Amicacina: usos, efeito colateral, interação

Veja mais em: ,

A amicacina serve para tratar infecções bacterianas graves, como meningite (infecção das membranas que circundam o cérebro e a medula espinhal) e infecções do sangue, do abdômen, dos pulmões, da pele, dos ossos, das articulações, e do trato urinário.

Amicacina também conhecida por amikacina é um antibiótico da classe dos aminoglicósidos. Os aminoglicosídeos se ligam às bactérias, causando uma leitura incorreta do t-RNA, deixando as bactérias incapazes de sintetizar proteínas vitais para seu crescimento.

Geralmente a amicacina que existe nas farmácias, drogarias estão na forma de sulfato de amicacina. Geralmente se apresenta em ampolas injectáveis de 250 mg/ 2ml, embora existam outras ampolas contendo 100 mg. Portanto, sua administração tem sido por via intramuscular (IM) ou endovenosa (EV).

Indicação

O sulfato de amicacina é um medicamento de reserva para tratamento de curta duração das mesmas situações para as quais é usada a gentamicina mas unicamente quando há resistência a esta. Além disso, amikacina está indicado como fármaco de reserva no tratamento da tuberculose multidroga-resistente (MDR).

Amicacina e sua posologia

A injeção de amicacina pode ser usada por via IV ou IM a cada 8 ou 12 horas (duas ou três vezes ao dia). Quando a amicacina é injetada por via intravenosa, geralmente é infundida (injetada lentamente) por um período de 30 a 60 minutos. A duração do tratamento depende do tipo de infecção.

Contudo, a dose usual por via IM, EV lenta (2-3 min) ou em perfusão EV (diluída em soro fisiológico ou dextrose 5% em 30-60 min), é de 15 mg/kg/dia dividida em 2-3 doses. No entanto, a dose máxima diária no adulto é de 1,5 g.

Para crianças um médico pode prescrever 15 mg/kg do peso da criança divididos em 2 doses de 12/12 h. No entanto, para os recém-nascidos e prematuros, é aconselhável uma dose inicial de carga de 10 mg por kg de peso da criança, seguido de 15 mg/kg/dia divididos em 2 doses de 12/12 h.

Quais são os efeitos colaterais da amicacina?

Obtenha ajuda médica de emergência se tiver sinais de uma reação alérgica : urticária; respiração difícil; inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Ligue para o seu médico imediatamente se você tiver:

  • perda de audição ou um som estridente em seus ouvidos;
  • tontura grave ou contínua;
  • problemas renais – pouca ou nenhuma micção; micção dolorosa ou difícil; inchaço nos pés ou tornozelos; sensação de cansaço ou falta de ar;
  • respiração fraca ou superficial;
  • dormência ou sensação de formigamento;
  • espasmos musculares ou apreensão (convulsões); ou
  • forte dor de estômago, diarreia aquosa ou com sangue.

Esta não é uma lista completa de efeitos colaterais e outros podem ocorrer. Ligue para o seu médico para obter aconselhamento médico sobre os efeitos colaterais.

Não use amicacina se estiver grávida. Pode prejudicar o feto. Use métodos anticoncepcionais eficazes para prevenir a gravidez durante o tratamento.

Não se sabe se a amicacina passa para o leite materno ou se pode prejudicar o bebê que está amamentando. Você não deve amamentar enquanto estiver usando este medicamento.

Notas e avisos importantes

O desenvolvimento de bacterianas resistentes é muito menor com a amikacina do que com gentamicina mas o seu custo é muito mais elevado. Portanto, é aconselhável reservar o seu uso para infecções graves por gram-negativos para as quais se sabe existir resistência ou nas quais não se obtenha resposta terapêutica favorável com gentamicina.

As soluções já preparadas para administração EV devem ser usadas de imediato e não devem ser armazenadas. É importante que não se ultrapasse no adulto a dose total de 1,5 g.

A amicacina pode causar problemas renais graves. Os problemas renais podem ocorrer com mais frequência em pessoas mais velhas ou desidratadas. Informe o seu médico se você tem ou já teve doença renal.

A amicacina pode causar sérios problemas de audição. Os problemas de audição podem ocorrer com mais frequência em pessoas idosas ou desidratadas. A perda auditiva pode ser permanente em alguns casos.

A amicacina pode causar problemas nos nervos. Informe o seu médico se você tem ou já teve queimação, formigamento ou dormência nas mãos, braços, pés ou pernas; espasmos musculares ou fraqueza; ou convulsões.

Interações da amicacina

O risco de desenvolver problemas renais, auditivos ou outros problemas graves é maior se você estiver tomando certos medicamentos, incluindo:

  • aciclovir;
  • anfotericina;
  • bacitracina;
  • capreomicina;
  • cefazolina,
  • cefixima ou cefalexina;
  • cisplatina;
  • colistina;
  • ciclosporina;
  • bumetanida,
  • ácido etacrínico,
  • furosemida
  • torsemida;
  • gentamicina,
  • canamicina,
  • neomicina,
  • paromomicina,
  • estreptomicina
  • tobramicina;
  • polimixina B; 
  • vancomicina.

Os antibióticos podem causar diarreia, que pode ser um sinal de uma nova infecção. Se você tiver diarreia aquosa ou com sangue, chame seu médico. Não use medicamentos antidiarreicos, a menos que seu médico lhe diga para o fazer.

Mecanismo de ação da amicacina

A amicacina é um antibiótico aminoglicosídeo semissintético de amplo espectro, derivado da canamicina com propriedade antimicrobiana. A amicacina se liga irreversivelmente à subunidade ribossômica 30S bacteriana, bloqueando especificamente o rRNA 16S e a proteína S12 dentro da subunidade 30S. Isso leva à interferência com o complexo de iniciação da tradução e leitura incorreta do mRNA, dificultando assim a síntese de proteínas e resultando em efeito bactericida.

Estrutura química da amikacina. Fonte pubchem

Referências

Imipenem e Cilastatina: usos, efeitos colaterais e precauções
Gentamicina injetável: efeitos secundários, usos e dosagens
Menu