Cisto no ovário: causas, sintomas e tratamento

Muitas mulheres podem apresentar cisto no ovário nalgum momento da vida, com pouco ou nenhum desconforto. Há casos em que o cisto ovariano desaparece sem precisar de tratamento. No entanto, nos outros casos o cisto no ovário – especialmente aqueles que se rompem – podem causar sintomas graves.

Para proteger a sua saúde, faça exames pélvicos regulares e conheça os sintomas que podem sinalizar um problema potencialmente sério.

Antes de avançarmos para entendermos os tipos de cistos do ovário, lembremos da estrutura do órgão feminino. Portanto, como podemos ver na Figura 1, as mulheres apresentam dois ovários que são responsáveis pela produção de óvulos e hormônios (estrogênio e progesterona). Os ovários fazem parte do sistema reprodutivo feminino. Eles estão localizados no baixo-ventre em ambos os lados do útero.

FIGURA 1.Sistema reprodutor femini (fonte: Mayo Clinics). Legenda: Fallpian tube é a tompa ou tubo de Falópio, Ovary é o ovário, uterus é o útero, vaginal canal é o canal vaginal.

Tipos e causas dos cistos ovarianos

Existem dois tipos principais de quistos ovarianos: (1)cistos ovarianos funcionais – o tipo mais comum. Esses quistos inofensivos fazem parte do ciclo menstrual normal da mulher e são de curta duração. (2) cistos patológicos – estes são cistos podem ser inofensivos ou cancerosos (malignos).

Cistos ovarianos funcionais

Os cistos funcionais são que aparecem devido o funcionamento normal do organismo. Por exemplo, os cistos foliculares podem surgir durante o processo normal do desenvolvimento feminino. Sabe-se que os óvulos são formados no folículo, que contém fluido com a função de proteger o óvulo em crescimento. No entanto, quando chega o momento de liberar o óvulo, o folículo “explode”. Mas, nalguns casos, o folículo, por algum motivo, não libera o fluido e encolhe depois de liberar o óvulo. Assim o folículo pode voltar a encher-se de fluido e se tornar um quisto no ovário.

Outro exemplo de cisto funcional, sãos cistos do corpo lúteo. Comparado aos cistos foliculares, estes são menos comuns. Após o óvulo ter sido liberado, deixa um tecido para trás, conhecido como corpo lúteo. Este tecido, no entanto, pode se encher de sangue. Este tipo de cisto normalmente desaparece dentro de alguns meses. No entanto, às vezes pode se dividir ou romper, causando dor súbita e hemorragia interna.

Cisto no ovário patológico

Para facilitar a compreensão dos cistos patológicos podemos classificá-los dois tipos. O primeiro, conhecido como teratomas císticos ou dermoide, geralmente é benigno. São formados pelas células que produzem óvulos. Esses cistos precisam ser removidos cirurgicamente. Os quistos dermoides são o tipo mais comum de quisto patológico em mulheres com menos de 30 anos de idade.

O segundo tipo, a cistadenoma, é um tipo de cisto no ovário que se desenvolve a partir das células que cobrem a parte externa do ovário. Alguns são preenchidos com uma substância espessa, semelhante a muco, enquanto outros contêm um líquido aquoso. No entanto, ao invés de crescer dentro do ovário, os cistoadenomas são geralmente ligados ao ovário por um pedúnculo (uma espécie de “pé” ou “fio”). Ao existir fora do ovário, eles podem crescer muito. Eles raramente são cancerosos, mas precisam ser removidos cirurgicamente. Os cistoadenomas são mais comuns em mulheres com mais de 40 anos.

Sintomas de um cisto no ovário

Muitas vezes, os cistos no ovário não causam sintomas. Se os sintomas estiverem presentes, eles nem sempre ajudam a dar um diagnóstico conclusivo, porque outras condições, como a endometriose, têm sintomas semelhantes.

No entanto, os sintomas podem aparecer quando o cisto cresce, que incluem:

  • Menstruação irregular e possivelmente dolorosa: pode ser mais pesada ou mais leve do que antes.
  • inchaço abdominal
  • movimentos intestinais dolorosos
  • dor pélvica antes ou durante o ciclo menstrual
  • dispareunia. É a dor pélvica que ocorre durante a relação sexual. Algumas mulheres podem sentir dor e desconforto no abdômen após o sexo.
  • dor na parte inferior das costas ou coxas
  • problemas urinários, como problemas para esvaziar completamente a bexiga ou sentir a necessidade de urinar com frequência.
  • náusea e vomito
  • Anormalidades hormonais. Nestes casos o corpo da mulher produz quantidades anormais de hormônios, que resultam em mudanças na maneira como os seios e o pelo do corpo crescem.

Alguns sintomas do cisto no ovário são graves e que requerem atenção médica imediata. Estes incluem:

  • dor pélvica grave ou aguda
  • febre
  • desmaio ou tontura
  • respiração rápida

Esses sintomas podem indicar um cisto rompido ou uma torção ovariana. Ambas as complicações podem ter consequências graves se não forem tratadas precocemente.

Complicações

As massas ovarianas císticas que se desenvolvem após a menopausa podem ser cancerosas (malignas). É por isso que é importante ter exames pélvicos regulares.

Complicações infrequentes associadas com cistos ovarianos incluem:

  • Torção ovariana. Os cistos podem crescer tanto até mover o ovário, aumentando deste modo a chance de torcer o ovário dolorosamente. Os sintomas podem incluir um início repentino de dor pélvica grave, náusea e vômito. Além disso, a torção ovariana também pode diminuir ou interromper o fluxo sanguíneo para os ovários.
  • Ruptura. Um cisto que se rompe pode causar dor intensa e sangramento interno. Quanto maior for o cisto, maior será risco de ruptura. A atividade vigorosa (com muita força) que afeta a pelve, como a relação vaginal, também aumenta o risco.

Tratamento para um cisto no ovário

Seu médico pode recomendar o tratamento para encolher ou remover definitivamente o cisto, caso ele não desapareça sozinho ou se crescer. Portanto, o tratamento do cisto no ovário pode consistir na toma de anticoncepcionais ou cirurgias:

  • Pílulas anticoncepcionais. Se você estiver com cistos ovarianos recorrentes, seu médico pode prescrever contraceptivos orais para interromper a ovulação e prevenir o desenvolvimento de novos cistos. Além disso, os contraceptivos orais também podem reduzir o risco de câncer de ovário. O risco de câncer de ovário é maior em mulheres na pós-menopausa.
  • Laparoscopia. É um procedimento médico que envolve uma pequena incisão perto do umbigo e, em seguida, remoção do cisto presente no ovário, com ajuda de um pequeno instrumento. Mas, este procedimento é feito se o quisto for pequeno, e se um teste de imagem descartar presença de câncer.
  • Laparotomia. Se você tem um grande quisto, seu médico pode remover cirurgicamente o quisto através de uma grande incisão no abdômen. Eles conduzirão uma biópsia imediata e, se determinarem que o quisto é canceroso, podem fazer uma histerectomia para remover os ovários e o útero.
Clarear dentes podem danificá-los
Acidente vascular cerebral (AVC): tratamento e precauções
Menu