Câncer do colo do útero: causas, sintomas e tratamento

cancer do colo do útero

O câncer do colo do útero começa no colo do útero da mulher, que é a parte mais estreita e estreita do útero. O útero mantém o feto em crescimento durante a gravidez. O colo do útero liga a parte inferior do útero à vagina e, com a vagina, forma o canal do parto.

O câncer do colo do útero começa quando as células saudáveis ​​na superfície do colo do útero mudam e crescem fora de controle, formando uma massa chamada tumor.

Um tumor pode ser canceroso ou benigno. Um tumor canceroso é maligno, o que significa que pode se espalhar para outras partes do corpo. Um tumor benigno significa que o tumor não se espalhará.

Início (causas) do câncer do colo do útero

Conheça um remédio antitumoral que pode causar câncer. LEIA AQUI

No início, as alterações em uma célula são anormais, não cancerosas.

Pesquisadores acreditam, no entanto, que algumas dessas mudanças anormais são o primeiro passo em uma série de mudanças lentas que podem levar ao câncer.

Algumas das células anormais desaparecem sem tratamento, mas outras podem se tornar cancerosas. Esta fase da doença é chamada displasia, que é um crescimento anormal das células.

As células anormais, às vezes chamadas de tecido pré-canceroso, precisam ser removidas para evitar o desenvolvimento do câncer.

Se as células pré-cancerosas se transformam em células cancerígenas e se espalharem mais profundamente no colo do útero ou em outros tecidos e órgãos, então a doença é chamada de câncer do colo do útero.

Fatores de risco

  • Infecção por papilomavírus humano (HPV).
  • Deficiência do sistema imunológico. Um sistema imunológico diminuído pode ser causado por imunossupressão de medicamentos corticosteróides, transplante de órgãos, tratamentos para outros tipos de câncer ou pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV).
  • Herpes. As mulheres que têm herpes genital têm maior risco de desenvolver câncer do colo do útero.
  • Fumar
  • Idade. Meninas com menos de 15 anos raramente desenvolvem câncer cervical. O risco aumenta entre o final da adolescência e meados dos 30 anos. As mulheres com mais de 40 anos continuam em risco e precisam continuar a fazer exames regulares do câncer do colo do útero, que incluem tanto o teste de Papanicolau quanto o teste de HPV.
  • Fatores socioeconômicos. O câncer do colo do útero é mais comum entre os grupos de mulheres com menor probabilidade de ter acesso ao rastreamento do câncer do colo do útero. Essas populações são mais propensas a incluir mulheres negras, mulheres hispânicas e mulheres indianas americanas.
  • Contraceptivos orais. Algumas pesquisas sugerem que contraceptivos orais, que são pílulas anticoncepcionais, podem estar associados a um aumento no risco de câncer do colo do útero.
  • Exposição ao dietilestilbestrol (DES). As mulheres cujas mães receberam este medicamento durante a gravidez para evitar aborto têm um risco aumentado de desenvolver um tipo raro de câncer do colo do útero ou da vagina.

Tipos de câncer do colo uterino

Conheça os diferentes tipos de cânceres, no geral. Clique aqui

Existem dois tipos principais de câncer do colo do útero, nomeado para o tipo de célula onde o câncer começou. Outros tipos de câncer do colo do útero são raros.

  • O carcinoma de células escamosas representa cerca de 80% a 90% de todos os cânceres cervicais. Esses cânceres surgem nas células da superfície externa do colo do útero.
  • O adenocarcinoma constitui 10% a 20% de todos os cânceres cervicais. Esses cânceres surgem nas células glandulares que revestem o canal de nascimento inferior.

As células escamosas e glandulares se encontram na abertura do colo do útero na “junção escamo-colunar”, que é o local no qual a maioria dos cânceres cervicais surgem.

Sinais e sintomas do câncer

A maioria das mulheres não apresenta sinais ou sintomas de pré-câncer. Em muitas mulheres com câncer de colo do útero em estágio inicial, os sintomas são tipicamente vistos.

Em mulheres com câncer avançado e metastático, os sintomas podem ser mais graves, dependendo dos tecidos e órgãos aos quais a doença se espalhou.

A causa de um sintoma pode ser uma condição médica diferente que não é câncer, e é por isso que as mulheres precisam procurar atendimento médico se tiverem um novo sintoma que não desaparece.

Qualquer um dos seguintes pode ser sinais ou sintomas de câncer:

  • Manchas de sangue ou sangramento leve entre ou após períodos
  • Sangramento menstrual que é mais longo e mais pesado que o normal
  • Sangramento após intercurso, ducha ou exame pélvico
  • Corrimento vaginal aumentado
  • Sangramento após a menopausa
  • Dor pélvica e / ou nas costas inexplicada e persistente

Qualquer um desses sintomas deve ser relatado ao seu médico. Se esses sintomas aparecerem, é importante conversar com seu médico sobre eles, mesmo que pareçam ser sintomas de outras condições menos graves.

Quanto mais cedo as células pré-cancerosas ou câncer for encontrado e tratado, maior a chance de que o câncer possa ser prevenido ou curado.

Tratamento do câncer

O tratamento do câncer do colo do útero depende de vários fatores, incluindo o tipo e o estágio do câncer, os possíveis efeitos colaterais e as preferências da mulher e a saúde geral.

Seu plano de cuidados também pode incluir tratamento para sintomas e efeitos colaterais, uma parte importante do tratamento do câncer.

Passamos a citar algumas formas de tratamento:

  • Cirurgia. A cirurgia é a remoção do tumor e alguns tecidos saudáveis ​​circundantes durante uma operação.
  • Radioterapia. A radioterapia é o uso de raios X de alta energia ou outras partículas para destruir as células cancerígenas. O tipo mais comum de tratamento de radiação é chamado de radioterapia de feixe externo, que é a radiação dada por uma máquina fora do corpo.
  • Quimioterapia. A quimioterapia é o uso de drogas para destruir as células cancerígenas, geralmente acabando com a capacidade de crescimento e divisão das células cancerígenas. Para os estágios iniciais do câncer do colo do útero, uma combinação de radioterapia e quimioterapia de baixa dose é frequentemente usada.

Conheça um nova droga que promete tratar vários tipos de cânnceres. LEIA Clicando AQUI

As mulheres com câncer cervical podem ter dúvidas sobre se ou como seu tratamento pode afetar sua função sexual e a capacidade de ter filhos, chamada fertilidade, e esses tópicos devem ser discutidos com a equipe de saúde antes do início do tratamento.

Uma mulher que está grávida deve conversar com seu médico sobre como os tratamentos podem afetar tanto ela quanto o feto. O tratamento pode ser adiado até depois do nascimento do bebê.