8+.

patogênese da enfisema.
Figura 1 – Processos inflamatórios na enfisema. CXCR3 = receptor 3 de quimiocina CXC; EGF = fator de crescimento epidérmico; GROα = proteína alfa regulada pelo crescimento de quimiocinas; IP-10 = proteina induzida por IFN-gama; LTB4 = leucotrieno B4; Mig = monoquina induzida por IFN-gama; MMPs = metaloproteinases de matriz; PDGF = fator de crescimento derivado de plaquetas; TGF-β = fator de crescimento transformador-β. (Sharafkhaneh & Hanania, 2008)

Primeiro, os macrófagos são ativados e liberam os fatores quimiotáxicos dos neutrófilos, como o leucotrieno B4 e a interleucina-8.

Uma vez que os neutrófilos são recrutados, estes, juntamente com os macrófagos, liberam múltiplas proteinases e levam à hipersecreção de muco.

Da mesma forma, a fumaça do cigarro ativa o epitélio das vias aéreas para desencadear a remodelação das vias aéreas, onde a elastina tem um papel crucial.

A elastina é um componente importante da matriz extracelular necessária para manter a integridade do parênquima pulmonar e das pequenas vias aéreas.

O desequilíbrio da elastase / anti-elastase aumenta a suscetibilidade à destruição do pulmão, levando ao aumento do espaço aéreo.

Catepsinas e proteases derivadas de neutrófilos (isto é, elastase e proteinase) atuam contra a elastina e destroem o tecido conjuntivo do parênquima pulmonar.

Células T citotóxicas liberam TNF-a e perforinas que destroem as células epiteliais da parede alveolar.

Tratamento e complicações

Enfisema não pode ser curado, mas há uma série de tratamentos que aliviam os sintomas, facilitando a respiração. Estes tratamentos iincluem:

  • Broncodilatadores – essas drogas aliviam os sintomas relaxando os músculos dos pulmões e ampliando as vias aéreas. Estes podem incluir anticolinérgicos e os beta-agonistas.
  • Esteroides – que reduzem o inchaço e o muco nas vias respiratórias para que você possa respirar mais facilmente. Normalmente, você as respira com um inalador.
  • Mucolíticos
  • Antibióticos podem ser usados ​​para ajudar a combater infecções respiratórias comuns em pessoas com enfisema, como bronquite aguda, pneumonia e gripe.
  • Terapia proteica – infusões da proteína alfa-1 antitripsina pode ajudar a retardar os danos nos pulmões.
  • Oxigenoterapia
  • Cirurgias, que podem incluir redução do volume dos pulmões, remoção das bolhas dos pulmões, transplante dos pulmões

As pessoas que têm enfisema também são mais propensas a desenvolver:

  • Pulmão colapsado (pneumotórax);
  • Problemas cardíacos, como o aumento da pressão nas artérias que conectam o coração e os pulmões ( oucor pulmonale, na qual uma seção do coração se expande e enfraquece);
  • Grandes buracos nos pulmões (bolhas).

Referências

  1. Pahal P, Sharma S. Enfisema. [Atualizado em 2019, 23 de fevereiro]. Em: StatPearls [Internet]. Ilha do Tesouro (FL): Publicação StatPearls; 2019 jan-. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK482217/
  2. Mouronte-Roibás C, Fernández-Villar A, Ruano-Raviña A, et al. Influência do tipo de enfisema na relação entre DPOC e câncer de pulmão. Int J Chron Obstruct Pulmon Dis . 2018, 13: 3563-3570. Publicado em 2018 29 de outubro. Doi: 10.2147 / COPD.S178109
  3. Sharafkhaneh A, Hanania NA, Kim V. Pathogenesis of emphysema: from the bench to the bedside. Proc Am Thorac Soc. 2008;5(4):475–477. doi:10.1513/pats.200708-126ET
  4. Goldklang M, Stockley R. Pathophysiology of Emphysema and Implications. Chronic Obstr Pulm Dis. 2016;3(1):454–458. Published 2016 Jan 15. doi:10.15326/jcopdf.3.1.2015.0175
Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.