Vibrio cholerae: caracteristicas, patologia e tratamento

descubra tudo sobre vibrio cholerae

O Vibrio cholerae é uma bactéria Gram-negativa altamente móvel, com forma de vírgula, com um único flagelo polar (Figura 1.). Ele existe em ambientes aquáticos, infecta o intestino delgado e produz toxinas da Cólera.

Vibrio cholerae
Figura 1. Vibrio cholerae (Fonte: Bacteria in Photo).

Existem centenas de sorogrupos que incluem cepas patogênicas e não patogênicas. Até recentemente, a doença era causada por apenas dois desses sorotipos, Inaba e Ogawa, e dois biótipos, o clássico e El Tor, do sorogrupo O1 toxigênico.

Em 1992, o sorogrupo O139, ou Bengala, surgiu como outra variante epidêmica do V. cholerae. Recentemente, houve um reconhecimento crescente do papel que os sorogrupos não-O1 e não-O139 podem estar desempenhando doenças diarreicas e gastroenterite.

Patologia do Vibrio cholerae

Se as bactérias forem excretadas elas passam por um período de 24 horas de atividade hiper-infecciosa e são mais propensas a serem transmitidas de forma pessoa para pessoa. Isso explica o quanto é contagiosa a infecção.

A colonização do intestino delgado é explicada pela motilidade eficaz do V. cholera, bem como sua facilidade de fixação à parede intestinal.

V. cholerae requer uma dose infecciosa comparativamente alta (10 ^ 8).

Essas bactérias possuem fatores de adesão especializados que lhes permitem se ligar à superfície hostil das microvilosidades. Uma vez ligado, o Vibrio cholerae exporta 1 de 2 formas antigenicamente relacionadas mas distintas de enterotoxina de cólera (CT-1 ou CT-2) para a célula epitelial intestinal.

A toxina da cólera faz com que a adenilato ciclase seja bloqueada no modo “ligado”, levando a um excesso de AMPc e subsequente hipersecreção de cloreto e bicarbonato, seguida de água.

A doença causada pelo V. cholerae – a cólera

A cólera é uma doença diarreica aguda que é transmitida pela ingestão de alimentos ou água contaminados. A infecção é geralmente leve ou sem sintomas, mas às vezes pode ser grave e ameaçar a vida.

Conforme a CDC informa, aproximadamente uma em cada dez (5-10%) das pessoas infectadas terá cólera grave que nos estágios iniciais inclui:

  • diarréia aquosa abundante, às vezes descrita como “fezes de água de arroz”
  • vômito
  • ritmo cardíaco acelerado
  • perda de elasticidade da pele
  • membranas mucosas secas
  • pressão sanguínea baixa
  • sede
  • cãibras musculares
  • inquietação ou irritabilidade

Pessoas com cólera grave podem desenvolver insuficiência renal aguda, desequilíbrios eletrolíticos graves e coma. Se não for tratada, a desidratação grave pode levar rapidamente a choques e morte em horas.

A diarreia profusa produzida por pacientes de cólera contém grandes quantidades de bactérias infecciosas Vibrio cholerae que podem infectar outras pessoas se ingeridas, e quando estas bactérias contaminam a água ou a comida levarão a infecções adicionais.

Tratamento da infecção por Vibrio cholerae

O tratamento da infecção por V. cholerae é baseado principalmente na rehidratação do paciente e também na administração de antibióticos. No entanto, a terapia de reidratação oral pode ser feita em certas condições.

terapia de reidratação oral

A terapia de reidratação oral (TRO) é o principal tratamento para a infecção aguda pelo cólera. Os requisitos de reposição de fluidos são determinados pelo nível de hipovolemia na apresentação pelo exame físico (ouvido, nariz, garganta, pinça de pele, pulso e estado mental) e classificados como: nenhum, alguns ou depleção grave de volume.

Dada a perda média de 20 mL / kg por hora em pacientes afetados pelo cólera, a reidratação deve ser iniciada imediatamente.

Depois da avaliação do déficit de volume inicial, a rota da reidratação determina-se e começa-se o mais logo possível.

Os pacientes com desidratação grave geralmente estão em choque hipovolêmico e requerem reidratação intravenosa emergencial de até 350 ml / kg nas primeiras 24 horas, com déficit completo de fluidos substituído durante as primeiras 3 a 4 horas.

A reidratação oral começa assim que o paciente é capaz de beber.

Terapia adjuvante de antibióticos

Os antibióticos são considerados como tratamento adjuvante para V. cholerae e são tipicamente administrados uma vez que o déficit inicial de volume seja corrigido e o vômito tenha cessado.

Os antibióticos resultam em melhorias substanciais nos resultados clínicos e microbiológicos encurtando a duração média da diarreia em um dia e meio, reduzindo o volume total de fezes em 50%, reduzindo a quantidade de fluidos de reidratação necessários em 40% e a redução da excreção de bactérias hiperinfetivas por 3 dias.

Embora principalmente com base nos padrões de disponibilidade e resistência, os principais antibióticos usados ​​incluem tetraciclinas, macrolídeos e fluoroquinolonas.

As tetraciclinas são os antibióticos mais estudados e usados. Em estudos de comparação, as tetraciclinas e a azitromicina podem ter vantagens sobre outros antibióticos quando se compara a duração da diarreia.

You might also like

More Similar Posts

Menu