Compartilhe este artigo

Ou você pode

A vitamina B2 ou riboflavina é uma vitamina essencial para produção de energia, manter saudáveis os olhos, nervos, músculos e pele.

A vitamina B2, também conhecida como riboflavina, é uma vitamina solúvel em água e que pertence ao complexo B. Ela é essencial para produção de energia, manter saudáveis os olhos, nervos, músculos e pele.

A riboflavina está presente naturalmente em alguns alimentos comuns, como carnes e grãos; também pode ser adicionada a produtos industrializadas, como derivados de leite, pães e cereais. Isso contribui para que a deficiência da vitamina B2 seja rara.

Entretanto, a importância da vitamina B2 para nosso organismo está relacionada ao fato dela compor duas coenzimas importantes:

  1. Mononucleotídeo de Flavina (FMN; também conhecido como Riboflavina-5′-Fosfato),
  2. Dinucleotídeo de Alavina Adenina (FAD).

Essas coenzimas, portanto, são essenciais para produção de energia; assim como têm função para o crescimento e desenvolvimento celular; bem como no metabolismo de nutrientes e medicamentos (drogas).

Por exemplo, a conversão do aminoácido triptofano em niacina requer FAD. Sabe-se, portanto, que o triptofano é essencialmente utilizado pelo cérebro, junto com a vitamina B3 e o magnésio, para produzir serotonina, que é responsável pela transmissão de sinais nervosos nos processos de produção do sono e do humor.

Outros exemplos incluem a participação do FNM na conversão da vitamina B6 para sua forma ativa – a coenzima piridoxal 5′-fosfato. Além disso, a riboflavina ajuda a manter os níveis normais de homocisteína, um aminoácido importante do sangue.

Para quê serve a vitamina B2?

A vitamina B2 ajuda a metabolizar (quebrar) proteínas, gorduras e carboidratos. Portanto, essa vitamina é essencial para a manutenção do suprimento de energia do corpo.

Principalmente, a riboflavina ajuda a converter carboidratos em trifosfato de adenosina (ATP). Nosso organismo produz ATP a partir dos alimentos e o ATP produz energia de acordo com a necessidade imediata do organismo. Além disso, o ATP é vital para armazenar energia nos músculos.

Assim a vitamina B2 serve para:

  • Manter saudável as membranas das mucosas do nosso sistema digestivo
  • Manter saudável nosso fígado
  • Converter o aminoácido triptofano em niacina
  • Manter saudáveis os olhos, nervos, músculos e pele
  • Absorver e ativar ferro, ácido fólico e vitaminas B1, B3 e B6
  • Produção de hormônios nas glândulas supra-renais
  • Provavelmente prevenir o desenvolvimento de cataratas e enxaqueca
  • Desenvolvimento fetal

No entanto, não existem provas científicas que validam as alegações de que a riboflavina é eficaz para o tratamento da acne, alguns tipos de anemia, enxaqueca e cãibras musculares.

Além disso, a riboflavina pode ser administrada a crianças com níveis elevados de bilirrubina no sangue. Isso porque o excesso de bilirrubina nas crianças pode prejudicar o desenvolvimento de células do cérebro, que pode levar a deficiência de aprendizagem e de desenvolvimento, além de perda ou problemas de movimento dos olhos e de audição.

Vitamina B2 para doenças cardiovasculares

Alguns estudos mostram que distúrbios cerebrais, cardíacos e alguns tipos de câncer podem se desenvolver a partir da deficiência de riboflavina a longo prazo.

A riboflavina regula os níveis de homocisteína no sangue. Entenda que a hemocisteína é um aminoácido que pode alterar os vasos sanguíneos e os seus níveis elevados pode vir a causar AVC, doença coronariana ou infarto cardíaco. Muitas vezes você adquiri este aminoácido a partir da proteína animal, como a carne.

Então, a riboflavina atua com outras vitaminas do complexo B, como  B6, folato e B12 para quebrar a homocisteína no corpo.

Estudos em animais mostram anormalidades cardíacas e aumento de marcadores das doenças cardíacas em ratos com deficiência de riboflavina, bem como efeitos de proteção cardíaca da riboflavina, aumentando a produção de enzimas antioxidantes.

No entanto, os cientistas ainda não entendem muito bem como a riboflavina é regulada e transportada no coração em humanos.

Por outro lado, outros estudos no mostraram que a redução dos níveis de homocisteína com a suplementação de vitamina B pode reduzir o risco de ataques cardíacos ou mortes por doenças cardiovasculares.

Por isso que são necessários mais estudos em humanos para se poder chegar a conclusão de que o uso de suplementos de vitamina B pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares.

Quanto de riboflavina diária precisamos?

A dose diária recomendada (RDA) da riboflavina depende da idade, sexo e estado reprodutivo de cada indivíduo. Mas, é recomendável você ingerir:

  • 1,3 miligramas diários para homens,
  • 1,1 mg para mulheres
  • No entanto, durante a gravidez, as mulheres devem ter 1,4 miligramas por dia e, durante a amamentação, 1,6 miligramas por dia.

Geralmente a riboflavina, como suplemento, está incluída em multivitaminas e vitaminas do complexo B. Além disso, você também pode encontrar separadamente em comprimidos com doses de 25 mg, 50 mg e 100 mg.

Fontes alimentares

A riboflavina é encontrada principalmente em carnes e alimentos fortificados, mas também em algumas nozes e vegetais verdes.

Assim as principais de alimentos incluem:

  • Leite
  • Iogurte
  • Queijo
  • Ovos
  • Bife sem gordura e de porco
  • Carnes de órgão (fígado bovino)
  • Peito de frango
  • Salmão
  • Cereal fortificado e pão
  • Amêndoas
  • Espinafre
  • Salsinha
  • Abóboras
  • Batatas doces
  • Vegetais, como brócolis, couve de Bruxelas, espinafre, folhas de dente-de-leão e agrião
  • Extrato de levedura

A vitamina B2 é solúvel em água, então cozinhar alimentos pode causar sua perda. Portanto, você pode perder cerca de duas vezes ou mais da vitamina B2 se ferver o alimento, ao invés de usar o vapor ou no micro-ondas.

Esta vitamina é sensível à luz e, portanto, perecível. É provável que grãos podem não ter quantidades adequadas dessa vitamina no momento em que chegam à sua mesa. Por isso que às vezes é adicionado a cereais durante o processamento.

Deficiências da vitamina B2

A deficiência da vitamina B2 pode levar a outras deficiências nutricionais, porque ela está envolvida no metabolismo de vários nutrientes. Contudo, a principal preocupação associada a ela é a anemia por deficiência de ferro.

A deficiência de riboflavina é também conhecida como ariboflavinose.

Entretanto, a deficiência da riboflavina pode causar:

  • coceira e ardor nos olhos,
  • sensibilidade dos olhos à luz,
  • ferida na língua,
  • rachaduras nos cantos da boca,
  • dor de garganta,
  • coceira e descamação da pele do nariz,
  • feridas na boca,
  • problemas reprodutivos,
  • queda de cabelo.

A anemia e catarata podem se desenvolver se você tiver uma deficiência severa e prolongada da vitamina B2. No entanto, algumas condições podem aumentar sua necessidade de riboflavina.

É provável que você desenvolva a deficiência dessa vitamina, se tiver uma ou mais das condições abaixo:

  • Alcoolismo
  • Queimaduras
  • Câncer
  • Diarreia
  • Febre
  • Infecções bacterianas
  • Doenças intestinais
  • Doença hepática
  • Tiroide hiperativa
  • Ferimento grave
  • Estresse
  • Cirurgia do estômago

É especialmente importante certificar-se de que ingeriu riboflavina suficiente em sua dieta, se estiver grávida. Porque a deficiência de riboflavina pode colocar em risco o crescimento do seu bebê e aumentar suas chances de pré-eclâmpsia, que envolve pressão arterial perigosamente alta durante a gravidez. Portanto, esta é uma condição séria que pode ser fatal.

Toxicidade da riboflavina

Nenhum efeito tóxico ou adverso da alta ingestão de riboflavina em humanos é conhecido. Embora a ingestão de riboflavina através de alimentos seja muitas vezes superior à RDA. Isso ocorre porque a vitamina B2 é hidrossolúvel e, portanto, eliminado com facilidade na urina; além de que a capacidade de absorção dessa vitamina ser limitada no trato gastrointestinal.

