Colite ulcerativa: sintomas, causas e tratamento

Colite ulcerativa é uma doença inflamatória intestinal crônica caracterizada por diarreia sangrenta, dor abdominal, urgência e tenesmos. Geralmente esses sintomas advêm da inflamação e úlceras duradouras (feridas) no trato digestivo.

A colite ulcerativa afeta o revestimento mais íntimo do intestino grosso (cólon) e do reto. Os sintomas geralmente se desenvolvem ao longo do tempo, em vez de de repente.

A enfermidade pode ser debilitante e às vezes pode levar a complicações fatais. Embora não tenha cura conhecida, o tratamento pode reduzir muito os sinais e sintomas da doença e até mesmo provocar remissão a longo prazo.

A colite ulcerativa é mais comum ´no mundo inteiro comparativamente a doença de Crohn. Ambas as doenças são mais comuns no mundo industrializado, particularmente na América do Norte e na Europa Ocidental, embora a incidência esteja aumentando na Ásia.

A incidência geral é relatada como 1,2 a 20,3 casos por 100.000 pessoas por ano, com prevalência de 7,6 a 245 casos por 100.000 por ano. Adicionalmente, a patogênese exata da colite ulcerativa é desconhecida, embora existam uma série de fatores genéticos e ambientais que foram encontrados para aumentar o risco da doença.

Sintomas da colite ulcerativa

  1. Diarreia, muitas vezes com sangue ou pus
  2. Dor abdominal e cólicas
  3. Dor retal
  4. Sangramento retal — passando pequena quantidade de sangue com fezes
  5. Urgência para defecar
  6. Incapacidade de defecar apesar da urgência
  7. Perda de peso
  8. Fadiga
  9. Febre
  10. Em crianças, crescimento deficiente

A maioria das pessoas com colite ulcerativa tem sintomas leves a moderados. Portanto, o curso da colite ulcerativa pode variar, com algumas pessoas tendo longos períodos de remissão.

Tipos

  • Protite ulcerativa. A inflamação está confinada à área mais próxima do ânus (reto), e o sangramento retal pode ser o único sinal da doença. Esta forma de colite tende a ser a mais leve.
  • Proctosigmoidite. A inflamação envolve o reto e o cólon sigmoide (extremidade inferior do cólon). Os sinais e sintomas incluem diarreia ensanguentada, cólicas abdominais e dor, e uma incapacidade de mover os intestinos, apesar da necessidade de fazê-lo (tenesmo).
  • Colite do lado esquerdo. A inflamação se estende do reto até o sigmoide e o cólon descendente. Os sinais e sintomas incluem diarreia sangrenta, cólicas abdominais e dor no lado esquerdo, e perda de peso não intencional.
  • Pancolitis. A pancolite frequentemente afeta todo o cólon e causa ataques de diarreia sangrenta que podem ser graves, cólicas abdominais e dor, fadiga e perda significativa de peso.
  • Colite ulcerativa aguda. Esta forma rara de colite afeta todo o cólon e causa dor intensa, diarreia profusa, sangramento, febre e incapacidade de comer.

Colite Ulcerativa vs. Doença de Crohn

Colite ulcerativa e doença de Crohn compartilham sintomas semelhantes, mas não são a mesma doença e afetam diferentes áreas do trato GI.

  1. Doença de Crohn. Pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal da boca ao ânus. Pode afetar toda a espessura da parede intestinal
  2. Colite ulcerativa. Apenas o cólon e o reto (também conhecido como intestino grosso) são afetados
    Afeta o revestimento interno do intestino grosso.

Lembramos de que o intestino grosso é a parte final do tubo digestivo e divide-se em três partes: ceco, cólon e reto. O reto faz a comunicação do cólon com o ambiente exterior por meio do ânus. Contudo, sua função é acumular as fezes, para a absorção final de água e parte dos nutrientes.

O reto possui uma dilatação chamada ampola retal que acumula as fezes, iniciando o processo de defecação. As fezes saem pelo ânus, que tem um músculo em forma de anel chamado esfíncter anal.

 

Causas da colite ulcerativa

A colite ulcerativa é o resultado de vários fatores que ainda não são bem compreendidos. Por isso, resposta imune anormal, genética, microbioma e fatores ambientais contribuem para a doença.

Pesquisas sugerem que ela pode ser desencadeada por uma interação entre um vírus ou infecção bacteriana no cólon e a resposta imune do corpo.

Normalmente, as células e proteínas que compõem seu sistema imunológico protegem você de infecções. Todavia, uma resposta imune normal causaria inflamação temporária para combater uma doença ou infecção. A inflamação iria embora quando o individuo estiver saudável e livre da doença.

Em pacientes com colite ulcerativa, a inflamação persiste muito tempo depois que o sistema imunológico deveria ter terminado seu trabalho. Portanto, o corpo continua enviando glóbulos brancos para o revestimento dos intestinos, onde produzem inflamação crônica e úlceras.

Você pode gostar também de:

Tratamento

A gravidade da doença e a preferência do paciente ditam as opções de tratamento adequadas da colite ulcerativa. No entanto, a estratégia inicial de tratamento normalmente segue a abordagem tradicional de intensificação.

Em casos de doença leve a moderada, 5-aminosalycilates (5-ASAs) são o tratamento de escolha.  As 5-ASAs podem ser administrados oralmente, retificadamente ou em combinação. A combinação oral e retal de 5-ASA é mais eficaz.

Quando os sintomas persistem apesar da terapia, a remissão pode ser induzida com corticosteroides seguidos de pacientes em transição para agentes poupadores de esteroides, tipicamente uma tiapurina e/ou um fator de necrose anti-tumor (TNF).

Pacientes que apresentam sintomas moderados a graves são frequentemente tratados com corticosteroides para induzir a remissão seguida de uma tiopurina para manter a remissão. Portanto, as terapias anti-TNF podem ser usadas para induzir e manter a remissão nos pacientes que têm uma contraindicação aos corticosteroides, naqueles em que a terapia corticosteroide oral está falhando, naqueles em que a terapia de tiopurina falhou, ou em vez de tiopurinas.

Dados recentes sugerem que a combinação de infliximab e azathioprine é mais eficaz do que qualquer agente sozinho. Em maio de 2014, o vedolizumabe foi aprovado para tratar colite ulcerativa moderada a grave (UC) uma vez que a terapia padrão (prednisona, tiapurina ou anti-TNF) falhou. No entanto, é muito cedo para saber onde ele será usado no paradigma do tratamento. Precocemente, é provável que seja usado para pacientes com perda primária ou secundária de resposta ou intolerância ao anti-TNF.

Pacientes com colite fulminante grave requerem internação para monitoramento e tratamento próximos com esteroides intravenosos (IV). Da mesma forma, pacientes que continuam a ter sintomas moderados a graves, apesar do tratamento com prednisona oral, devem ser hospitalizados para um teste de esteroides intravenosos.

Considerações sobre o tratamento

O objetivo da terapia médica é induzir e manter a remissão clínica, prevenir complicações e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Recentemente, houve muito interesse em alcançar a remissão clínica e endoscópica (remissão profunda). Há alguns dados interessantes, mas preliminares, que sugerem que a cura endoscópica está associada a um risco reduzido de erupção e colectomia.

Complicações da colite ulcerativa

  • Sangramento severo
  • cólon perfurado
  • Desidratação severa
  • Doença hepática (rara)
  • Perda óssea (osteoporose)
  • Inflamação de pele, articulações e olhos
  • Risco aumentado de câncer de cólon
  • Cólon de inchaço rápido (megacólon tóxico)
  • Risco aumentado de coágulos sanguíneos em veias e artérias

Entenda mais sobre: aqui.

Marcações: