Testosterona: funções, deficiência e suplementos

testosterona

A testosterona é o principal hormônio masculino responsável pela regulação da diferenciação sexual, produzindo características sexuais masculinas, espermatogênese e fertilidade.

Os testículos são os órgãos responsáveis pela produção da testosterona. As mulheres também produzem testosterona, mas em quantidades muito menores do que nos homens.

Sobre este hormônio androgênico (masculino), acredita-se que ela regule, além do mencionado acima, várias funções juntamente com a produção de esperma. Esses incluem:

  • desejo sexual
  • massa óssea
  • distribuição de gordura
  • tamanho e força muscular
  • produção de glóbulos vermelhos

Sem quantidades adequadas do hormônio em questão, os homens se tornam inférteis. Isso ocorre porque a testosterona auxilia no desenvolvimento de espermatozoides maduros.

O cérebro e a hipófise controlam os níveis de testosterona. Uma vez produzido, o hormônio se move através do sangue para desempenhar suas várias funções importantes.

Controlo da testosterona (mecanismo)

Os efeitos deste hormônio androgênico são vistos pela primeira vez no feto. Durante as primeiras 6 semanas de desenvolvimento, os tecidos reprodutivos de masculinos e femininos são idênticos.

Por volta da semana 7 no útero, o SRY (gene relacionado ao sexo no cromossomo Y) inicia o desenvolvimento dos testículos. As células de Sertoli dos cordões testiculares (testículos fetais) acabam se desenvolvendo em túbulos seminíferos.

As células de Sertoli produzem uma substância inibidora mulleriana (MIS), que leva à regressão das trompas de falópio, do útero e do segmento superior da vagina (estruturas mullerianas normalmente presentes nas mulheres).

As células fetais de Leydig e as células endoteliais migram para a gônada e produzem testosterona, que suporta a diferenciação das estruturas do ducto de Wolff (ducto paramesonefrico) que se tornam o trato urogenital masculino.

A testosterona também é convertida em di-hidrotestosterona (DHT) na periferia e induz a formação da próstata e dos genitais externos masculinos.

Ela também é responsável pela descida testicular pelo canal inguinal, que ocorre nos últimos 2 meses de desenvolvimento fetal.

Quando um embrião não possui um cromossomo Y e, portanto, o gene SRY, os ovários se desenvolvem. Os ovários fetais não produzem quantidades adequadas de testosterona, portanto, os ductos wolffianos não se desenvolvem.

Também há ausência de MIS nesses indivíduos, levando ao desenvolvimento dos ductos mullerianos e estruturas reprodutivas femininas.

Na puberdade, o eixo hipotálamo-hipófise-gonadal tem um papel importante na regulação dos níveis deste hormônio e na função gonadal.

O hipotálamo secreta o GnRH, que viaja pelo sistema portal hipotálamo-hipofisário até a hipófise anterior, que secreta o hormônio luteinizante (LH) e o hormônio folículo estimulante (FSH)

LH e FSH são dois hormônios gonadotrópicos que viajam pelo sangue e atuam nos receptores das gônadas. O LH, em particular, atua nas células de Leydig para aumentar a produção de testosterona.

A testosterona limita sua própria secreção através de feedback negativo.

Ou seja, altos níveis no retorno do sangue ao hipotálamo para suprimir a secreção de GnRH e também no retorno à hipófise anterior, tornando-o menos responsivo aos estímulos do GnRH.

Durante a vida reprodutiva masculina, o hipotálamo libera GnRH em pulsos a cada 1 a 3 horas. Apesar dessa liberação pulsátil, os níveis plasmáticos médios de FSH e LH permanecem razoavelmente constantes desde o início da puberdade, onde os níveis aumentam, até a terceira década de vida, onde os níveis atingem o pico e lentamente começam a diminuir.

Antes da puberdade, os níveis de testosterona são baixos, refletindo a baixa secreção de GnRH e gonadotrofinas. Alterações na entrada neuronal do hipotálamo e atividade cerebral durante a puberdade causam um aumento dramático na secreção de GnRH.

As células de Leydig nos testículos funcionam para transformar o colesterol em testosterona. O LH regula a etapa inicial deste processo.

Dois intermediários importantes nesse processo são a dehidroepiandrosterona (DHEA) e a androstenediona. A androstenediona é convertida em testosterona pela enzima 17-beta-hidroxisteróide desidrogenase.

A maioria da testosterona está ligada a proteínas plasmáticas, como globulina de ligação a hormônios sexuais e albumina. Esse suprimento maioritário de testosterona ligada à proteína atua como um excedente de hormônio para o corpo.

As pequenas quantidades de testosterona livre no sangue atuam no nível dos tecidos, principalmente as vesículas seminais, ossos, músculos e próstata.

No nível celular, a testosterona é convertida em di-hidrotestosterona pela enzima 5-alfa-redutase. A testosterona e a di-hidrotestosterona podem se ligar aos receptores celulares e regular a expressão da proteína.

Homens e mulheres também produzem andrógenos de ação fraca na zona reticular das glândulas supra-renais. Esses andrógenos de ação fraca são conhecidos como desidroepiandrosterona e androstenediona.

Eles se ligam a receptores de testosterona com afinidade mais fraca, mas também podem ser convertidos em testosterona nos tecidos periféricos, se produzidos em grandes quantidades.

“Patologias” relacionadas a testosterona?

Por muitas razões, este hormônio adrenérgico pode se tornar – e permanecer – muito baixa. Menos frequentemente, os níveis dela podem se tornar muito altos.

Quando esse hormônio não está em equilíbrio, podem ocorrer problemas de saúde.

Níveis baixos

Os sintomas iniciais e sinais de baixa testosterona nos homens incluem:

  • Uma queda no desejo sexual
  • Ereções pobres
  • Baixa contagem de espermatozóides
  • Seios aumentados ou sensíveis
  • Mais tarde, baixa testosterona pode levar à diminuição da força muscular e óssea, menos energia e menor fertilidade.

Algumas coisas podem diminuir temporariamente os níveis deste hormônio, por exemplo, muito exercício, má nutrição ou doença grave. Viver um estilo de vida saudável com exercícios regulares e uma boa dieta ajuda a manter os níveis normais de testosterona.

Baixa testosterona crônica ou em andamento pode levar a osteoporose, alterações de humor, energia reduzida e retração testicular.

As causas podem incluir:

  • lesão testicular, como castração
  • infecção dos testículos
  • medicamentos, como analgésicos opiáceos
  • distúrbios que afetam os hormônios, como tumores da hipófise ou altos níveis de prolactina
  • doenças crônicas, incluindo diabetes tipo 2, doenças renais e hepáticas, obesidade e HIV / SIDA
  • doenças genéticas, como síndrome de Klinefelter, síndrome de Prader-Willi , hemocromatose , síndrome de Kallman e distrofia miotônica

Altos níveis

Quando os níveis da testosterona estão acima do normal, pode começar a puberdade muito cedo (antes dos 9 anos). Algumas condições raras, como certos tipos de tumores, fazem com que os meninos produzam testosterona mais cedo do que o normal.

Rapazes também podem ter muita testosterona se tocarem em gel de testosterona que um homem adulto está usando para tratamento.

Nas mulheres, no entanto, altos níveis de testosterona podem levar à calvície masculina, voz profunda e irregularidades menstruais, bem como:

  • crescimento e inchaço do clitóris
  • mudanças na forma do corpo
  • redução no tamanho do peito
  • pele oleosa
  • acne
  • crescimento de pêlos faciais ao redor do corpo, lábios e queixo

Estudos recentes também associaram altos níveis de testosterona em mulheres ao risco de miomas uterinos .

Desequilíbrios de testosterona podem ser detectados com um exame de sangue e tratados adequadamente.

Suplementos de testosterona

Um tipo de suplemento de testosterona, a metiltestosterona, recebeu aprovação da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos. No entanto, as diretrizes aconselham os médicos a não prescreverem este suplemento devido à velocidade com que o fígado metaboliza o hormônio, que pode levar à toxicidade do fígado.

Até que evidências mais fortes estejam disponíveis para apoiar os benefícios e a segurança dessa suplementação, apenas idosos com sintomas clínicos graves de baixa testosterona devem ser candidatos.

O FDA aconselhou que estes suplementos não são adequados para tratar o hipogonadismo de início tardio, e um médico deve prescrevê-los apenas por uma causa identificável.

Terapia de reposição

A terapia de reposição de testosterona (TRT) pode ajudar a restaurar algumas funções afetadas pelos baixos níveis do hormônio.

Estudos demonstraram que o TRT afeta principalmente a força óssea e os níveis de hemoglobina no sangue, mas não a nitidez mental.

O tratamento pode ser administrado por:

  • geles e adesivos para a pele
  • injeções
  • comprimidos que são absorvidos pelas gengivas

Estes podem, no entanto, desencadear efeitos colaterais, incluindo:

  • aumento da contagem de glóbulos vermelhos
  • aumento da próstata e mama
  • acne
  • em casos raros, dificuldades respiratórias durante o sono
  • risco aumentado de doença cardiovascular, embora isso esteja sujeito a debate

Decidir seguir um curso de TRT envolve decidir entre o benefício percebido da terapia sobre os sintomas de um indivíduo em particular e os riscos do tratamento.

Um estudo, por exemplo, sugere que a TRT oferece benefícios extras para a mortalidade geral e o AVC para homens cujos níveis de testosterona se normalizaram com a TRT.

No entanto, a Sociedade Endócrina recomenda que os médicos não prescrevam TRT para homens com menos de 65 anos, mesmo se eles tiverem baixos níveis de testosterona. Os riscos e benefícios sugeridos do TRT para homens mais jovens não são claros, assim como os benefícios.

Referências

  1. Bain, Jerald. “The many faces of testosterone.” Clinical interventions in aging vol. 2,4 (2007): 567-76. doi:10.2147/cia.s1417.
  2. Nassar GN, Raudales F, Leslie SW. Physiology, Testosterone. [Updated 2019 Nov 24]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK526128/

Comente aqui