Os probióticos podem tratar a obesidade?

Saúde
Visitas: 69

Os probióticos tem sido analisados e propostos como um dos meios que podem tratar a obesidade. Neste artigo iremos discutir sobre as descobertas de de um artigo publicado recentemente na Nature.

Os probióticos eram classicamente definidos como suplementos alimentares à base de microrganismos vivos, que afetam beneficamente o animal hospedeiro, promovendo o balanço de sua microbiota intestinal.

Entretanto, a definição atualmente aceita internacionalmente é que eles são microrganismos vivos, administrados em quantidades adequadas, que conferem benefícios à saúde do hospedeiro.

A influência benéfica dos probióticos sobre a microbiota intestinal humana inclui fatores como efeitos antagônicos, competição e efeitos imunológicos, resultando em um aumento da resistência contra patógenos.

Bactérias (probióticos) que combatem a gordura

A obesidade é um problema de proporções epidêmicas no mundo. De acordo com os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), 13% dos adultos em todo o mundo agora têm obesidade.

A obesidade está associada a uma série de doenças físicas, incluindo diabetes, doenças cardíacas e certos tipos de câncer. Também existem possíveis efeitos na saúde mental relacionados à perda de mobilidade e, em alguns casos, isolamento social e menor capacidade de trabalho.

Um estudo liderado por pesquisadores da Arizona State University analisou o papel do microbioma – a comunidade de bactérias que vivem no corpo ou no corpo – na obesidade.

As bactérias são críticas para uma série de funções corporais essenciais, incluindo a regulação do metabolismo. As bactérias no intestino produzem metabólitos, alguns dos quais desempenham um papel na quebra dos alimentos, ajudando potencialmente a controlar o peso corporal.

A pesquisa mostrou que pessoas com obesidade têm uma menor diversidade de micróbios no intestino. O microbioma, portanto, parece ser um fator para determinar quem tem e não tem obesidade.

A cirurgia do bypass gástrico

Para pessoas que não conseguem perder peso apenas com dieta e exercícios e cuja saúde está em risco devido ao seu peso, estão disponíveis opções cirúrgicas.

Uma dessas medidas, a cirurgia de bypass gástrico (também conhecida como cirurgia de Roux-en-Y), também altera a composição de bactérias no intestino.

Com esse conhecimento em mãos, os pesquisadores responsáveis ​​pelo estudo investigaram como e quando o microbioma muda após a cirurgia de bypass gástrico e o que isso pode significar em como as pessoas quebrariam os alimentos que consomem.

Os pesquisadores caracterizaram as comunidades microbianas em nove pessoas com obesidade severa antes da cirurgia de bypass gástrico, bem como 6 meses e um ano após o procedimento.

Além de comparar as comunidades microbianas nesses períodos, os pesquisadores também as compararam com as comunidades presentes em 10 indivíduos controle e em uma coorte de 24 pessoas submetidas à cirurgia 13 a 60 meses antes.

Micróbios e metabolismo

Como esperado, todos os participantes perderam peso após a cirurgia. No entanto, os pesquisadores também encontraram alterações em seus microbiomas, que eles avaliaram em dois locais: a mucosa retal (o revestimento do reto) e as fezes.

A maioria dos estudos anteriores se baseou em grande parte nos últimos porque a amostragem das superfícies mucosas é muito mais desafiadora e invasiva. Este estudo, portanto, representa um importante passo adiante.

A membrana mucosa é um local criticamente importante para interações micróbio hospedeiro. Entendemos que, com a amostragem fecal, tínhamos uma imagem sub-representada de como as comunidades mucosas interagem ativamente com o sistema imunológico do hospedeiro e as células epiteliais.

Zehra Esra Ilhan, Ph.D. autor principal

Os pesquisadores encontraram mudanças significativas nas duas comunidades. As alterações no microbioma fecal foram mais pronunciadas, ocorreram dentro de 6 meses após a cirurgia e duraram a longo prazo.

As alterações do microbioma também foram associadas à fermentação alterada dos alimentos, incluindo alterações na decomposição de gorduras e ácidos biliares – os quais estão associados a um metabolismo aprimorado.

“Nossas descobertas destacam a importância de alterações nos microbiomas das mucosas e fecais que se refletem no metabolismo intestinal após a cirurgia”, diz Ilhan.

Um probiótico poderia substituir a cirurgia para tratar a obesidade?

Este estudo lança uma nova luz sobre os mecanismos pelos quais a cirurgia de bypass gástrico pode causar perda de peso, além de restrição gástrica e sensação de saciedade logo após a ingestão.

Também poderia levar a alternativas ao procedimento, que é invasivo, caro e nem sempre bem-sucedido a longo prazo.

Algumas pessoas recuperam o peso que perderam após a cirurgia, o que os autores do estudo sugerem que poderia ser porque seu microbioma não é propício à perda permanente de peso. Eles observam que algumas pessoas podem “não ter os micróbios favoráveis ​​necessários para a perda permanente de peso”.

“Compreender o comportamento microbiano no intestino pode levar à criação de um probiótico que substitua a cirurgia – ou um indicador melhorado para identificar os melhores candidatos à cirurgia e sustentada perda de peso”.

Embora essa seja uma perspectiva muito interessante, é importante lembrar que este estudo utilizou um pequeno tamanho de amostra.

Estudos mais extensos são necessários para confirmar os resultados desta pesquisa e testar mais a idéia de que o microbioma suporta a perda de peso.

Créditos: Medical News Today

Referências

  1. SAAD, Susana Marta Isay. Probióticos e prebióticos: o estado da arte. Rev. Bras. Cienc. Farm. [online]. 2006, vol.42, n.1 [cited 2020-03-25], pp.1-16. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-93322006000100002&lng=en&nrm=iso. ISSN 1516-9332. https://doi.org/10.1590/S1516-93322006000100002
  2. Ilhan, Z.E., DiBaise, J.K., Dautel, S.E. et al. Temporospatial shifts in the human gut microbiome and metabolome after gastric bypass surgery. npj Biofilms Microbiomes 6, 12 (2020). https://doi.org/10.1038/s41522-020-0122-5

Você Irá Gostar

Doença celíaca: sintomas, causas e tratamento
Coronavírus não está sofrendo mutação rápida
Menu

newsletter augusto bene