Como identificar glaucoma? sinais, sintomas e diagnóstico

saiba como indentificar glaucoma

Identificar glaucoma de forma precoce é importante para que não se perca a visão. Porém, a única maneira certa de diagnosticar glaucoma é com um exame oftalmológico completo.

Antes de continuarmos, desejo aqui lembrar o que glaucoma: ele é definido como uma doença complicada na qual danos no nervo óptico resultam em perda de visão.

Existem várias formas de glaucoma; as duas formas mais comuns são glaucoma primário de ângulo aberto (POAG) e glaucoma de ângulo fechado (ACG). O glaucoma de ângulo aberto é freqüentemente chamado de “ladrão de vista”, porque não apresenta sintomas até que ocorra uma perda significativa da visão.

Sinais e sintomas para identificar glaucoma

Os sinais e sintomas conhecidos podem ajudar a identificar algum tipo específico de glaucoma. Por isso, iremos apresentar os sinais e sintomas dos dois principais tipos de glaucoma:

Sintomas do glaucoma de ângulo aberto

A maioria das pessoas que tem glaucoma de ângulo aberto se sente bem e não percebe uma mudança na visão a princípio porque a perda inicial acontece na visão lateral ou periférica, e a acuidade visual ou nitidez da visão são mantidas até o final da doença.

Quando um paciente está ciente da perda da visão, a doença geralmente está bastante avançada. A perda de visão do glaucoma não é reversível com o tratamento, mesmo com a cirurgia.

Normalmente, não há sinais de alerta ou sintomas para identificar glaucoma de ângulo aberto. Ele se desenvolve lentamente e às vezes sem perda de visão perceptível por muitos anos.

Sintomas do glaucoma agudo de ângulo fechado

  • Visão turva
  • A aparência de círculos coloridos ao redor de luzes brilhantes
  • Dor severa nos olhos e na cabeça
  • Náusea ou vômito (acompanha dor intensa nos olhos)
  • Perda súbita de visão

No glaucoma de ângulo fechado (também chamado de glaucoma de ângulo estreito), o ângulo é fechado em muitas ou na maioria das áreas, causando aumento da pressão ocular, o que leva a danos no nervo óptico e possível perda de visão.

Este aumento da pressão ocular pode ocorrer repentinamente (um ataque agudo de fechamento do ângulo) ou gradualmente. Há também estágios iniciais da doença nos quais o ângulo é fechado, mas a pressão ocular pode ou não estar alta e o nervo óptico ainda não foi afetado.

Os sintomas do glaucoma agudo de fechamento do ângulo são muito visíveis e os danos ocorrem rapidamente. Se você tiver algum destes sintomas, procure atendimento imediato com um oftalmologista.

Diagnóstico do glaucoma

Uma triagem de glaucoma que apenas verifica a pressão ocular não é suficiente para encontrar glaucoma. Assim para identificar um glaucomo pode-se:

  • medir sua pressão ocular
  • inspecione o ângulo de drenagem do seu olho
  • examine seu nervo óptico quanto a danos (oftalmoscopia)
  • teste sua visão periférica (lateral)
  • tire uma foto ou computador da medição do seu nervo óptico
  • medir a espessura da sua córnea (paquimetria)

Medição da pressão ocular como meio de identificar glaucoma

exames para identificar glaucoma

O exame é designado tonometria. Este exame mede a pressão dentro do seu olho. Durante a tonometria, colírios são usados ​​para anestesiar o olho. Em seguida, um médico ou técnico usa um dispositivo chamado tonômetro para medir a pressão interna do olho. Uma pequena quantidade de pressão é aplicada ao olho por um pequeno dispositivo ou por um sopro quente de ar.

O intervalo para pressão normal é de 12 a 22 mm Hg (“mm Hg” refere-se a milímetros de mercúrio, uma escala usada para registrar a pressão ocular). A maioria dos casos de glaucoma é diagnosticada com pressão superior a 20 mm Hg. No entanto, algumas pessoas podem ter glaucoma a pressões entre 12 e 22 mm Hg. A pressão ocular é exclusiva para cada pessoa.

Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *