O que acontece com o sistema imunológico durante a gravidez?

sistema imunológico durante a gravidez

o sistema imunológico tem um ótimo desempenho e controlo durante a gravidez. No entanto, vírus e bactérias podem superá-lo, o que às vezes leva a terríveis consequências, como esquizofrenia e o nascimento prematuro.

O nascimento prematuro (nascimento antes das 37 semanas de gravidez) pode ser uma das consequências da falha do sistema imunológico durante a gravidez, devido a infeções (estima-se que 40% dos partos prematuros estejam associados a infeção).

Este tipo de nascimento é considerado a principal causa de morte em crianças menores de 5 anos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em 2015, isso resultou em quase 1 milhão de mortes em todo o mundo.

Durante a gravidez, o sistema imunológico da mãe está em constante fluxo; fato que pode desencadear diferentes estados inflamatórios.

Inflamação durante a gravidez

Como se sabe, para permitir que o embrião em desenvolvimento se implante, algumas células invadem ativamente o revestimento do útero; levando a uma cascata de resposta inflamatória, semelhante aos eventos que ocorrem durante a cicatrização de feridas.

Se a inflamação for impedida, o implante não poderá prosseguir, destacando a importância das moléculas e células inflamatórias nesse processo.

Este ambiente pró-inflamatório domina as primeiras 12 semanas de gravidez. Durante as 15 semanas seguintes, o feto está num estado de crescimento e desenvolvimento rápidos. As células e moléculas anti-inflamatórias prevalecem.

Algumas células do feto expressam marcadores de superfície celular, ou antígenos, que se originam do pai. Em circunstâncias normais, o sistema imunológico da mãe os reconheceria como estranhos e atacaria as células.

No entanto, as células T reguladoras (Tregs), que são uma forma especializada de glóbulos brancos que promovem um ambiente anti-inflamatório, protegem ativamente essas células fetais.

Durante a fase final da gravidez, o sistema imunológico volta a um estado pró-inflamatório. Sem isso, a mãe não pode entrar em trabalho de parto. O parto prematuro, por sua vez, pode estar associado a respostas imunes anormais.

Uma série de fatores influencia a forma como o sistema imunológico se comporta durante a gravidez e, cada vez mais, os cientistas acreditam que o microbioma da mãe tem um papel a desempenhar.

Microbioma e sistema imunológico durante a gravidez

Por muitos anos pensou-se que os recém-nascidos recebiam sua primeira dose de micróbios durante o nascimento. Esse pensamento caiu por terra, devido às descobertas microrganismos nas primeiras fezes de bebês, o que significa que alguma transferência de espécies microbianas da mãe para o feto ocorreu antes do nascimento do bebê.

No entanto, não são apenas os micróbios vivos que podem desempenhar um papel no desenvolvimento fetal; fragmentos de micróbios e os produtos da digestão microbiana podem ser transferidos através da placenta.

Apesar disso, não pense que tudo é mil maravilhas; microrganismos podem ser prejudiciais à saúde fetal em alguns casos. Por exemplo, existe uma teoria de que os vírus eliminam os efeitos benéficos que o microbioma normal proporciona, deixando a mãe e o feto em risco.

De acordo com essa hipótese, os vírus desativam os processos de sinalização imunológica que são cruciais para a interação entre o sistema imunológico e as bactérias. Isso deixa a mãe em risco de infecção bacteriana, além do vírus já existente no sistema.

Infecções virais e bacterianas durante a gravidez pode aumentar o risco da criança desenvolver esquizofrenia, distúrbio do espectro do autismo e alergias mais tarde na vida.

O que pode ser a causa? Provavelmente os altos níveis de ativação do sistema imunológico da mãe em resposta a uma infecção são os responsáveis ​​pelo dano irreversível causado ao feto.

Ou seja, mesmo que a infecção não seja transmitida diretamente pela mãe, os níveis de marcadores inflamatórios no feto aumentam nesses casos.

Referências bibliográficas

  1. Agrawal V, Hirsch E. Intrauterine infection and preterm labor. Semin Fetal Neonatal Med. 2012;17(1):12–19. doi:10.1016/j.siny.2011.09.001
  2. Masaru Tanaka, Jiro Nakayama, Development of the gut microbiota in infancy and its impact on health in later life, Allergology International, Volume 66, Issue 4, 2017, Pages 515-522, ISSN 1323-8930, https://doi.org/10.1016/j.alit.2017.07.010.
  3. Yella Hewings-Martin (2017). What happens to the immune system during pregnancy? Medical News Today. Disponível em: https://www.medicalnewstoday.com/articles/319257.php
Compartilhe o artigo

Autor: Augusto Constantino

Augusto Bene Tomé Constantino é Moçambicano. Nasceu na cidade de Chimoio, província de Manica. Formado em Farmácia pela Universidade Zambeze, leciona curso de Licenciatura na Faculdade de Ciências de Saúde da UniZambeze. Trabalha com microencapsulação de compostos bioativos usando biopolímeros de origem vegetal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *