Câncer de pâncreas: sintomas, causas e tratamento

O câncer de pâncreas ocorre dentro dos tecidos do pâncreas, que é um órgão endócrino vital localizado atrás do estômago. Entretanto, o pâncreas desempenha um papel essencial na digestão, produzindo enzimas que o corpo precisa para digerir gorduras, carboidratos e proteínas.

Vários tipos de tumores podem ocorrer no pâncreas, incluindo tumores cancerígenos e não cancerosos. O tipo mais comum de câncer que se forma no pâncreas começa nas células que revestem os dutos que transportam enzimas digestivas para fora do pâncreas (adenocarcinoma ductal pancreático).

O câncer de pâncreas raramente é detectado em seus estágios iniciais, quando é mais curável. Isso ocorre porque geralmente não causa sintomas até que se espalhe para outros órgãos.

As opções de tratamento do câncer de pâncreas são escolhidas com base na extensão do câncer. Ou seja, as opções podem incluir cirurgia, quimioterapia, radioterapia ou uma combinação destes.

O tumor de pâncreas é a sétima principal causa de mortes relacionadas ao câncer em todo o mundo. No entanto, seu número é mais alto nos países mais desenvolvidos.

As razões para grandes diferenças nas taxas de mortalidade ainda não estão completamente esclarecidas, mas podem ser devido à falta de diagnóstico, tratamento e catalogação adequados.

Como os pacientes raramente apresentam sintomas até uma fase avançada da doença, o câncer de pâncreas continua sendo uma das neoplasias malignas mais letais que causaram 432.242 novas mortes em 2018.

Globalmente, 458.918 novos casos de câncer de pâncreas foram relatados em 2018 e estima-se que 355.317 novos casos ocorram até 2040. Por outro lado, apesar dos avanços na detecção e tratamento do câncer de pâncreas, a taxa de sobrevida em 5 anos ainda é de apenas 9%.

Sintomas do câncer de pâncreas

O câncer de pâncreas geralmente não apresenta sintomas até atingir os estágios avançados da doença. Por esse motivo, normalmente não há sinais precoces de câncer de pâncreas.

Mesmo depois que o câncer cresce, alguns dos sintomas mais comuns podem ser sutis. Eles incluem:

  • perda de apetite
  • perda de peso não intencional
  • dor abdominal (estômago) ou lombar que irradia para as costas
  • coágulos de sangue
  • icterícia (pele e olhos amarelos)
  • depressão
  • Urina de cor escura
  • comichão na pele
  • diabetes existente que está se tornando mais difícil de controlar
  • Coágulos de sangue
  • Fadiga

O câncer de pâncreas que se espalha pode piorar os sintomas pré-existentes. No entanto, se o câncer se espalhar, o individuo enfermo poderá experimentar sinais e sintomas adicionais de câncer de pâncreas avançado.

Antes de avançarmos para as causas, gostaríamos de explicar o que é pâncreas e qual é o seu papel na digestão.

Pâncreas e seu papel na digestão

O pâncreas é um órgão de 6 a 8 polegadas de comprimento. Estende-se horizontalmente através do abdômen. Entretanto, a maior parte fica no lado direito do abdômen, onde o estômago se liga à primeira parte do intestino delgado, o duodeno.

Nesse ponto, o alimento parcialmente digerido passa do estômago para o intestino delgado e se mistura com as secreções do pâncreas.

Cerca de 95% do pâncreas é tecido exócrino. Produz enzimas pancreáticas para ajudar na digestão. Um pâncreas saudável produz cerca de 2,2 litros (1 litro) dessas enzimas todos os dias.

Os 5% restantes compreendem centenas de milhares de células endócrinas conhecidas como ilhotas de Langerhans. Esses aglomerados de células semelhantes a uva produzem hormônios importantes que regulam as secreções pancreáticas e controlam o açúcar no sangue.

Função

Os tecidos exócrinos secretam um suco alcalino claro, aquoso e que contém várias enzimas. Estes decompõem os alimentos em pequenas moléculas que podem ser absorvidas pelos intestinos. As enzimas incluem:

  • tripsina e quimotripsina para digerir proteínas
  • amilase para quebrar carboidratos
  • lipase, para quebrar as gorduras em ácidos graxos e colesterol

A porção endócrina, ou ilhotas de Langerhans, secretam insulina e outros hormônios. Contudo, as células beta pancreáticas liberam insulina quando os níveis de açúcar no sangue aumentam.

Funções da insulina

  • move a glicose do sangue para os músculos e outros tecidos, para uso como energia
  • ajuda o fígado a absorver glicose, armazenando-o como glicogênio, caso o corpo precise de energia durante o estresse ou o exercício

Glucagon

Quando o açúcar no sangue cai, as células alfa pancreáticas liberam o hormônio glucagon. Por sua vez, o glucagon faz com que o glicogênio seja decomposto em glicose no fígado. A glicose entra na corrente sanguínea, restaurando os níveis de açúcar no sangue ao normal.

Causas do câncer do pâncreas

Até o momento, as causas do carcinoma do pâncreas ainda são pouco conhecidas, embora alguns fatores de risco tenham sido identificados, como tabagismo, diabetes mellitus, obesidade, fatores alimentares, abuso de álcool, idade, etnia, história familiar e fatores genéticos, infecção por Helicobacter pylori, grupo sanguíneo não-O e pancreatite crônica.

Como se forma o carcinoma de pâncreas

O tumor de pâncreas ocorre quando as células do pâncreas desenvolvem alterações (mutações) no DNA. Entretanto, essas mutações dão informações às células de tal modo que crescem incontrolavelmente e continuam vivendo depois que as células normais morrem.

Essas células “alteradas” acumuladas podem formar um tumor. Quando deixadas sem tratamento, as células cancerígenas do pâncreas podem se espalhar para órgãos e vasos sanguíneos próximos e para partes distantes do corpo.

A maioria dos cânceres de pâncreas começa nas células que revestem os ductos do pâncreas. Assim sendo, esse tipo de câncer é chamado de adenocarcinoma pancreático ou câncer exócrino pancreático.

Com menos frequência, o câncer pode se formar nas células produtoras de hormônios ou nas células neuroendócrinas do pâncreas. Esses tipos de câncer são chamados de tumores neuroendócrinos pancreáticos, tumores de células das ilhotas ou câncer endócrino pancreático.

Leia também:

Tratamento dos tumores pancreáticos

O tratamento para o câncer de pâncreas depende do estágio do câncer. Ele tem dois objetivos: matar células cancerígenas e impedir a propagação da doença.

Neste sentido, podem servir de tratamento as seguintes medidas:

  • Cirurgia. Geralmente feita de acordo com a localização do câncer e o estágio do câncer. A cirurgia pode remover todas ou algumas partes do pâncreas. Isso pode eliminar o tumor original do pâncreas, mas não remove o câncer que se espalhou para outras partes do corpo. Portanto, a cirurgia pode não ser adequada para pessoas com câncer de pâncreas em estágio avançado por esse motivo.
  • Radioterapia. A radioterapia utiliza raios X e outros raios de alta energia para matar as células cancerígenas.
  • Quimioterapia. Em alguns casos, o médico pode combinar outros tratamentos com quimioterapia, que usa medicamentos que matam o câncer para ajudar a impedir o crescimento futuro de células cancerígenas.
  • Terapia direcionada. Esse tipo de tratamento usa drogas (medicamentos) ou outras medidas para atingir especificamente células cancerígenas e trabalhar para destruí-las. Contudo, esses medicamentos são projetados para não danificar células saudáveis ​​ou normais.

Complicações do câncer de pâncreas

À medida que o câncer de pâncreas progride, ele pode causar complicações como:

  • Perda de peso. Vários fatores podem causar perda de peso em pessoas com câncer de pâncreas. A perda de peso pode acontecer à medida que o câncer consome a energia do corpo. Por outro lado, Náuseas e vômitos causados ​​por tratamentos contra o câncer ou um tumor que pressione o estômago podem dificultar a ingestão. Também é provável, portanto, que o corpo pode tenha dificuldade em processar nutrientes dos alimentos porque talvez porque o pâncreas não esteja produzir sucos digestivos suficientes.
  • Icterícia. O câncer de pâncreas que bloqueia o ducto biliar do fígado pode causar icterícia. Entretanto, os sinais incluem olhos e pele amarelos, urina de cor escura e fezes de cor pálida. A icterícia geralmente ocorre sem dor abdominal.
  • Dor. Um tumor em crescimento pode pressionar os nervos do abdômen, causando dor que pode se tornar grave. Os analgésicos podem ajudar a se sentir mais confortável. No entanto, tratamentos, como radiação e quimioterapia, podem ajudar a retardar o crescimento do tumor e proporcionar algum alívio da dor.
  • Obstrução intestinal. O câncer de pâncreas que cresce ou pressiona a primeira parte do intestino delgado (duodeno) pode bloquear o fluxo de alimentos digeridos do estômago para o intestino.