Doença inflamatória intestinal: sintomas, causas e tratamento

ApesaDoença inflamatória intestinal (DII) é um termo geral para duas condições clínicas: a doença de Crohn e a colite ulcerativa. Ela é caracterizadas por inflamação crônica do trato gastrointestinal.

  • Colite ulcerativa. Essa condição causa inflamação duradoura e úlceras no revestimento interno do intestino grosso (cólon) e reto.
  • Doença de Crohn. Esse tipo de DII é caracterizado pela inflamação do revestimento do trato digestivo, que geralmente se espalha profundamente pelos tecidos afetados.

Tanto a colite ulcerosa quanto a doença de Crohn geralmente envolvem diarréia intensa, dor abdominal, fadiga e perda de peso.

A Doença inflamatória intestinal é muito mais prevalente na América do Norte e Europa do que na Ásia ou na África. No entanto, embora a maioria das DII ocorra em pessoas de 15 a 30 anos, até 25% dos pacientes desenvolverão DII na adolescência.

Parece haver uma distribuição bimodal com um segundo pico de 10% a 15% desenvolvendo doença inflamatória intestinal após os 60 anos.

A doença de Crohn é um pouco mais comum em mulheres do que em homens, mas a colite ulcerosa parece estar igualmente presente em ambos os sexos. A DII é geralmente uma desordem nos países desenvolvidos e em climas mais frios.

Sintomas da doença inflamatória intestinal

Os sintomas da doença inflamatória intestinal variam, dependendo da gravidade da inflamação e de onde ela ocorre. Os sintomas podem variar de leve a grave. É provável que você tenha períodos de doença ativa seguidos por períodos de remissão.

Os sinais e sintomas comuns à doença de Crohn e à colite ulcerosa incluem:

  • Diarréia
  • Febre
  • Fadiga
  • Dor abdominal
  • Sangue nas fezes
  • Apetite reduzido
  • Perda de peso não intencional

Nem todo mundo apresenta todos esses sintomas, algumas pessoas podem ter sintomas extras, incluindo alta temperatura, vômito e anemia .

Artrite, olhos vermelhos dolorosos (uveíte), inchaços dolorosos na pele vermelha (eritema nodoso) e icterícia (colangite esclerosante primária) são menos comumente relacionados à DII.

Os sintomas da doença inflamatória intestinal podem ir e vir. Entretanto, pode haver momentos em que os sintomas sejam graves (uma crise), seguidos de longos períodos em que haja poucos ou nenhum sintoma (remissão).

O alcance e a gravidade dos sintomas podem variar dependendo de onde a inflamação ocorre. Contudo, as pessoas que vivem com DII geralmente experimentam períodos de remissão entre os períodos de doença ativa.

Pobre dieta e estresse eram anteriormente considerados uma das causas imediatas da DII. No entanto, acredita-se agora que, embora dieta e estresse possam agravar ou piorar a DII, eles não são fatores causais.

Causas

A causa exata da doença inflamatória intestinal permanece desconhecida. Anteriormente, suspeitava-se de dieta e estresse, mas agora os médicos sabem que esses fatores podem agravar, mas não causam DII.

Uma causa possível é um mau funcionamento do sistema imunológico. O epitélio intestinal impede a entrada de bactérias ou antígenos na circulação por junções intercelulares seladas. Na DII, essas junções estão com defeito devido a uma falha na função da barreira primária ou como resultado de inflamação grave. Mecanismos de proteção adicionais incluem a produção de muco pelas células caliciformes e a secreção de defensinas alfa* pelas células Paneth com atividade antimicrobiana intrínseca. Reações inflamatórias excessivas levam à deterioração contínua do epitélio e maior exposição aos micróbios intestinais, agravando a piora da inflamação.

*As defensinas alfa são peptídeos microbicidas catiônicos, ativos contra muitas bactérias gram-negativas e gram-positivas, fungos e vírus envolvidos, ver na wikipédia.

Na colite ulcerosa, há sempre inflamação da mucosa que leva a edema, úlceras, sangramento e perda de eletrólitos. A inflamação na colite ulcerosa geralmente começa no reto e progride de forma ininterrupta para o cólon proximal. Por outro lado, na doença de Crohn, existem lesões puladas. Em quase 20% dos pacientes com coline ulcerosa, a doença permanece confinada ao reto.

A hereditariedade também parece ter um papel, pois a DII é mais comum em pessoas que têm familiares com a doença. No entanto, a maioria das pessoas com DII não tem esse histórico familiar.

Doença inflamatória intestinal na gravidez

De um quarto à metade dos pacientes com doença inflamatória intestinal têm menos de 35 anos de idade quando diagnosticados ou engravidam após receberem esse diagnóstico.

Quando a DII está ativa antes e durante a gravidez, é mais provável que ocorram várias complicações, como:

  • Taxas de aborto de até 35%
  • Trabalho de parto prematuro e parto prematuro (embora geralmente após 35 semanas)
  • Baixo peso de nascimento
  • Bebês pequenos para a idade gestacional
  • Maior risco de parto cesariano, talvez devido à possibilidade de doença perianal, fístulas ou enterostomias
  • Risco de doença tromboembólica venosa (veja tromboembolismo pulmonar)
  • Risco de desnutrição protéico-calórica
  • Necessidade de transfusão de sangue durante o parto

O risco de malformações fetais não foi associado à doença inflamatória intestinal per se. Fumar aumenta o risco de parto prematuro em mulheres com doença de Crohn, mas não naquelas com colite ulcerosa.

Quando a gravidez começa com a doença em fase ativa, um terço das mulheres melhora, um terço permanece o mesmo, enquanto outro terço experimenta agravamento dos sintomas. Alguns pesquisadores acreditam de que a presença do sistema imunológico fetal, diferente da mãe, tem um efeito benéfico na atividade imunológica deste último.

Mulheres com colite ulcerosa (CU)tendem a permanecer quiescentes (70-80%) se a concepção ocorreu nessa fase. Isso pode estar relacionado à interrupção dos medicamentos ou se o fumo for realizado durante a gravidez. No entanto, se uma mulher com CU ativa concebe, a condição é mais difícil de tratar.

Mulheres com doença de Crohn reagem à gravidez quase da mesma maneira que as mulheres com CU.

A interrupção eletiva simplesmente por ter doença inflamatória intestinal não é aceitável devido ao baixo risco geral de complicações devido apenas à doença.

Leia também:

Tratamento

O objetivo do tratamento é induzir remissão para colite ou doença do chron. O tratamento da DII é dividido no tratamento da doença leve, moderada e grave. Agentes anti-inflamatórios como compostos de 5-aminosalicilato (5-ASAs) e moduladores imunológicos têm sido considerados para tratamentos preventivos.

O ácido ursodeoxicólico, o ácido fólico e certos medicamentos imunossupressores foram identificados como potenciais quimiopreventivos na doença inflamatória intestinal.

Tratamento da colite ulcerosa

O tratamento da colite ulcerosa (CU) depende muito da extensão da doença e da presença de manifestações extra-intestinais. Ou seja, para aqueles com doença leve a moderada limitada ao reto, os agentes aminossalicilados, como a mesalamina, são os principais pilares.

A mesalamina é administrada por via retal, mas pode ser combinada com terapia oral para induzir ou manter a remissão.  Para os pacientes com doença moderada refratários à mescalina, podem ser uma opção os glicocorticóides orais ou imunomoduladores, como os anticorpos monoclonais TNF-a.

As crises são geralmente tratadas com corticoterapia. Para quem tem mais de uma ou duas crises por ano, recomenda-se o uso de agentes anti-TNF ou outros imunossupressores.

Tratamento da doença de chron

O tratamento da doença do chron depende da porção do trato gastrointestinal envolvida, do grau de fistulização ou estruturação e de quaisquer complicações extra-intestinais. Portanto, para doenças mais extensas, é necessária terapia sistêmica com esteróide com prednisona.

Nos pacientes com doença moderada a grave, o fator de necrose antitumoral (anti-TNF) deve ser iniciado. Antes de iniciar a terapia biológica, os pacientes devem completar o derivado de proteína purificada (PPD) para avaliar a tuberculose latente. Entretanto, o tratamento cirúrgico pode ser necessário para pessoas com doença fistulizante grave, incluindo ostomia divergente.

É vital avaliar a densidade óssea em pacientes que recebem esteróides; a osteoporose apresenta morbidade significativa nesses pacientes. Se o uso de esteróides por mais de 3 meses for esperado, devem ser introduzidos suplementos de cálcio e bifosfonatos.

Complicações doença inflamatória intestinal

A colite ulcerosa e a doença de Crohn têm algumas complicações em comum e outras específicas para cada condição. No entanto, as complicações encontradas nas duas condições podem incluir:

 

 

Marcações: