Amebíase (Entamoeba histolytica): sintomas, causas e tratamento

Segundo Pritt e Clark (2008) Amebíase é definida como infecção pela Entamoeda histolytica, independentemente da sintomatologia associada. Portanto, a amebíase pode ser assintomática ou pode apresentar sintomas leves a graves, incluindo dor abdominal, diarreia ou diarreia sangrenta.

Complicações graves podem incluir inflamação e perfuração resultando em peritonite. Pessoas afetadas podem desenvolver anemia.

A amebíase ocorre em todo o mundo, onde cerca de 50 milhões de pessoas contraem a infecção, com mais de 100.000 mortes por ano. No entanto, ela é predominante nos países em desenvolvimento devido aos problemas de saneamento. Assim, os viajantes para países em desenvolvimento podem adquirir amebíase ao visitar a região endêmica.

A principal fonte de infecção é a ingestão de água ou alimentos contaminados por fezes contendo cistos. Também pode ser adquirida após a inoculação direta do reto, do sexo anal ou oral, ou de equipamentos utilizados para irrigação cólon.

Pessoas com o sistema imunológico comprometidos estão em maior risco de desenvolver sintomas da amebíase. Por outro lado, o parasita E. histolytica pode permanecer no ambiente por períodos prolongados na forma cística, favorecendo a infeção

Apesar dos avanços nas pesquisas ainda não existem vacinas ou medicamentos profiláticos para prevenir a amebíase.

Entamoeba histolytica

Existem três espécies de amebas intestinais. E. histolytica causa a maioria das doenças sintomáticas. A disparidade de entamoeba não é patogênica, e Entamoeba moshkovskii é relatada cada vez mais, mas sua patogenicidade não é clara.

No entanto, a E. histolytica, assim como os outros, é um habitante do intestino grosso humano, pertence ao sub-filo Sarcodina, tendo forma amebóide e locomovendo-se através de pseudópodos.

Caracteriza-se por apresentar uma fase de vida comensal, por isso 90% dos casos de amebíase são assintomáticos, entretanto o parasito pode se tornar patogênico, provocando quadros disentéricos de gravidade variável.

Figura 1. Ciclo de vida da Entamoeba histolytica.

Ciclo de vida

Seu ciclo (Figura 1) evolutivo é monoxeno, ou seja, a Entamoeba histolytica completa seu ciclo em apenas um hospedeiro, e o modo de infecção é fecal-oral, ou seja, o homem se infecta ao ingerir cistos presentes na água ou nos alimentos contaminados.

O desencistamento ocorre na porção final do intestino delgado, liberando os trofozoítos que passam a viver como comensais e a reproduzir-se por divisão binária.

Através de mecanismos ainda desconhecidos, mas possivelmente relacionados com a ruptura do equilíbrio intestinal (baixa de imunidade local, alteração da flora intestinal, lesões de mucosa, etc.), os trofozoítos tornam-se patogênicos e invadem a parede intestinal, alimentando-se de células da mucosa e de hemácias.

Você pode se interessar por:

Em casos de infecção crônica podem invadir outros órgãos através da circulação sangüínea, especialmente ao fígado.

Os trofozoítos que permanecem no intestino sob a forma comensal reduzem o seu metabolismo, armazenam reservas energéticas e secretam uma parede cística ao seu redor, formando os cistos, que são eliminados através das fezes.

Dentro do cisto o parasito realiza divisão binária formando quatro novos indivíduos que desencistam quando chegam ao intestino de um novo hospedeiro. Portanto, os cistos podem permanecer virulentos fora do hospedeiro por cerca de 20 dias; e, se a temperatura e a humidade favorecerem, logo eles são as formas de resistência do parasito no ambiente. Os trofozoítos, entretanto, são lábeis no ambiente.

Sintomas da amebíase

A maioria das infecções que estão restritas ao lúmen do intestino (“amebíase luminal”) são assintomáticas. No entanto, a amebíase intestinal invasiva pode ocorrer se houver invasão da mucosa. Nestes casos, os sintomas incluem: disenteria grave e complicações associadas.

Infecções crônicas graves podem levar a complicações adicionais, como peritonite, perfurações e formação de granulomas amébicos.

Abscessos hepáticos amébicos são a manifestação mais comum de amebíase extra-intestinal. Abscessos pleuropulmonares, abscesso cerebral e lesões necrosas na pele perianal e genitália também foram observados.

Tratamento da amebíase

O tratamento inicial da amebíase sintomática é feito através da hidratação e uso de antibiótico – o metronidazol e/ou tinidazol. Para o caso de um abscesso do fígado amébica pode ser preciso uma aspiração, que pode ser acompanhado o com metronidazol.

A cirurgia às vezes é necessária para tratar hemorragia gastrointestinal maciça, megacólon tóxico, cólon perfurado ou abscessos hepáticos não permitidos à drenagem percutânea.

Referências

  1. BS Pritt & CG Clark (2008). Amebiasis. Fundação Mayo de Educação e Pesquisa. Publicado pela Elsevier Inc. DOI: https://doi.org/10.4065/83.10.1154
  2. Zulfiqar H, Mathew G, Horrall S. Amebiasis. [Atualizado em 2020 Mar 4]. In: StatPearls [Internet]. Ilha do Tesouro (FL): StatPearls Publishing; Jan-. 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK519535/

1 comentário em “Amebíase (Entamoeba histolytica): sintomas, causas e tratamento”

  1. An outstanding share! I’ve just forwarded this onto
    a friend who had been doing a little research on this. And he in fact ordered
    me dinner because I discovered it for him… lol. So allow me
    to reword this…. Thank YOU for the meal!!
    But yeah, thanks for spending some time to talk
    about this issue here on your blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.