Shigelose (Shigella sp): sintomas, tratamento e prevenção

Shigelose é uma infecção bacteriana que afeta o sistema digestivo. O seu principal sintoma é a diarreia. A shigelose é causada por um grupo de bactérias chamada Shigella. Portanto, a bactéria pode ser espalhada (disseminada) através de água e alimentos contaminados ou através do contato com fezes contaminadas. As bactérias libertam toxinas que irritam os intestinos.

Shigella é um tipo de bactérias do tipo Gram-negativo, anaeróbico facultativo, não-formador de esporos, não cultural, em forma de haste. Entretanto, ela é genética e intimamente relacionado com E. coli. Existem 4 sorotipos:

  • A: Shigella dysenteriae (12 sorotipos)
  • B: Shigella flexneri (6 sorotipos)
  • C: Shigella boydii (23 sorotipos)
  • D: Shigella soneii (1 sorotipo)

A incidência da infeção é relatada como sendo de 188 milhões de casos por ano, com aproximadamente 1 milhão de mortes por ano. Portanto, em países desenvolvidos, a incidência chega a ser de 1,5 milhão de casos por ano.

O sorotipo responsável por causar principalmente doenças nos países em desenvolvimento é o S. flexneri. É mais comum em crianças.

A Shigella é a causa mais comum de doença diarreia em crianças menores de 5 anos na África saariana e no sul da Ásia. Contudo, não há predominância de gênero e predileção racial por shigelose.

Sintomas da infeção por Shigella

Pessoas doentes devido a infecção por Shigella geralmente começam a sentir sintomas de 1 a 2 dias após o contato com a bactéria. Os sintomas da shigelose incluem:

  • Diarreia (às vezes sangrenta)
  • Febre
  • Dor de estômago
  • Necessidade de defecar embora não tenha comida nada ou quando as entranhas estiverem vazias

Algumas pessoas não desenvolvem sintomas. Entretanto, os sintomas geralmente duram de 5 a 7 dias, mas algumas pessoas podem experimentar sintomas a qualquer momento entre alguns dias a 4 ou mais semanas.

Noutros casos, pode levar vários meses até que os hábitos intestinais (por exemplo, quantas vezes alguém passe nas fezes e a consistência de suas fezes) sejam totalmente normais.

Transmissão da shigelose

Geralmente o ciclo de transmissão da shigelose é fecal-oral, transmitida pela água ou por alimentos. No entanto, também pode ser transmitida sexualmente especialmente em homens que fazem sexo com homens ou por moscas.

Os humanos são o único reservatório natural para Shigella. Entretanto, o número de microrganismos necessários para causar a doença é geralmente de 10 a 200.

Neste sentido, uma vez ingerida, Shigella entra no intestino delgado e se multiplica e entra no intestino grosso. Por conseguinte, a Shigella causa lesões celulares e complicações resultantes pela invasão direta da mucosa cólon e produção de enterotoxinas.

No intestino grosso, ele invade o epitélio resultando na liberação de citocinas inflamatórias como IL-1 e IL-18 que provocam inflamação intestinal e posterior ativação do sistema imunológico inato. No entanto, à medida que Shigella invade as células epiteliais, ativa o fator nuclear (kappa B) nas células causando a produção de IL-8 que estimula o recrutamento de neutrófilos no local causando mais inflamação e danos epiteliais.

Outro mecanismo para lesão celular por Shigella é através da produção de enterotoxina 1 e 2 que desempenha um papel na absorção de fluidos e nutrientes. O sorotipo 1 da citotoxina Shigella dysenteriae é responsável pela citotoxicidade e lesões vasculares no cólon e em outros órgãos, como rins causando diarreia sangrenta e complicações como síndrome hemolítica uremica.

Como se prevenir da Shigella?

Não há vacina para prevenir shigelose. No entanto, é possível reduzir a chance de adoecer, fazendo o seguinte:

  • Lavar cuidadosamente as mãos com água e sabão, antes de comer ou preparar alimentos, depois de trocar uma fralda;
  • Jogue fora fraldas sujas em uma lata de lixo coberta e forrada.
  • Limpe imediatamente os vazamentos ou derramamentos de conteúdo de fraldas.
  • Evite beber água de lagoas, lagos ou piscinas não tratadas.
  • Ao viajar internacionalmente, siga as orientações seguras de alimentos e água e lave as mãos muitas vezes com água e sabão.
  • Evite atividades sexuais com pessoas com diarreia ou que recentemente (várias semanas) se recuperaram da shigelose.

Tratamento

Geralmente o tratamento da shigelose é feito com a intensão de hidratação e controlo de eletrólitos. Portanto, a reidratação oral pode ser adequada em muitos casos.

Medicamentos que reduzem a motilidade intestinal como loperamida não são recomendadas, porque podem prolongar a infecção. Por outro lado, a administração de antibiótico pode ser indispensável e geralmente utilizado com base na idade.

Um teste de sensibilidade antibióticos é altamente recomendado para evitar uma possível resistência antimicrobiana.

Tratamento da shigelose em adultos

Em adultos, a escolha de antibióticos baseia-se na demografia e resistência regional. A fluoroquinolone é recomendada para pacientes sem fatores de risco para resistência, enquanto uma cefalosporina de terceira geração é recomendada em pacientes de alto risco, incluindo viajantes internacionais, pacientes infectados pelo HIV e homosexuais.

Os antibióticos devem ser alterados uma vez que o resultado da suscetibilidade esteja disponível. Cefalosporina de segunda geração, bem como ampicillina e trimetoprim-sulfametoxazol também podem ser usados para o tratamento da infecção por Shigella se a suscetibilidade for documentada.

Tratamento em crianças

O medicamento de primeira linha é azitromicina se a suscetibilidade a antibióticos for desconhecida. Cefixime e ceftibuten também podem ser usados como primeira linha para tratar shigelose, se houver resistência generalizada a antibióticos comumente usados.

O regime alternativo inclui pivmecillinam, uma penicilina de espectro estendido é eficaz na diminuição da duração da diarreia e erradicação de organismos shigella nas fezes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.