Foi descoberto que a terapia com altas doses de riboflavina intensifica a cor da urina para um amarelo brilhante (flavinúria), mas este é um efeito colateral inofensivo.

Interação da riboflavina e medicamentos

A vitamina B2 não é conhecida por ter qualquer interação clinicamente relevante com medicamentos. No entanto, alguns medicamentos podem interferir nos seus níveis no sangue. Alguns desses medicamentos incluem:

  • Antidepressivos tricíclicos , como imipramina ou tofranil
  • Alguns medicamentos antipsicóticos, como clorpromazina ou torazina
  • Metotrexato, usado para câncer e doenças autoimunes, como artrite reumatóide
  • Fenitoína, ou Dilantina, usada para controlar convulsões
  • Probenecida, para gota
  • Diuréticos tiazídicos ou comprimidos de água

A doxorrubicina, um medicamento usado na terapia do câncer, pode esgotar os níveis de riboflavina, e a riboflavina pode afetar o funcionamento da doxorrubicina.

No entanto, é importante falar com um médico antes de tomar qualquer suplemento, especialmente porque eles podem interferir com outros medicamentos.

Os suplementos da vitamina B2 podem afetar a eficácia de alguns medicamentos, como os anticolinérgicos e a tetraciclina.

Conclusão

Podemos concluir que a vitamina B2 ou riboflavina trabalha juntamente com as outras vitaminas do complexo B. Ela é importante para o crescimento do nosso organismo. Ajuda na produção de glóbulos vermelhos. Também auxilia na liberação de energia das proteínas.

Essa vitamina encontra-se abundante em diferentes alimentos, incluindo carnes, produtos lácteos e grãos. Por isso, a deficiência da riboflavina é quase inexistente. Mas, quando ela ocorre pode haver manifestações na pele, queda de cabelo, rachaduras na língua e lábios, além de fraqueza geral. Se você apresentar qualquer sinal ou sintoma listados neste artigo consulte seu médico, porque a deficiência da riboflavina pode estar relacionada a outras doenças ou deficiências.

Referências

  • Bradford, A. (2015). Vitamin B2 (Riboflavin): Sources, Benefits and Dosage. Live Science. https://www.livescience.com/51966-vitamin-b2-riboflavin.html
  • Brazier, Y. (2017). Vitamin B2: Role, sources, and deficiency. Medical News Today. Portanto disponível em https://www.medicalnewstoday.com/articles/219561.
  • Higdon, J. (2000). riboflavin. Oregon State University. https://lpi.oregonstate.edu/mic/vitamins/riboflavin. Portanto, este link leva a um site fornecido pelo Linus Pauling Institute da Oregon State University. Além disso, Augusto Bene não é afiliado ou endossado pelo Linus Pauling Institute ou pela Oregon State University.
  • NIH Office of Dietary Supplements. (2018). Riboflavin Health Professional Fact Sheet. National Institutes of Health, Office of Dietary Supplements. Portanto, a consuta foi feita em https://ods.od.nih.gov/factsheets/Riboflavin-HealthProfessional/
  • Riboflavin: Uses, Side Effects, Interactions, Dosage, and Warning. (n.d.). WebMD. Entretanto consultado em https://www.webmd.com/vitamins/ai/ingredientmono-957/riboflavin
  • Riboflavin – Vitamin B2. (n.d.). The Nutrition Source | Harvard T.H. Chan School of Public Health. Retrieved January 30, 2021, from https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/riboflavin-vitamin-b2/. Contudo consultado em 30/01/2021
  • Riboflavin (Oral Route). (2020). Mayo Clinic. Portanto, disponível em: https://www.mayoclinic.org/drugs-supplements/riboflavin-oral-route/description/drg-20065810
  • Wilson, D. R. (2018). Vitamin Watch: What Does B2 Do? Healthline. Portanto, disponível em https://www.healthline.com/health/vitamin-watch-what-does-b2-do#deficiency
Mais sobre: ,

Autor

Mais lidos

Menu